Bebedouro ultrapassa mil casos positivos da Covid-19

Do total de infectados, 91% já está recuperado. Dados da Secretaria de Saúde apontam que pandemia pode ser causa de aumento de mortes em domicílio.

0
41

Bebedouro soma 1.007 pessoas infectadas com Covid-19 desde março deste ano, segundo dados da Vigilância Epidemiológica de sexta-feira (11), sendo 875 moradores de Bebedouro e 132 da região. No total, são 72 casos a mais que na última sexta-feira (4), com 935 infectados.
Dentre pacientes com diagnóstico positivo, 919 já estão recuperados (91,26% do total), sendo 793 bebedourenses e 126 moradores dos municípios da microrregião. Há ainda 57 pacientes em isolamento: 51 de Bebedouro e seis residentes na região.
Desde 31 de agosto, o número de vítimas fatais da Covid-19 na cidade permanece em 31.
Há 14 bebedourenses internados em UTI da Unimed e Hospital Estadual e um em Barretos, totalizando 15 internados graves. Há também 10 infectados em enfermarias de Bebedouro, com quadros leves. Todos aguardam resultados para confirmação da doença.
De acordo com o Simi-SP, do Governo de São Paulo, o índice de isolamento de Bebedouro alcançou 56% no feriado de 7 de setembro, em 1º lugar no ranking das 20 cidades mais bem colocadas do estado. Já na terça-feira (8), caiu para 46% e na quarta (9), subiu pouco, para 48%. Na quinta (10), o índice era de 47%, em 3º lugar no estado.
Considerando os casos de Bebedouro e a população estimada de 77,5 mil habitantes, há 12,99 pessoas contaminadas com Covid-19 por cada mil habitantes. Já a taxa de letalidade, que indica a porcentagem de pacientes infectados que faleceram em decorrência da doença, é de 3,07%, considerando 31 óbitos e 1.007 infectados.

Mortes em domicílio
Em Bebedouro, as mortes em domicílio cresceram 16,39% no comparativo com 2019, segundo dados fornecidos pela Secretaria de Saúde, a pedido da Gazeta de Bebedouro. Considerando os meses de janeiro a agosto do ano passado, com o mesmo período deste ano, as pessoas que faleceram em casa passaram de 61 para 71. Através das notas de falecimento recebidas pela Gazeta pelas funerárias locais, este aumento já havia sido notado.
Nenhuma das mortes em domicílio são de pacientes vítimas da Covid-19, porém, a pandemia pode ser a causa de mais pessoas estarem falecendo em casa, ao invés de terem seus óbitos registrados em hospitais. A secretária de Saúde de Bebedouro, Sônia Junqueira, diz que as causas das mortes são as mais variadas, porém, afirma que a maior parte dos pacientes estava em tratamento de doenças crônicas e degenerativas.
Questionada sobre o aumento das mortes em casa, a secretária diz que “é impossível afirmar se há ligação com a pandemia e o medo dos pacientes em procurar auxílio médico, mas é uma das causas prováveis”.
Em entrevista ao G1, a Central de SVO (Serviços de Verificação de Óbitos) do estado informou que a pandemia pode ter influenciado indiretamente no aumento das mortes, já que o sistema de saúde tem sobrecarga de atendimentos e a população tem receio de buscar hospitais.
O levantamento da Secretaria de Saúde aponta ainda queda de 23,38% de mortes em hospitais (295 x 226); retração de 200% de doenças não identificadas (2 x 0); aumento de 20% dos óbitos em vias públicas (10 x 12); queda de 100% também em locais tidos como ‘ignorados’ (1 x 0) e baixa de 60% na classificação de outros locais de óbito (5 x 2).
O total de mortes de janeiro a agosto de 2020 é menor que no ano passado, mesmo com a pandemia. Os dados apontam que as mortes passaram de 374 para 311 (-16,84%).

 

Estado

Todo o Estado está na fase amarela do Plano São Paulo de enfrentamento ao coronavírus e retomada econômica, permitindo atendimento presencial em bares, restaurantes, salões de beleza, academias, shoppings, comércios de rua, escritórios em geral e concessionárias. A partir de agora, a reclassificação para progressões de fase passa a ser mensal, com nova revisão no dia 9 de outubro.

