São 537 casos e 26 óbitos por Covid-19 em Bebedouro

Hospital Estadual funciona desde segunda (10), ainda sem atendimentos. Seade aponta dados da doença na regional de Barretos.

0
119
Tudo pronto – Hospital Estadual passou a funcionar na segunda (10), com preparação de funcionários e instalação as divisões das UTIs. Leitos aparelhados já estão prontos para receber pacientes nos próximos dias. (Divulgação)

Bebedouro soma 537 pacientes contaminados com Covid-19, desde março deste ano, segundo boletim epidemiológico de terça-feira (11). Do total de pessoas diagnosticadas em hospitais locais, 458 são de Bebedouro e 79 são pacientes da região. Dentre estes, 412 já estão recuperados, sendo 343 bebedourenses e 69 moradores da região. Há ainda 99 pacientes que não estão curados do vírus, em isolamento: 89 de Bebedouro e 10 da região.
Os óbitos subiram para 26, de acordo com o boletim de segunda (10). Trata-se de mulher de 75 anos, com histórico de diabetes e hipertensão; mulher de 58 anos, com diabetes; e homem, 62, com diabetes, hipertensão e obesidade. Dois dos óbitos mais recentes foram registrados em Bebedouro e um, em hospital da região. No total, são 10 mortes em hospitais locais e 16 em unidades de saúde públicas e particulares de outras cidades, como Barretos e São Paulo.
Há seis bebedourenses internados em UTI, quatro em Bebedouro e dois em Barretos. Há também nove pacientes em enfermarias, na Unimed e no Hospital Municipal.

 

Isolamento social
De acordo com o Simi-SP, do Governo de SP, o índice de isolamento de Bebedouro, na sexta (7), era de 49% e subiu ainda mais no fim de semana, passando para 51% no sábado (8), mesmo com funcionamento do comércio durante todo o dia; para 53% no domingo (9), em 2º lugar no ranking das melhores 20 cidades do estado; e voltou a 49% na segunda (10), em 3º lugar.

Contaminação e letalidade
Considerando os casos de Bebedouro e a população de 77,5 mil habitantes, há 6,92 pessoas contaminadas com Covid-19 por cada mil habitantes. Já a taxa de letalidade, que indica a porcentagem de pacientes infectados que faleceram em decorrência da doença, é de 4,84%, considerando 26 óbitos e 537 infectados.

Dia histórico
Na segunda-feira (10), Hospital Estadual de Bebedouro passou a funcionar, sob gestão da Fundação Pio XII, de Henrique Prata, responsável também pelo Hospital de Amor de Barretos. Segundo o prefeito Fernando Galvão, em pronunciamento na RB FM, desde o final de semana, as equipes de administração e enfermagem estão sendo treinadas, para atender os pacientes diagnosticados com Covid-19. Na segunda (10), foi feita a instalação das cortinas dos leitos de UTI e, nos próximos dias, deve-se receber os primeiros pacientes.
De acordo com o prefeito, o hospital vai se chamar ‘José Cutrale Júnior,’ nome do pai de José Luís Cutrale, que doou o terreno para construção do prédio, como forma de agradecimento. Já a ala de enfermaria terá nome da enfermeira Michiko Yamada, que dedicou sua vida à saúde de Bebedouro e faleceu em decorrência da Covid-19, na sexta-feira (7).
Relembrando como tudo começou, Galvão conta que quando esteve em São Paulo, com o então governador Geraldo Alckmin, disse que Bebedouro merecia um hospital para atender toda a região, já que o Hospital Municipal atende oito cidades, totalmente financiado pelo município. “Muitos me chamaram de louco, por querer uma unidade estadual em uma cidade de médio porte, mas não desisti. E quando o então governador me perguntou se a Prefeitura já tinha a área para a construção, disse que sim, mas ainda não tinha”, recorda-se.
Para conseguir a doação do terreno escolhido, pertencente à família Cutrale, o prefeito conta que recebeu, por intermédio de seu pai, Carlos Galvão Moura, a indicação de Rene Hotz, amigo de José Luís, que o levou até o empresário. “Em Araraquara, no escritório do Cutrale, com a cara e a coragem, humildemente pedi a doação do terreno, exatamente na esquina do cruzamento das ruas José Cutrale Jr. e Amélia Bernardini Cutrale, pais do empresário. Ele se comoveu com o pedido e concedeu a área, de presente para Bebedouro. Hoje, colhemos os frutos da semente que foi plantada lá atrás, por isso, é digna a homenagem em nomear o hospital, com o nome do patriarca dos Cutrale”, diz o prefeito.

Regional de Barretos
A Gazeta teve acesso aos dados da Secretaria Estadual de Saúde, computados pela Fundação Seade, que apontam 5,3 mil casos confirmados da Covid-19 no DRS 5 (Departamento Regional de Saúde), de Barretos, que reúne 18 municípios, incluindo a cidade sede e Bebedouro e mais Altair, Cajobi, Colômbia, Guaíra, Guaraci, Jaborandi, Monte Azul Paulista, Olímpia, Severínia, Taiaçú, Taiúva, Taquaral, Terra Roxa, Viradouro e Vista Alegre do Alto.
O levantamento contabilizado até às 15h de segunda-feira (10), mostra que o DRS soma 3.358 casos positivos da Covid-19, desde março deste ano, além de 155 óbitos registrados, centralizados na cidade sede, que soma 79% de infectados e 54% do total de mortes pela Covid-19. A média mais recente, referente à primeira semana de agosto, é de 143 novos casos por dia, na regional de Barretos.
O estudo também aponta que, juntas, as 18 cidades têm 72,2% de ocupação das UTIs (Unidades de Terapia Intensiva), incluindo UTIs de hospitais particulares e públicos, especialmente em Barretos, que concentra pacientes de toda região. Já a ocupação das enfermarias, é de 21,5%. A média, na primeira semana de agosto, é de 20 novas internações por dia, entre enfermarias e UTIs. A região que soma 440,8 mil habitantes, conforme estimativa do IGBE, de 2019, possui 18,4 leitos de UTI para tratamento do novo coronavírus, por mil habitantes, segundo levantamento da Fundação Seade.

 

Publicado na edição nº 10509, de 12 a 14 de agosto de 2020.