Bebedouro soma 935 pacientes infectados com a Covid-19

Especialistas em saúde esclarecem dados do boletim epidemiológico. Gazeta analisa pandemia em cidades pequenas da região.

0
86

Bebedouro atinge a marca de 935 pessoas infectadas com Covid-19 desde março deste ano, segundo boletim epidemiológico de sexta-feira (4), sendo 806 moradores de Bebedouro e 129 da região. São 35 casos a mais que na quinta (3), quando havia 900 infectados.
Dentre pacientes com diagnóstico positivo, 868 já estão recuperados (92,8% do total), sendo 743 bebedourenses e 125 moradores dos municípios da microrregião. Há ainda 36 pacientes em isolamento: 32 em Bebedouro e quatro em Barretos.
Desde segunda (31 de agosto), o número de vítimas fatais da Covid-19 na cidade subiram para 31, sendo 15 delas registradas em hospitais de Bebedouro, incluindo Unimed, Hospital Municipal e Estadual, e outras 16 pessoas falecidas em unidades de saúde de fora.
Há 14 bebedourenses internados em UTI (Unidade de Terapia Intensiva), entre Unimed e Hospital Estadual e outros dois em Barretos, totalizando 16 internados graves. Há também 14 infectados em enfermarias de Bebedouro, com quadros leves. Todos aguardam resultados para confirmação da doença.
De acordo com o Simi-SP, do Governo de São Paulo, o índice de isolamento de Bebedouro estava em 52% na terça (1º), voltou a cair para 49% na quarta-feira (2) e, na quinta (3) caiu para 45%, em 3º colocado no ranking estadual.
Considerando os casos de Bebedouro e a população estimada de 77,5 mil habitantes, há 12,05 pessoas contaminadas com Covid-19 por cada mil habitantes. Já a taxa de letalidade, que indica a porcentagem de pacientes infectados que faleceram em decorrência da doença, é de 3,31%, considerando 31 óbitos e 935 infectados.

 

Esclarecendo dados
Em entrevista a RB FM, a coordenadora da Vigilância Epidêmiológica, Thais Teixeira e a secretária de Saúde, Sônia Junqueira, esclareceram dados do boletim diário e analisaram o quadro epidemiológico do município.
De acordo com a coordenadora, a situação epidemiológica é estável na cidade: “Apesar de ter aumento no número de casos confirmados nas últimas semanas, também notamos aumento dos recuperados, ou seja, pessoas que já não apresentam mais sintomas e deixam de transmitir o vírus. Este dado é essencial para entender se o vírus ainda está ativo na cidade”, analisa Teixeira.
A coordenadora esclarece ainda que, o boletim diário contabiliza casos positivos diagnosticados desde março, incluindo recuperados, pessoas em monitoramento, ou seja, com diagnostico recente e que estão isoladas e os óbitos confirmados. “As internações não são somadas ao total de casos, devem ser contabilizadas à parte, pois alguns não são de Bebedouro, outros ainda não tiveram resultado e há ainda situações em que o paciente está internado há mais de 20 dias e, mesmo ainda tendo complicações da doença, já deixam de transmiti-la”, explica Teixeira.
A secretária de Saúde acrescenta que muitos questionam porque alguns bebedourenses ainda estão sendo encaminhados para internação em Barretos. Ela esclarece que o local de internação dos pacientes independe da escolha da Secretaria: “A Cross (Central de Regulamentação de Oferta de Serviços de Saúde) é automatizada pelo fluxo de pacientes, que através do DRS (Departamento Regional de Saúde), define onde cada paciente será internado. Tem pessoas de Bebedouro em outras cidades e moradores de outros municípios em Bebedouro. O critério depende da disponibilidade de vagas nos leitos de cada hospital”.
Também foi abordado pelas profissionais, os padrões de exames realizados na cidade: o PCR, que diagnostica pacientes que estão doentes no momento da coleta, realizados por hospitais e Vigilância; e os testes rápidos, que baseiam-se em análises de IGM e IGG, os mais utilizados por laboratórios e farmácias.
“O IGM analisa se a pessoa tem o vírus no momento da coleta e o IGG aponta se o paciente já teve o vírus, mas já não está mais transmitindo e não precisa estar em monitoramento. Por isso, às vezes, notamos crescimento de casos positivos, mas não há alteração nos pacientes em isolamento, porque foram diagnosticadas pessoas que não transmitem mais o vírus”, diz Teixeira, garantindo que todos os exames feitos na cidade, mesmo aqueles feitos em laboratórios particulares e farmácias, são contabilizados pela Vigilância, no boletim diário.

Nas cidades menores
Nas cidades menores localizadas na microrregião de Bebedouro, a situação epidemiológica também apresenta crescimento, seguindo a tendência dos municípios maiores, com população acima de 70 mil habitantes, como Bebedouro. A Gazeta analisa dados de 15 cidades próximas, que mantêm relação estreita com Bebedouro e que utilizam-se do comércio ou serviços da cidade.
Com maior número de casos, Olímpia soma 1.875 pacientes positivos e 44 mortes; seguida de Pitangueiras, com 632 casos e 11 óbitos; Monte Alto vem na sequência, com 615 infectados e 13 mortes; Severínia é a 4ª cidade, com 537 casos e sete óbitos; e Pirangi é a 5ª, com 350 pacientes infectados e 12 mortes causadas pela Covid-19.
Terra Roxa tem 267 casos e cinco mortes; já Viradouro soma 257 positivos e sete óbitos; em Colina, são 236 infectados e nove mortes; em Guaíra, 219 casos e três vítimas fatais; em Monte Azul, 210 contaminados e dois óbitos confirmados; em Taiúva, 198 casos e quatro mortes; enquanto na cidade vizinha, Taiaçú, são 185 casos e apenas uma vítima fatal; Vista Alegre do Alto soma 158 infectados e quatro mortes; Jaborandi tem 107 casos confirmados e um óbito; e Taquaral é o município com menos infectados, 88 pacientes positivos e apenas uma morte em decorrência do vírus.

(Fonte: Prefeituras Municipais)

 

Publicado na edição nº 10516, de 5 a 11 de setembro de 2020.