Morre Gilberto Braga, autor de novelas que entraram para a história

Marcos Pitta

0
94
Saudades – Gilberto Braga faleceu na terça (26) e deixa como memória, mais de 20 novelas e 5 minisséries. (Reprodução/Alex Carvalho-VIVA)

Minha paixão por novelas começou em 2001, em ‘O Clone’, mas foi em 2003, com ‘Celebridade’, de Gilberto Braga, que meu entendimento já era mais claro e alguns personagens marcantes deixaram rastros em minha memória, até hoje. Como esquecer de Laura Prudente da Costa, vilã interpretada por Cláudia Abreu e o famoso ‘quem matou Lineu?’, mistério revelado no último capítulo, mostrando quem havia assassinado o personagem de Hugo Carvana.

O autor nos deixou na noite de terça-feira (26), aos 75 anos, e estava internado no Rio de Janeiro desde sexta-feira (22), com infecção generalizada. Braga era casado com Edgar Moura Brasil há quase 50 anos.

Criador de vilãs memoráveis, Braga fez história na televisão brasileira e inovou o jeito de se fazer novela. Braga tinha sua marca, com diálogos bem pensados, refinados, trama ágil e críticas bem posicionadas em cada cena. Não à toa, um dos finais mais marcantes da história das novelas foi escrito por ele. Em ‘Vale Tudo’ (1988), o vilão Marco Aurélio, de Reginaldo Faria, termina se dando bem, fugindo de helicóptero do Brasil e dando uma ‘banana’, aos que aqui ficaram.

Ainda nesta novela, o autor criou Odete Roitman, uma das maiores personagens das últimas décadas. Foi com Roitman, inclusive, que ele consagrou o famoso ‘quem matou’. Na época, até a propaganda usou o bordão. A Maggi fez promoção com distribuição de prêmios em dinheiro para quem acertasse o nome do assassino em comercial protagonizado por César Filho e a clássica Galinha Azul da marca.

Em 2007, outra grande novela. ‘Paraíso Tropical’, atualmente reprisada pelo Viva. História envolvente e um casal que entrou para a história das novelas, Bebel e Olavo, vividos por Camila Pitanga e Wagner Moura. Em 2010, escreveu ‘Insensato Coração’, dando a Glória Pires, uma personagem completamente má, mas com motivos para isso. Norma foi tão maltratada que não teve saída, a não ser a vingança.

Em ‘Babilônia’ de 2015, o autor não teve tanto êxito. A trama recebeu muitos ajustes e, no final, parecia outra novela. A audiência não comprou a ideia. Mas, nem por isso Gilberto Braga deixou de entrar para a história. Logo no primeiro capítulo, foi exibida a cena do beijo entre as personagens de Fernanda Montenegro e Nathalia Timberg. A repercussão foi negativa, mas a cena representou muitos casais de lésbicas que se viram naqueles poucos segundos no ar.

É por conta desta cena, inclusive, que podemos ver Braga em sua última entrevista. O documentário ‘Orgulho Além de Tela’ traz entrevista com o autor que comenta sobre o beijo lésbico e dá detalhes também sobre como tratou a homofobia em ‘Insensato Coração’.

‘Feira das Vaidades’ era o título provisório de novela das 18h que ele estava preparando. 80 capítulos já estavam prontos e, há dois meses, a Globo cancelou o projeto. Com isso, Braga encaminhava-se para entrega de nova sinopse. Não deu tempo.

Publicado na edição 10.621, de 30 de outubro a 5 de novembro de 2021.