CoronaVac tem eficácia global de 50,38%, afirma Butantan

No programa de logística, governo estadual prevê saídas semanais de grades com 2 milhões de doses, com caminhões refrigerados e equipados para monitoramento de temperatura.

0
175
Uso emergencial - Integrantes do Instituto Butantan comemoram a eficácia global de 50,38% da CoronaVac no estudo clínico desenvolvido no Brasil.

A vacina CoronaVac obteve 50,38% de eficácia global no estudo clínico desenvolvido no Brasil, segundo informações do Instituto Butantan divulgadas, na terça-feira (12). Na semana passada, o órgão divulgou que o imunizante apresenta 78% de proteção em casos leves e 100% contra casos moderados e graves da Covid-19. Os índices são superiores ao patamar de 50% exigido pela OMS (Organização Mundial de Saúde).
Os testes foram realizados em 12.508 voluntários no país, todos profissionais de saúde, distribuídos em 16 centros de pesquisas, inclusive no Hospital de Amor de Barretos.
“Esta vacina tem segurança, tem eficácia, e todos os requisitos que justificam o uso emergencial”, ressaltou o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, em coletiva de imprensa.
Segundo o estudo, a menor taxa foi registrada em casos de infecções muito leves, considerados score 2 e verificados em pacientes que receberam placebo. De uma amostragem de 9,2 mil participantes, 85 dos casos foram de pessoas que receberam vacina, e 167 em voluntários que tomaram placebo.
Já o resultado de eficácia dos casos leves, classificado como score 3, em pacientes que precisaram receber alguma assistência, foi de 77,96%, sendo que sete pessoas haviam recebido a vacina, e outras 31, placebo. Para os casos moderados e graves que necessitaram de hospitalização, a eficácia foi de 100%. Nenhum paciente infectado que recebeu a CoronaVac precisou de internação. Entre os que tomaram placebo, houve sete pacientes que precisaram de internação.
“Os dados são extremamente importantes no impacto da saúde pública, impedindo que as pessoas adoeçam de forma grave e sobrecarreguem hospitais. É a possibilidade de impedirmos que as pessoas morram. Temos uma vacina que foi testada na vida real, no meio de uma pandemia e naqueles que eram mais expostos”, afirmou o secretário Estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn.
Na segunda-feira (11), o governo estadual divulgou o plano de logística de vacinação do SUS para a campanha estadual contra a Covid-19, que deve começar no dia 25 deste mês. Serão mobilizados 77 mil profissionais, sendo 52 mil da Saúde e 25 mil policiais que atuarão desde as etapas de armazenamento, envio de doses e insumos às regiões e municípios, até a aplicação das vacinas nos postos.
As doses têm como ponto de partida o Instituto Butantan e serão acondicionadas inicialmente no Centro de Distribuição e Logística do Estado de São Paulo. A partir daí, grades semanais serão distribuídas para a rede, com entregas diretamente a 200 municípios mais populosos e retiradas em 25 Centros de Distribuição regionais para as demais cidades. As Prefeituras, por sua vez, deverão garantir abastecimento nos postos de vacinação.
O plano logístico prevê saídas semanais de grades com 2 milhões de doses, com caminhões refrigerados e equipados para monitoramento de temperatura, rastreabilidade por radiofrequência, equipe de apoio, além de uma auditoria independente sobre todo volume de carga movimentada. Em média, 70 rotas deverão ser percorridas semanalmente.