Governo de SP pede aprovação da Anvisa para testes da ButanVac em humanos

Pela primeira vez em meses, índices de contaminações, internações e óbitos estão em queda no Estado.

0
76
Mais imunização – Instituto Butantan envia pedido à Anvisa para testes das fases 1 e 2 da ButanVac, em humanos. Estudo clínico deve durar até 20 semanas. (Governo do Estado de São Paulo)

A coletiva de imprensa do Governo do Estado de São Paulo de sexta-feira (23) foi de boas notícias para os paulistas no que diz respeito à vacinação, índices epidemiológicos e economia. Segundo o vice-governador Rodrigo Garcia, condutor da coletiva, “os esforços do estado em fomentar o plano de imunização e as medidas de restrição para conter o contágio da Covid-19 são eficazes, por isso, São Paulo avança”.

Quatro assuntos foram apresentados aos jornalistas, no Palácio dos Bandeirantes, pelos respectivos representantes das pastas. Dimas Covas, presidente do Instituto Butantan, anunciou que na manhã de sexta (23), o instituto encaminhou à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) o dossiê pedindo a liberação para serem iniciados, o mais rapidamente possível, os testes da ButanVac, em humanos.

“Esta é a primeira vacina 100% brasileira, que não necessita de importação de insumos de outros países. Temos condições de fabricá-la integralmente aqui e nossa capacidade de produção é alta, especialmente porque com a finalização da produção da vacina da Influenza para encaminhar ao Ministério da Saúde, poderemos nos concentrar totalmente na produção da ButanVac”, pontuou Covas.

Diferente da CoronaVac e outras vacinas pioneiras no Brasil, os estudos da ButanVac, segundo Covas, serão de comparabilidade do novo imunizante com outros já existentes no mercado, analisando segurança e eficácia. “São 20 semanas de testes, porém, a partir da 16ª já será possível ter resultados suficientes para solicitar seu uso emergencial”, garantiu Covas, acrescentando que, tão breve haja aprovação de testes pela Anvisa, o Governo de São Paulo divulgará o público de voluntários.

Indicadores da pandemia

O vice-governador celebrou que, pela primeira vez em dois meses, São Paulo registra recuo nos três indicadores de avanço da pandemia. Segundo o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn, o número de casos caiu 14,3%; de internações em UTIs e enfermarias, reduziu 6%; e os óbitos pelo vírus, que por mais tempo não tinham decréscimo, caíram 23,6%.

Vacinação

Rodrigo Garcia anunciou ainda que o Governo de SP fará repasse de R$ 33,3 milhões às prefeituras paulistas, como aporte aos municípios para manterem qualidade e agilidade da imunização, com a compra de insumos e o pagamento das equipes de atendimento. O valor foi pactuado entre o Estado e os secretários de saúde municipais.

“A vacinação começou em 17 de janeiro e os municípios, em nenhum momento, pararam de vacinar. Hoje temos concomitância entre vacinação contra Covid e Influenza, o que requer destas equipes um trabalho ainda maior, por isso, este apoio do Estado”, justificou Regiane de Paula, coordenadora do Programa Estadual de Imunização.

Fase de transição

A partir de sábado (24), em todo território paulista, retomam as atividades de serviços em restaurantes, lanchonetes, salões de beleza, parques, clubes e academias, conforme protocolo da fase de transição. Ao fim desta etapa, no próximo domingo (2 de maio), todas as regiões do Estado devem avançar para a fase laranja. A secretária de Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen, destaca que estes estabelecimentos podem atender com 25% da capacidade e a restrição de circulação deve ser mantida até 20h, porém, em Bebedouro, esta restrição foi estendida até 22h.

Publicado na edição 10.573 de 24 a 27 de abril de 2021.