Na madrugada

0
160
(Divulgação/Unifafibe)

Na madrugada – O caminhão com as vacinas do Butantan chegou em Bebedouro, na quarta (20), por volta de 3h. O prefeito Lucas Seren acompanhado da secretária da Saúde, Silvéria Laredo e da coordenadora da Vigilância, Thais Teixeira estavam a postos para recepcionar e começar a vacinar. Acertaram em cheio.

Linha de frente – As enfermeiras da Vigilância Epidemiológica receberam imunização na manhã de quarta (21). Nada mais justo pelo trabalho assertivo que realizam. (Fotos: Gazeta)

Frase da semana

“É preciso andar com cuidado e com olhos atentos, pois a beleza aparece em lugares escondidos e inesperados, e o seu tamanho é tão diminuto que quase não é vista”.

Rubem Alves (1933-2014), filósofo, educador, jornalista e escritor brasileiro.

Fakes despencam…
Foi publicada na segunda-feira (18), no Washington Post, uma reportagem informando que, nove dias após a suspensão das contas do presidente americano Donald Trump e de seus aliados em redes sociais como Twitter, Instagram e Facebook, a desinformação online sobre fraudes eleitorais despencou 73%.

Procurando alternativa
Enquanto isso, os usuários de extrema direita estão migrando para novas plataformas, que não mantêm políticas contra a desinformação ou de monitoramento de conversas, o que pode favorecer a desinformação e estimular novas maneiras de fraudar os fatos. Por aqui, Bolsonaro e sua família já migraram para a plataforma Telegram em substituição ao WhatsApp.

Insurreição
Apresentado por Vitor Brown, com comentários de Ana Paula Henkel, Guilherme Fiúza e Paulo Figueiredo, a edição do programa Os Pingos nos is, da rádio Jovem Pan, foi alvo de críticas severas da classe dos jornalistas e recebeu do YouTube um alerta de “conteúdo impróprio ou ofensivo para alguns públicos”.
A postura dos comentaristas, que repetiram a teoria de que as eleições americanas foram fraudadas e insinuaram a todo momento que a invasão do Capitólio foi feita por infiltrados da extrema-esquerda é digna da mais veemente repulsa e insurgência da imprensa.
No Twitter, a jornalista brasileira que reside nos EUA Lúcia Guimarães chamou a comentarista Ana Paula Henkel de “mentecapta repulsiva” e questionou sua capacidade de informar o público brasileiro em função de sua condição de apoiadora extremada de Trump.

Censura?
A Agência Brasil não noticiou o início da imunização em São Paulo, no domingo (17), logo após a aprovação das vacinas pela Anvisa. E nem mencionou a enfermeira Mônica Calazans, como a primeira pessoa a receber a Coronavac no Brasil, cuja imagem rodou o país.
Segundo o colunista Guilherme Amado da revista Época, a EBC (Empresa Brasil de Comunicação) determinou que a Agência Brasil ignorasse em suas redes sociais a vacinação em São Paulo.

TV aberta
O programa Manhattan Connection está em casa nova e sua estreia foi na quarta-feira (20), às 22h, na TV Cultura. Em 2021, completa 28 anos no ar, só que até então, na TV fechada (GNT e Globo News), com os integrantes, jornalistas Lucas Mendes, Caio Blinder, Pedro Andrade e o escritor Diogo Mainardi, com produção de Angélica Vieira.
Neste programa de estreia, foram quatro blocos, com convidados de peso, entre eles, os ex-presidentes FHC e Michel Temer, nomes jovens, que, segundo Lucas Mendes, passam a ter mais presença na atração, nesta estreia com a deputada federal Tábata Amaral e o prefeito de Recife, João Campos, e o jornalista Luís Fernando Silva Pinto, ex-Globo, falando da posse de Joe Biden.

Sem censura
Um dos pontos reforçados pelos apresentadores e diretores da TV Cultura, na coletiva de imprensa, que anunciou a ida do programa para a emissora paulista foi a liberdade editorial para falar do cenário político atual, especialmente no Brasil e Estados Unidos.
Ao responder perguntas dos jornalistas que cobriram a coletiva, Diogo Mainardi disse que a função do jornalismo é a crítica e não vai mudar no Manhattan Connection.

Economia
A administração do prefeito Lucas Seren (DEM) começou sua gestão pensando em economizar recursos públicos. Para dar início a esta estratégia, está sendo revista a necessidade de ocupação de todos os prédios alugados. O primeiro a ser desocupado é o imóvel de propriedade do grupo Cutrale, vizinho ao shopping, onde está instalada a GCM. Provisoriamente, a corporação irá para a antiga sede dos Bombeiros, até que se resolva se o Samu virá para a cidade. E outros prédios locados estão sendo estudados.

De volta
A Zona Azul volta a normatizar o estacionamento no centro, a partir de 1 de fevereiro, depois de quase um ano de paralisação por causa da pandemia. O serviço cessou com o fechamento do comércio para conter o avanço da doença.
Segundo o diretor de trânsito, Archibaldo Brasil Camargo, “agora, as lojas já estão funcionando. É importante o cliente ter vaga para estacionar e comprar com tranquilidade. Hoje, uma pessoa ocupa um determinado espaço o dia todo, não compra no comércio e o cliente que quer estacionar, acaba buscando a mercadoria em outro local, diminuindo as vendas”. O período máximo de permanência dos veículos na mesma vaga é de 2 horas, de segunda a sexta–feira, das 9h às 18h, e aos sábados, das 9h às 13h, com tolerância de 15 minutos. O preço de cada hora de permanência na vaga continua em R$ 1,50.

Publicado na edição 10.548 de 23 a 26 de janeiro de 2021.