Óbitos e casos voltam a subir em Bebedouro

Reanálise do Instituto Adolfo Lutz aponta que a região de Barretos ocupa a terceira posição no Estado com predominância da variante P.1.

0
87
(Vigilância Epidemiológica de Bebedouro)

O número de óbitos relacionado à Covid-19 voltou a crescer na cidade. Até a última sexta-feira (23), Bebedouro contabilizava 303 mortes em decorrência da doença, porém mais três vítimas do vírus foram acrescidas no boletim epidemiológico de segunda-feira (26).

Desde março do ano passado são 306 óbitos. Destes, os mais recentes são de três homens: com 89 anos, que faleceu em casa e tratava-se de Alzheimer; com 81 anos, sofria de doença cardíaca e Parkinson, hospitalizado na Unimed; e paciente, 49, que estava internado no Hospital Estadual de Bebedouro.

O número de casos positivos também subiu na cidade, passando de 11.432 pacientes na sexta-feira (23) para 11.539, no levantamento de terça-feira (27), sendo 1.048 de moradores da microrregião.

O boletim indica ainda que há 117 pessoas positivadas e monitoradas pela Vigilância Epidemiológica, em Bebedouro, isoladas em suas residências. Outros 61 pacientes aguardam resultado de exames.

O percentual de internações na saúde pública e particular de Bebedouro e região recuou. No Hospital Estadual, a ocupação de leitos de UTI caiu para 80%, com 16 pacientes em estado grave. Na rede privada, são quatro leitos ocupados, indicando 36,36% de ocupação. A rede municipal não possuía pacientes em estado grave, tanto na UCE (Unidade de Cuidados Especiais), quanto na UPA 24H, no boletim de terça (27). Oito bebedourenses estão internados em hospitais da região pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

Nas enfermarias são 37 hospitalizações, sendo 11 no Hospital Municipal, 18 no Hospital Estadual e oito na rede particular.

Crescimento na média móvel de casos

O número de novos casos vem crescendo, semanalmente. Entre os dias 8 e 13 de julho, Bebedouro registrou 138 positivados. Uma semana depois, entre os dias 14 e 20 de julho, foram 272 notificações positivas, representando aumento de 97,10%. Já na semana de 21 a 27 de julho, a cidade contabilizou 431 positivados, com crescimento de 58,45% em sete dias. A média móvel nos últimos em 14 dias é de 50,21 casos/dia.

Variantes

O Instituto Adolfo Lutz e o Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo identificaram que a variante P.4 do novo coronavírus já circulava desde o início deste ano, em São Paulo, mas como P.1, batizada de Gamma.

Na última semana, balanço atualizado pelo Instituto, indica a presença da P.4 em aproximadamente 4% das amostras analisadas desde janeiro no Estado. Antes, o percentual era de 20%, mas foi ajustado após apontamentos de pesquisadores da Unesp de Botucatu ao Lutz e retransmitidos ao Gisaid, banco mundial de sequências genéticas.

Com este cenário, a variante Gamma passa representar 83% das amostras e não mais 90%, como anteriormente divulgado, e diferentemente da primeira, segundo a reanálise, não é considerada variante de atenção, ou seja, não há até o momento evidências que apontem maior potencial de transmissão ou agravamento dos pacientes infectados.

Segundo relatório, na regional de Barretos a predominância da P.4 está em 4,35%. Entre as regiões, São João da Boa Vista (20,41%), Araraquara (13,29%) e Taubaté (10,61%) lideram os maiores percentuais. Ribeirão Preto à frente de Barretos, tem 4,57%. Já Franca possui uma das menores do Estado, 1,56%.

Em contrapartida, Barretos é a terceira região com maior predominância da P.1, 86,96%, perdendo apenas para São José do Rio Preto (92,86%) e Registro (90,91%). Ribeirão Preto está com 83,33% e Franca, com 64,06% de presença da variante P.1.

Cidade aguarda vacinas

O Vacinômetro estadual indica que 23,89% da população bebedourense está 100% imunizada contra a Covid, tendo recebido duas doses ou dose única da vacina, representando 18.529 pessoas. Com a 1ª dose, já vacinaram-se 43.921 bebedourenses (56,63%).

Ainda sem previsão de envio de novos lotes com 1ª dose de vacina pelo Governo de São Paulo, a aplicação foi suspensa desde segunda-feira (26). “A Diretoria Regional de Saúde prevê chegada de doses para a tarde de quarta (28), mas nada confirmado”, diz Thaís Teixeira, coordenadora da Vigilância Epidemiológica, mencionando que a aplicação da 2ª dose está sendo realizada pela manhã, das 8h às 12h.

Publicado na edição 10.596, de quarta, quinta e sexta-feira, 28, 29 e 30 de julho de 2021.