Bebedouro está há 20 dias sem óbitos por Covid-19

Diretoria Regional volta a registrar aumento no percentual de ocupação de leitos, com duas cidades ‘em alerta’ pelo Governo do Estado.

0
44
O boletim epidemiológico de sexta-feira (4), mostra que Bebedouro soma 1.801 pessoas infectadas por Covid-19, desde março, sendo que 1.593 residem em Bebedouro e 208 são moradores da microrregião.
Do total de contaminados, 21 estão em isolamento domiciliar, apresentando sintomas da Covid-19; além de 1.732 pacientes já recuperados da doença, que representam 96,1% do total: 1.524 de Bebedouro e 208 da região.
O número de vítimas fatais da Covid-19 segue em 48 há cerca de 20 dias. Destes, 29 morreram em hospitais locais e 19 em unidades de saúde de outras cidades.
O boletim aponta ainda que há 11 bebedourenses em UTI, em tratamento da Covid-19, nove em Bebedouro e dois em Barretos. Há também outros quatro com sintomas leves, em enfermarias da cidade. Todos estes não constam do total de infectados.
Dados das cidades em alerta
Na terça-feira (1º), o Governo de São Paulo realizou reunião virtual com prefeitos de 62 cidades consideradas em alerta, que apresentaram aumento nas taxas de internação e ocupação de leitos por pacientes contaminados pelo coronavírus, discutindo medidas adicionais e conjuntas de controle da pandemia.
Faziam parte da lista, municípios com população acima de 70 mil habitantes, que apresentam, segundo a última atualização realizada em 28 de novembro, ocupação média de leitos acima de 75% ou aumento de internações em mais de 10%, na comparação dos últimos sete dias com o mesmo período anterior.
A Gazeta teve acesso a dados de Bebedouro e outras cinco cidades da região, que segundo levantamento do Estado, justificam o alerta. De acordo com os dados apresentados na reunião, Bebedouro tinha 21,72% de ocupação média de leitos, com 11% de crescimento.
Araraquara também teve 11% de aumento, com ocupação de leitos em 25,50%; com 22,60% de ocupação, segundo dados do Estado, Barretos teve aumento de 113% nas internações; Catanduva apresentou 32,26% de ocupação, com 21% de crescimento em internações; já Franca, com 44,38% dos leitos ocupados, teve acréscimo de 12%; por fim, Jaboticabal apresentou 31,94% de média em ocupação de leitos e 50% a mais de internações.
Evolução da DRS-5 nos últimos dias
Dados obtidos pela Gazeta, elaborados pelo GVE (Grupo de Vigilância Epidemiológica), da DRS-5 (Diretoria Regional de Saúde) mostram aumento no percentual de internações desde o primeiro dia de dezembro, na regional que inclui 18 cidades, uma delas Bebedouro e a sede Barretos. A GVE considera dados de leitos SUS e suplementares.
O levantamento mostra que, na terça (1º), a região somava 16.415 casos confirmados e 440 óbitos, com percentual de internações em enfermaria de 11,5% e 19,1% de ocupação de UTIs. Na quarta (2), os infectados subiram para 16.466, com 441 mortes e, enquanto a ocupação de enfermarias caiu para 9,4% (-18,2%), a de UTIs subiu para 22% (+15,1%).
A tendência manteve-se nos dias seguintes: na quinta (3), as 18 cidades tinham 16.546 casos e 441 óbitos, com ocupação de 9,2% (-2,1%) nas enfermarias e 28,4% nas UTIs (+29,0%); já na sexta (4), até ás 10h, a regional somava 16.559 infectados e 441 mortes registradas, com ocupação de enfermarias caindo para 8,3% (-9,7%) e de UTIs crescendo para 31,8% (+11,9%).
A diferença entre a terça (1º) e a sexta (4) representa queda de 27,8% em internações clínicas em enfermarias, porém, mostra aumento de 66,5% nas internações em UTIs da região.
Tempo de uso dos recursos para Covid-19 é estendido
Devido a este crescente aumento, o Senado aprovou permissão para que estados e municípios possam usar verbas de repasses federais e estaduais, destinados ao combate ao novo coronavírus, até dezembro de 2021. De acordo com a secretária de Saúde de Bebedouro, Sônia Junqueira, anteriormente a esta aprovação, todas as secretarias deveriam prestar contas dos valores recebidos e devolver o que não havia sido utilizado, até o fim deste ano. “Este não seria um problema se a pandemia tivesse acabado, mas ainda enfrentamos este vírus diariamente. O prazo estendido para uso dos recursos, permite que as Prefeituras mantenham suas ações de combate e possibilita que novas verbas sejam recebidas no próximo ano, por quanto tempo a pandemia perdurar”, diz Junqueira.
A secretária acrescenta que a orientação da Secretaria de Saúde do Estado é para que sejam mantidas ações de combate, hospitais provisórios, unidades de síndromes respiratórias e contratos vigentes, para que a Saúde pública não seja, mais uma vez, pega de surpresa com o possível aumento de casos. “O crescimento de internações e infecções pela Covid-19 já estão sendo vistos no país e no estado. Em nossa região, como os números mostram, também já vemos aumento. Não podemos dizer que esta é uma segunda onda, como houve nos países europeus, porque aqui, a pandemia nunca teve fim, mas os números voltaram a subir, devido ao relaxamento do isolamento, especialmente por parte dos mais jovens”, analisa Junqueira.

 

Publicado na edição nº 10539, de 5 a 8 de dezembro de 2020.