Butantan protocola pedido de uso de soro em pacientes com Covid-19

Secretaria Estadual de Saúde afirma que está em “operação de guerra” para atender pacientes infectados em hospitais.

0
122
Maior remessa – Na quinta-feira (4), São Paulo recebeu nova remessa de matéria-prima para produção local da CoronaVac; carga vinda da China desembarcou no Aeroporto Internacional de Guarulhos às 6h12. (Legenda – Divulgação/Governo do Estado de SP)

O Instituto Butantan protocolou junto à Anvisa pedido para que pacientes diagnosticados com Covid-19 possam ser tratados com soro desenvolvido pela instituição.
“O soro desenvolvido pelo Butantan tem grande potencial para evitar agravamento de sintomas e curar os contaminados pela Covid-19”, ressaltou João Doria, em coletiva de imprensa, na sexta-feira (5).

Os estudos clínicos estão sendo conduzidos pelo infectologista Esper Kallás, da USP, e pelo nefrologista José Medina, integrantes do Centro de Contingência do Coronavírus do governo estadual, com o objetivo de verificar a segurança e a eficácia do soro em pacientes infectados com o novo coronavírus. Três mil frascos de soro estão prontos para o início imediato dos testes em humanos.

A equipe de pesquisadores do Butantan concluiu teste de desafio, realizado em parceria com a USP, com ratos infectados pelo vírus vivo. Com o uso do soro, foi identificada diminuição da carga viral, além de perfil inflamatório reduzido, e os animais também apresentaram preservação da estrutura pulmonar.

Após a aprovação da Anvisa para o início dos testes em humanos, caso apresente a eficácia esperada, o soro poderá ser usado para tratar pacientes infectados com sintomas, visando bloquear o avanço da doença.

O soro é feito a partir de vírus inativado por radiação, em colaboração com o Ipen (Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares), e aplicado em cavalos, que produzem anticorpos do tipo IgG, extraídos do sangue e purificados com técnica já utilizada pelo Butantan.

Em clima de guerra
Na 9ª semana epidemiológica do ano, São Paulo atingiu, na quinta-feira (4), 77,4% de seus leitos de UTI ocupados, o maior índice desde o início da pandemia. 7.892 pessoas estão internadas em leitos intensivos e 9.910 em enfermaria. A cada dois minutos, três pacientes são internados no Estado, seja em enfermaria ou em UTI.
De acordo com o levantamento, São Paulo registrou aumento de 0,4% em novos casos de Covid ante a semana epidemiológica anterior. 13,2% de crescimento no número de óbitos e alta de 13,5% em internações hospitalares.

Na segunda-feira (8), o governo estadual anunciará abertura de novo hospital de campanha para atender pacientes. Além disso, na quarta-feira (3), para reduzir a pressão nos hospitais, a Secretaria Estadual de Saúde divulgou que 500 leitos, sendo 339 em UTIs e 161 em enfermarias, serão abertos gradativamente, a partir desta semana.

Na sexta-feira (5), o secretário Jean Gorinchteyn pediu ajuda a conselhos regionais de profissionais de saúde para que voluntários possam auxiliar no atendimento da linha de frente. “Vamos continuar abrindo leitos dentro dos hospitais. Abriremos em qualquer lugar destes hospitais: seja nos anfiteatros, nos ambulatórios, nos corredores. Ah, paciente no corredor? Vai ter paciente no corredor, o que nós não queremos é paciente desassistido”, disse Gorinchteyn, afirmando que uma “operação de guerra” está sendo preparada para acolher infectados.

Publicado na edição 10.560 de 6 a 9 de março de 2021.