Bebedouro e sua história

0
355
(Gazeta)

Tem muitas pessoas nas redes sociais se arvorando pelos anais de Bebedouro, então vai aqui mais uma contribuição da coleção de Joaquim Alves Guimarães, o tio Quincas, enviada para o Memorial da Gazeta através de seu filho Rubinho. Esta foto defronte à Prefeitura, na praça Valêncio de Barros, carrega uma dedicatória: “Exmo Snr Prefeito Municipal. A turma de Reservistas de 1944 oferece como prova de gratidão e apreço. Bebedouro, 24 de Setembro de 1944”.

 

(Arquivo pessoal)

Criador e criatura
A criação é ilimitada e quando toma forma, o estado de espírito de quem a consome determina seu sucesso. O jornalista agora escritor Marcos Pitta dedica sua criatura aos moradores que amam sua pequena Tayuva, então, a disposição emocional para a leitura está garantida. Sucesso Pitta.

 

(Arquivo pessoal)

Vai Lobo!
O Lobinho Rafael Serafim Cardoso, descontente com seu time entre os grandes, o Corinthians, declarou que agora só torce pra Inter. O pai Tiago e o avô Cardoso adoraram a atitude. Força Lobo, sua continuidade está garantida pelas próximas gerações.

 

(Gazeta)

(Divulgação)

Com classe
A revitalização da Praça da Matriz continua e as vozes dissonantes também, daqueles que, mesmo não tendo noção da história da cidade, dizem reclamar em nome dela. Para aqueles que classificaram os novos bancos como “sem classe”, vai minha contribuição. Similar está instalado em Paris, contribuindo para o glamour da cidade mais bonita do mundo, na Praça Dauphine, próxima à Ponte Neuf, na Ile de la Cité.

 

Frase da semana:

“O presidente sou eu, não abro mão da minha autoridade. Até porque estaria comprando uma vacina que ninguém está interessado por ela, a não ser nós”

Jair Bolsonaro, ao cancelar anúncio do Ministério da Saúde, do protocolo de intenções de compra de 46 milhões de doses da vacina Coronavac, que está sendo desenvolvida pelo Instituto Butantan e a farmacêutica chinesa Sinovac, em pronunciamento um dia após ao do ministro Pazuello.

 

168 países unidos
Em reunião técnica com a Comissão Externa de Enfrentamento à Covid-19, em Brasília, o deputado federal Geninho Zuliani (DEM/SP), nomeado relator da MP que permite adesão do Brasil à Aliança Covax Facility, coalização de 168 países para aquisição de uma vacina segura contra a Covid-19, declarou ser contrário à posição do presidente Bolsonaro em suspender o protocolo de intenções para aquisições de 46 milhões de doses da vacina CoronaVac.

Saúde X Política
“Não é hora de partidarizar a escolha da vacina, é preciso sim, fazer os investimentos necessários, salvar vidas, retomar a economia, gerar empregos”, afirmou Zuliani, na quarta-feira (21), em Brasília, “Hoje pela manhã, recebi essa notícia triste, de que o presidente estava desautorizando o ministro da Saúde. Fiquei estarrecido, estamos tratando de salvar vidas, o Brasil já perdeu 150 mil vidas”, declarou.
Na terça-feira, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, após reunião com 27 governadores e Distrito Federal confirmou e assinou protocolo de intenções de que seriam compradas 46 milhões de doses da vacina CoronaVac, um dos protocolos mais avançados em termos de imunização contra o coronavírus no mundo, já na fase 3 no Brasil – que é quando é aplicada em humanos – e em avaliação pela Anvisa. O órgão chegou a disparar comunicado oficial dizendo que “a ação é mais um passo na estratégia de ampla oferta de vacinação aos brasileiros. Somadas, as três vacinas – AstraZeneca, Covax e Butantan-Sinovac – representam 186 milhões de doses, a serem disponibilizadas ainda no primeiro semestre de 2021, já a partir de janeiro.”

Fanáticos digitais
Após repercussão de internautas nas redes oficiais do presidente, Bolsonaro declarou em sua conta no Twitter que “diante do exposto, minha decisão é a de não adquirir a vacina”, referindo-se a ela como “a vacina chinesa de João Dória”. E terminou acusando seu ministro de ‘traidor’, ofensa considerada grave entre os militares. Pazuello, convenientemente, está afastado porque testou positivo para Covid-19.

Como contraponto
Governadores e secretários de saúde estão revoltados com o vai-e-vem, assim como a comunidade científica, que está perplexa e incrédula. Luiz Carlos Dias, Professor Titular do Instituto de Química da Unicamp, membro titular da ABC (Academia Brasileira de Ciências) e membro da Força-Tarefa da Unicamp no combate à Covid-19 foi taxativo, “A população brasileira precisa ter acesso a todas as vacinas seguras e eficazes aprovadas em fase 3. É inaceitável politizar a questão das vacinas e colocar aspirações políticas pessoais acima da saúde pública da população brasileira”.

Médico X Prefeito ou Prefeito X Médico
Em entrevista a canal de TV, o candidato a prefeito de Bebedouro Fernando Piffer disse que vai definir depois das eleições, a que salário vai abrir mão, se de médico municipal ou de prefeito. A conferir. Indagado como vai conciliar as duas atividades, já que não vai abrir mão do exercício da medicina, Piffer disse que vai continuar fazendo os dois porque já faz isso na Câmara. Aí cabe a pergunta: será que o candidato acredita ser possível dar expediente na Prefeitura somente às segundas-feiras à noite? A conferir 2.

Mas, vamos falar de flores
O jornalista ex-integrante da equipe de redação da Gazeta Marcos Pitta, também responsável pela coluna Crítica em Foco, todos os sábados na Gazeta, lança o livro reportagem ‘Próxima Parada: Itayuva”, nesta semana. Num gesto de gentileza extrema nos presenteou com exemplar, trazendo-o pessoalmente. Dedicado, segundo o autor, a todos os moradores taiuvenses que amam a cidade como ele, o livro traz a história da pequena cidade, a partir do embarque na estação Itayuva, no trem Amora Branca, cujas paradas o ajudaram contar esta viagem. Como convidada a assinar seu Prefácio, depois da leitura, ouso dizer que o protagonismo de ‘Próxima Parada: Itayuva’ está no contador dessa história, Marcos Pitta. Vale a pena a leitura.

 

Publicado na edição nº 10528, de 24 a 27 de outubro de 2020.