Bebedouro aguarda chegada de vacinas há pelo menos quatro dias

Nesta semana, Vigilância Epidemiológica cumpre agenda de aplicação da 2ª dose em diferentes faixas etárias.

0
70
Sem previsão - Desde quarta (4), Bebedouro não realiza imunização de 1º dose contra a Covid, mas, a aplicação para a 2º, permanece no período da manhã. (Gazeta de Bebedouro)

Desde quarta-feira (4), Bebedouro não imuniza a população contra a Covid-19. Segundo a secretária de Saúde, Silvéria Larêdo, “não há programação prévia, mas, nesta semana, esperamos vacinar as pessoas entre 27 e 25 anos. Entretanto, ainda estamos aguardando a chegada de novos lotes. Às vezes, a população nos cobra porque avisamos de última hora ou de um dia para outro, mas é tudo muito rápido. Quando recebemos o comunicado, já anunciamos a vacinação”.

Entre segunda (2) e terça-feira (3), a cidade imunizou 1.780 pessoas de 29 e 28 anos. Desde então, a Vigilância Epidemiológica está apenas aplicando a 2ª dose, no período da manhã, das 8h às 11h, na Feccib velha.

Na quinta-feira (5) e na sexta-feira (6), pessoas com 62 e 61 anos, respectivamente, receberam a 2ª dose da vacina, totalizando 1.410 pessoas imunizadas com cobertura vacinal completa.

“Aquelas pessoas que estão agendadas para receberem a 2ª dose no sábado (7), devem procurar a Feccib, na segunda-feira (9), com carteira de vacinação, CPF e documento com foto. Neste sábado, não haverá vacinação”, ressalta Larêdo.

Nesta semana, a Vigilância cumprirá agenda intensa de aplicação da 2ª dose em diferentes faixas etárias. Na segunda-feira (9), está prevista a cobertura completa para as faixas de 60, 37 e 36 anos.

Na terça-feira (10), será a vez das pessoas com 35 anos e profissionais da saúde. Já na quarta (11), a cobertura completa é para a faixa de 34 anos. Na quinta-feira (12), receberão a 2ª dose do imunizante as pessoas com 33 e 32 anos. Em todos os dias anunciados, a aplicação acontecerá na Feccib velha, das 8h às 11h.

Região vacinando outros públicos

Diferente de Bebedouro, algumas cidades da região estão vacinando públicos mais novos. Colina, por exemplo, há três dias anunciou imunização para pessoas com 25 anos; Barretos, de 24 a 22 anos; e Pirangi, de 25 a 22 anos.

Questionada, a secretária de Saúde afirma à Gazeta que “quando o Estado abre a vacinação para determinado grupo, por exemplo, de 30 a 25 anos, a quantidade de pessoas é maior do que as doses recebidas. Nestas cidades, quem chegar ou fizer o agendamento primeiro, vacina. As demais precisam aguardar chegar novas remessas. Em Bebedouro, adotamos formato diferente, optamos por vacinar uma faixa etária por dia ao invés do grupo todo anunciado. Uma vez, seguimos o calendário do governo, para as pessoas entre 51 e 59 anos, e apareceram na Feccib 2.500 pessoas. Havíamos recebido apenas 1.300 doses. Vacinando por faixa, estamos atingindo 100% dela. Nas cidades da região, pode acontecer de imunizar 70% de uma faixa e 10% de outra”, explica Larêdo.

Vacinômetro

Segundo o “Vacinômetro” do governo estadual, até o início da tarde de sexta-feira (6), Bebedouro já havia imunizado 47.786 moradores com a 1ª dose da vacina contra Covid-19, o correspondente a 61,62% da população. Já com as duas doses foram 20.912 habitantes, correspondente a 26,96% dos bebedourenses com cronograma vacinal completo.

Estado cobra vacinas do Ministério da Saúde

Em coletiva de imprensa, na quarta-feira (4), o governo estadual afirmou que o Ministério da Saúde entregou ao Estado de São Paulo apenas metade do lote previsto de vacinas da Pfizer contra a Covid-19.

Segundo a Secretaria de Saúde, foram repassadas 228 mil doses de um total de 456 mil que São Paulo teria direito, na divisão proporcional entre os estados, podendo prejudicar o calendário já anunciado para adolescentes.

“Na última remessa da Pfizer, a quantidade foi reduzida à metade, sem nenhuma justificativa. A decisão, como governador, qualifico como arbitrária, representa a quebra do pacto federativo. E o governo federal decidiu punir quem fez o certo e quem foi eficiente na vacinação”, declarou João Doria, na coletiva.

O secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, protocolou ofício junto ao Ministério da Saúde solicitando as 228.150 doses previstas inicialmente, e que sejam entregues em até 24 horas. Entretanto, até o momento, as doses não chegaram ao estado de São Paulo.

O governo estadual também anunciou, na quarta-feira (4), que, a partir de 17 de agosto, eventos sociais, museus e feiras corporativas, com controle de público, estarão liberados, desde que não gerem aglomerações e sigam os protocolos sanitários. Nesta data, também está prevista a queda da restrição de horário e de público aos estabelecimentos comerciais.

Shows com público em pé, torcidas e pistas de danças continuam proibidos até 1º de novembro, quando 90% dos adultos devem ter sido completamente vacinados. O uso de máscara continua obrigatório em qualquer ambiente.

Publicado na edição 10.599, de sábado a terça-feira, 7 a 10 de agosto de 2021.