Pela segunda semana consecutiva, média móvel de casos recua em Bebedouro

Com 13 pacientes em estado grave, a ocupação de leitos de UTI no Hospital Estadual caiu para 65%. Na rede privada e nas enfermarias, a ocupação também recua.

0
403
(Fonte: Vigilância Epidemiológica de Bebedouro)

Pela segunda semana consecutiva, a média móvel de casos volta a cair em Bebedouro, após reincidentes crescimentos. De acordo com dados da Vigilância Epidemiológica, compilados pela Gazeta, até terça-feira (17), a média móvel de novas infecções pela Covid nos 14 últimos dias é de 20,35 contaminações/dia, frente a 29,85 casos/dia na semana anterior, de 28 de julho a 10 de agosto, queda de 31,82% na comparação das médias.

O número de casos em sete dias estava em 431 na semana de 21 a 27 de julho, caiu para 210 de 28 de julho a 3 de agosto, representando recuo de 51,27%. Na semana seguinte, de 4 a 10 deste mês, a cidade contabilizou 208 positivados, leve queda de 0,95% em sete dias, e nesta última semana, de 11 a 17 de agosto, voltou a registrar recuo, com 77 contaminados em sete dias, queda significativa de 62,98%.

De acordo com boletim epidemiológico divulgado na terça-feira (17), 40 novos casos positivos da Covid-19 foram registrados no fim de semana e segunda-feira (14 a 16 de agosto). Desde o começo da pandemia, 12.034 pessoas foram infectadas na cidade.

Com mais três óbitos, o número de vitimas fatais do vírus subiu para 325, sendo as mais recentes duas mulheres de 91 e 48 anos, com insuficiência cardíaca e obesidade, respectivamente, e homem, 88, sem comorbidades. Os três pacientes estavam internados no Hospital Estadual de Bebedouro.

Até o boletim de terça-feira (17), 79 pacientes com vírus ativo permaneciam em monitoramento e isolamento domiciliar e outras 42 pessoas aguardavam resultados de exames.

Com 13 pacientes em estado grave, a ocupação de leitos de UTI no Hospital Estadual caiu para 65%. Na rede privada, quatro leitos Covid estão ocupados, 36,36% de ocupação. Ainda de acordo com o boletim, não havia pacientes graves no Hospital Municipal e na UPA 24h. Um bebedourense está internado em hospital da região.

Nas enfermarias são 14 hospitalizações, sendo dois no Hospital Municipal, oito no Hospital Estadual e quatro na rede particular.

Decreto municipal

Decreto n.º 14.834, de 5 de agosto, determina o retorno gradual às atividades presenciais dos servidores afastados por pertencerem ao grupo de risco da Covid-19, desde que já tenham sido imunizados com as duas doses ou dose única da vacina contra o vírus.

“Os servidores que se recursaram, por qualquer motivo a receber a vacina, devem retomar imediatamente às suas atividades laborais presenciais, assumindo a reponsabilidade e o risco da conduta assumida por não se vacinar, mediante, inclusive, assinatura de termo de responsabilidade perante o Departamento de Recursos Humanos”, diz o decreto, informando ainda que aqueles que não retornarem terão os dias computados como faltas injustificadas, podendo caracterizar abandono de cargo.

Apenas as servidoras gestantes, de acordo com orientações do Ministério Público, permanecem afastadas das atividades presenciais, porém, em tele trabalho.

O prefeito Lucas Seren e a comissão epidemiológica do município estão analisando se haverá e quais serão as novas medidas em Bebedouro, com a liberação de 100% das medidas restritivas, pelo governo estadual, desde terça-feira (17), sem limites de capacidade dos estabelecimentos comerciais e horário de funcionamento.

Variante Delta

O Governo do Estado de São Paulo confirmou, na segunda-feira (16), o primeiro caso da variante Delta (indiana), na região de Ribeirão Preto. Trata-se de profissional de saúde, moradora de Serrana, mas que presta serviços em Ribeirão Preto.

O caso foi diagnosticado pelo Hemocentro de Ribeirão Preto, mas amostras coletadas da paciente foram encaminhadas para sequenciamento genético, segundo pesquisadores do Projeto S, para contra-prova.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, a paciente de 30 anos, apresentou sintomas gripais no dia 4 deste mês, apresentando cansaço, coriza, congestão nasal, tosse seca, dor no corpo, perdas de paladar e olfato, e dor de cabeça.

Ainda de acordo com a Secretaria, após o diagnóstico, foi realizada investigação epidemiológica em busca de pessoas com quem a paciente manteve contato, porém, ninguém apresentou sinais de infecção. A profissional cumpriu isolamento e já retornou ao trabalho.

Publicado na edição 10.602, de 18 a 20 de agosto de 2021.