100% – Todas as regiões do Estado estão na fase amarela do Plano São Paulo. A partir de agora, não há mais retrocesso para a fase laranja, indo direto para vermelha. (Divulgação/Governo de SP)

Com a estabilidade do avanço da pandemia em todas as regiões do estado, o Centro de Contingência recomendou que o monitoramento seja estendido para um período mínimo de 28 dias, garantindo mais segurança na possível migração de regiões para a fase verde, a partir do início de outubro.
Franca e Ribeirão Preto que estavam na fase laranja, registraram queda acentuada em mortes e internações provocadas pela Covid-19, além de melhoria nas taxas de ocupação de leitos de UTI.
De acordo com dados da Secretaria de Estado da Saúde, São Paulo registra declínio de mortes por coronavírus há cinco semanas consecutivas. Já as internações, estão em queda há oito semanas. Na atualização desta semana, a variação de novos casos na média estadual foi 31% menor em relação à medição anterior. As novas internações caíram 10% em comparação à semana passada, e o número de óbitos foi 20% menor.
“Não haverá retorno para a fase laranja, o que aumenta a responsabilidade de prefeitos, secretários municipais de saúde e da própria população. Afinal, a população precisa resguardar-se e proteger-se, obrigatoriamente usar máscara ao sair de casa, seguir o distanciamento social de 1,5 metro, lavar as mãos e usar álcool em gel”, enfatizou João Doria.
Contra preços abusivos – O Procon/SP, em conjunto com a Secretaria de Agricultura e Abastecimento, prepara operação especial de monitoramento e combate à precificação excessiva e injustificada de produtos da cesta básica, especialmente do arroz.
As ações de fiscalização serão iniciadas na, segunda-feira (14), e ocorrem em todo Estado, com o empenho de aproximadamente 100 fiscais na força-tarefa para conter os preços abusivos dos alimentos, especialmente do arroz. O Procon atuará para coibir os excessos que sejam eventualmente flagrados e, inicialmente, não haverá multas para os estabelecimentos.
Nos últimos meses, foram observadas elevações nos preços de alimentos, como arroz, feijão, carne, óleo de soja, leite longa vida e seus derivados.
PIB – O crescimento estimado do PIB do Estado de São Paulo foi de 2,1% no mês de julho. Nos meses de maio e junho, os índices foram de 4,5% e de 5,5%, respectivamente. Com tais resultados, o PIB de São Paulo chegou a 103,2 pontos. O desempenho é semelhante ao observado no mês de janeiro, quando o PIB atingiu 103,4 pontos e o país ainda não sofria os impactos da pandemia.
Os dados do PIB fazem parte do novo indicador PIB+30, criado pela Fundação Seade para disponibilização de informações mais rápidas e precisas e utilizado pelo Governo de São Paulo como apoio para tomada das decisões, especialmente na área econômica.
Cursos rápidos – O Estado anunciou, na sexta-feira (11), a oferta de 9.060 vagas para 11 cursos rápidos e gratuitos de qualificação profissional do programa Novotec Expresso, com apoio das Etecs e Fatecs do Centro Paula Souza. No total, 88 municípios das 16 regiões administrativas do Estado serão contemplados com a modalidade. Bebedouro está inclusa nesta lista.
Neste ano, o Novotec Expresso tem carga horária total de 90 horas em três meses e formato semipresencial, com cursos nas áreas de Gestão e Negócios, Tecnologia da Informação e Produção Cultural e Design.
A maior parte da carga horária será realizada online e ao vivo na plataforma Microsoft Teams, além de encontros presenciais organizados pelas unidades escolares, respeitando os protocolos de saúde e segurança dos estudantes, docentes e demais funcionários. Os encontros presenciais poderão ser aulas pontuais em laboratórios, visitas de campo, palestras e atividades de integração.
As inscrições seguem até quarta-feira (23) pelo site www.novotec.sp.gov.br.
Além disso, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, em parceria com a EF Education First, está oferecendo 17 mil bolsas em curso online e gratuito de inglês aos estudantes do ensino médio da rede pública estadual, Educação de Jovens e Adultos (EJA) e concluintes do ensino médio de dezembro de 2018 e 2019. As inscrições também podem ser realizadas pelo site www.novotec.sp.gov.br.
Ao realizar a inscrição, o estudante recebe em 48 horas, e-mail permitindo acesso à plataforma da Education First para iniciar o curso. As aulas deverão ser concluídas em até três meses, podendo avançar nos níveis de inglês dentro desse período.

 

Publicado na edição nº 10517, de 12 a 15 de setembro de 2020.