Centro de Contingência recomenda medidas mais restritivas

Estado libera para a iniciativa privada informações sobre os 22 aeródromos hoje administrados pelo Daesp, dentre eles, o Aeroporto de Barretos.

0
34
Centro de Contingência ao Coronavírus em São Paulo recomenda ao governo estadual, medidas mais restritivas, porém, João Doria e o secretário de Saúde Jean Gorinchteyn, optaram por aguardar a nova atualização do Plano São Paulo. (Divulgação/Governo de SP)

O Centro de Contingência ao Coronavírus em São Paulo recomendou ao governo estadual, adoção de medidas mais restritivas no enfrentamento à pandemia da Covid-19.
“O Centro de Contingência aprovou, por maioria, enviar ao Governo do Estado algumas recomendações de aumento de restrições e medidas que poderiam ser tomadas. O governo recebeu estas recomendações e entende que estas sugestões estão embutidas dentro do Plano São Paulo, com novo anúncio na próxima segunda-feira (30)”, explicou o coordenador executivo João Gabbardo, em coletiva de imprensa, na quinta-feira (26), no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo.
Atualmente, 76% da população paulista está na fase verde, a segunda menos rigorosa do plano.
Segundo o coordenador do Centro de Contingência, José Medina, as recomendações envolviam a restrição de atividades de lazer noturno. “As autoridades de saúde estão preocupadas, porque entendem que o aumento de casos e internações está ocorrendo, pois os jovens estão indo para festas, pegando a doença e transmitindo para pais e avós. Por este motivo, é analisada a possibilidade de bares e restaurantes fecharem mais cedo. Porém, preservar outras atividades, como educação”, ressaltou o médico.
A nova atualização do Plano São Paulo será divulgada nesta segunda-feira (30), após adiamento do governo estadual, em razão de instabilidade nos dados sobre óbitos e casos graves de coronavírus, provocada por falhas no sistema Sivep do Governo Federal. Além disso, a Secretaria Estadual de Saúde e o Centro de Contingenciamento do Coronavírus voltam a realizar análises a cada 14 dias, e não mais a cada mês.

Segurança
O Estado de São Paulo anunciou, na quinta-feira (26), a contratação de 5.875 policiais militares e civis, aprovados em concursos públicos que haviam sido suspensos em razão da pandemia. Parte dos profissionais iniciará suas atividades no segundo semestre de 2021.
Para a Polícia Militar serão nomeados 2.100 soldados de 2° classe de edital de 2019, que estava suspenso. Após a nomeação, os candidatos tomarão posse e iniciarão o Curso Superior Técnico de Polícia Ostensiva e Preservação da Ordem Pública, na Escola Superior de Soldados. As aulas devem começar em dezembro.
Além destes, está prevista, para o primeiro semestre de 2021, a nomeação de mais 2.700 soldados de 2° classe e 190 alunos-oficiais de outros dois concursos suspensos, dos anos de 2019 e 2020, respectivamente.
Já para as atividades de polícia judiciária, serão nomeados 885 profissionais, sendo 32 delegados, 600 investigadores, 54 agentes de telecomunicação, 30 papiloscopistas, 86 auxiliares de papiloscopista e 83 agentes policiais.
Após a nomeação, os candidatos também tomarão posse e, em seguida, iniciarão o curso de formação na Academia de Polícia Dr. Coriolano Nogueira Cobra (Acadepol). Assim como na PM, a turma deve iniciar as aulas em dezembro deste ano.

Aeroportos
Desde sexta-feira (27), está à disposição da iniciativa privada, as informações sobre os 22 aeródromos hoje administrados pelo Daesp (Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo). É a última etapa antes da publicação do edital de licitação, a ser conduzida pela Artesp.
O dataroom trás aos interessados, acesso à documentação dos aeroportos, como plantas, contratos vigentes, convênios, ações judiciais, entre outros.
“O Governo pretende agitar o mercado para que os interessados comecem, de posse das documentações, a calcular as vantagens competitivas da concessão e se preparem para o edital”, afirmou o vice-governador e presidente do Conselho Gestor de Concessões, Rodrigo Garcia.
A desestatização permitirá investimentos de R$ 700 milhões nos aeroportos regionais de São Paulo, em 30 anos de contrato. Nove dos 22 aeroportos têm serviços de aviação comercial regular e 13 são destinados à modalidade executiva, e movimentam juntos, 2,4 milhões de passageiros por ano, considerando embarques e desembarques, sendo que estão divididos em dois lotes no processo de licitação internacional, puxados pelas duas principais unidades, Ribeirão Preto e São José do Rio Preto.
Composto por 13 unidades, o lote de São José do Rio Preto tem os aeroportos comerciais de Presidente Prudente, Araçatuba e Barretos, além dos aeródromos com vocação executiva de Avaré-Arandu, Assis, Dracena, Votuporanga, Penápolis, Tupã, Andradina, Presidente Epitácio e São Manuel. Somente em obras, estão previstos investimentos de R$ 177 milhões neste lote, sendo que R$ 63 milhões terão de ser aplicados nos três primeiros anos de contrato.

 

Publicado na edição nº 10537, de 28 de novembro a 1º de dezembro de 2020.