54% dos psilídeos de Bebedouro carregam a bactéria do greening

0
156

Entretanto, das regiões monitoradas pelo ‘Alerta Fitossanitário’, a cidade teve os menores índices de psilídeos contamidados.

Sessenta e cinco por cento dos psilídeos capturados nas armadilhas do Alerta Fitossanitário, em São Paulo, carregam a bactéria do HBL (greening). A análise foi realizada pelo Fundecitrus (Fundo de Defesa da Citricultura) entre fevereiro de 2014 e fevereiro de 2015, em aproximadamente quatro mil amostras.

(…)

Leia mais na edição nº 9988, de 21, 22 e 23 de maio de 2016.