Idosa de 73 é estuprada e morta em distrito de Cajobi

0
105

Um homem de 36 anos, morador de Monte Verde Paulista, distrito de Cajobi, é suspeito de ter estuprado e assassinado a vizinha de 73 anos. A família diz que o suspeito teria problemas mentais e cometeu o crime durante um surto.
O crime aconteceu na manhã de domingo (2). O corpo de Nadir Faneco foi encontrado na cozinha de sua casa por uma vizinha e o suspeito A. R. C. visto fugindo, pulando os muros dos fundos da casa, depois encontrado pela Polícia Militar, horas depois, escondido em um canavial. Ele foi levado à Delegacia de Olímpia e depois encaminhado à Cadeia de Colina.
Mãe de quatro filhos, Nadir era viúva e morava sozinha. A vítima era muito conhecida pelos moradores, que ficaram chocados com o estupro e homicídio.
Segundo informações de testemunhas à polícia, a última vez que Nadir foi vista foi às 6h30, quando estava varrendo a calçada. Foi um vizinho que encontrou o corpo dela com sinais de violência sexual.
Foram chamadas equipes do Samu, mas como ela não tinha mais sinais vitais, foi chamada a Polícia Militar.
O suspeito foi encontrado desmaiado no meio do canavial com um cadarço enrolado no pescoço, o que sugere que ele tenha tentado se matar. Após ser levado para a UPA de Olímpia, ele foi encaminhado à delegacia da cidade e preso em flagrante por estupro seguido de morte.
Segundo a polícia, ele teria confessado o crime e disse que não tinha a intenção de roubar ou matar a idosa. Angela Faneco, nora da idosa assassinada, diz que a família conhecia o suspeito.
“A gente o conhecia porque Monte Verde Paulista é um distrito e todo mundo se conhece. Eu até achava ele meio estranho, mas nunca imaginei que ele fosse capaz de matar minha sogra”, diz Angela.
Uma prima do suspeito diz que o homem pode ter sofrido um surto após misturar bebida com fortes medicamentos.
“Meu primo tem um problema no cérebro e toma fortes medicamentos. Mas no final de semana, sem avisar ninguém, ele bebeu muito em uma festa em Severínia. Nós acreditamos que ele tenha sofrido após a mistura de álcool com os medicamentos. Nossa família conhecia a Dona Nadir e estamos muitos abalados com o que aconteceu”, comenta a prima.
Dona Nadir era viúva, tinha quatro filhos e seis netos. Ela foi enterrada na tarde de segunda-feira ( 3). O acusado era funcionário de uma empresa em Severínia, não tinha passagens pela polícia e não era usuário de drogas. No final da tarde de segunda, ele foi transferido para o CDP de Serra Azul.

(Colaboração de Marco Antônio dos Santos, repórter do Diário da Região).

Publicado na edição nº 10112, de 4 e 5 de abril de 2017.