Perfil dos eleitos

José Mário Neves David

0
24

Passado o 1º Turno e divulgados os resultados das eleições municipais de 2020, já é possível definir um perfil dos candidatos eleitos, notadamente nos municípios com menos de 200 mil eleitores e onde não haverá 2º Turno no próximo dia 29 de novembro, maioria absoluta dos municípios do Brasil.
De acordo com dados divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na média, o perfil do candidato eleito corresponde a um homem, branco, casado, de 49 anos, com ensino superior completo.
Os homens representam 88% dos candidatos eleitos, contra uma participação de apenas 12% de mulheres no rol dos vencedores em 1º Turno. Apesar da participação feminina ainda ser pequena, há que se destacar um aumento de 0,4% em relação ao percentual de mulheres eleitas em 1º Turno nas eleições municipais de 2016 (11,6%).
Aproximadamente 67% dos eleitos no último dia 15 de novembro se declaram da cor branca, contra 0,4% de autodeclarados amarelos, 0,1% de indígenas, 32,1% de negros e 0,4% de raça não especificada. Cresceu, em relação ao pleito de 2016, a participação de negros no rol de eleitos em 1º Turno (32,1% em 2020 vs. 29,2% em 2016), contra uma diminuição de brancos (70,1% em 2016), amarelos (0,5% na última eleição municipal) e não declarados (0% em 2016). Os indígenas permaneceram no patamar de 0,1%.
No que cabe em relação à idade dos eleitos, a idade média dos vencedores de 49 anos destoa dos mais jovens a serem eleitos, que o foram com a idade mínima permitida pela Constituição Federal, qual seja, 21 anos, em cinco municípios de São Paulo, Rio Grande do Norte, Alagoas e Bahia, assim como do mais idoso, de 95 anos, em Muriaé – MG, sete anos mais velho do que o mais idoso eleito em 1º Turno em 2016.
Em relação à escolaridade, 55,3% dos candidatos eleitos no último domingo se declararam como detentores de diploma de curso superior, contra 52,2% que assim o fizeram no pleito de 2016 e 48,9% na eleição municipal de 2012. Dos demais eleitos no último dia 15/11, 4,6% possuem ensino superior incompleto, 25,8% ensino médio completo, 2,3% ensino médio incompleto e, em relação ao ensino fundamental, 5,8% declararam tê-lo completado e 5,1%, possuírem ensino incompleto. 0,7% declararam saber ler e escrever, apenas.
Vale destacar, ainda, que cerca de 20% dos candidatos a prefeito eleitos em 1º Turno em 2020 apresentaram declarações de bens que os qualificam como milionários – 1.158 candidatos, em um universo de 5,4 mil eleitos. O mais curioso é que 313 candidatos eleitos declaram não possuir patrimônio algum, um verdadeiro milagre da sobrevivência humana.
Da análise do perfil médio dos candidatos a prefeito eleitos em 15/11, conclui-se que a participação de mulheres e negros, apesar de crescente, é ainda desproporcional em relação ao quinhão que ocupam na demografia brasileira. Por outro lado, denota-se um aumento do percentual de candidatos detentores de diploma de curso superior, o que, em uma análise generalista, pode indicar uma busca maior do eleitor brasileiro por candidatos mais bem preparados e com maior estudo para desempenhar uma função tão importante para a comunidade como a de prefeito.
Neste contexto, é importante a participação cada vez maior dos estratos da sociedade subrepresentados na política, a fim de que haja pluralidade de ideias e diferentes pontos de vistas no comando dos municípios brasileiros.

(Colaboração de José Mário Neves David, advogado e administrador de empresas. Contato: jd@josedavid.net).

 

Publicado na edição nº 10535, de 21 a 24 de novembro de 2020.