Profissionais de Saúde e estudantes voluntariam-se para auxiliar na vacinação

Gazeta entrevista voluntárias, contando suas histórias e a satisfação em colaborar para dar fim à pandemia.

0
212
Contra Covid – Jovens de 25 anos vacinaram-se na quinta-feira (12). Além dos profissionais do município, voluntários da área da saúde auxiliam na vacinação, que recebe de 700 a 800 pessoas por dia. (Gazeta)

“O destaque desta vacinação são os voluntários”. As palavras da secretária municipal de Saúde, Silvéria Larêdo, resumem o sentimento de altruísmo de quem conhece os voluntários da vacinação: profissionais de saúde ou estudantes da área que dedicam seu tempo para auxiliar na organização ou aplicação das doses.

“O destaque desta vacinação são os voluntários”. As palavras da secretária municipal de Saúde, Silvéria Larêdo, resumem o sentimento de altruísmo de quem conhece os voluntários da vacinação: profissionais de saúde ou estudantes da área que dedicam seu tempo para auxiliar na organização ou aplicação das doses.

A reportagem da Gazeta esteve na vacinação, na tarde de quinta-feira (12), quando vacinavam-se jovens de 25 anos, conhecendo histórias de algumas voluntárias. A primeira delas, que há mais tempo auxilia na vacinação, é a técnica de enfermagem Juliana Marques Radaeli que desde abril, quando a Feccib tornou-se ponto fixo de vacinação, já vacinou centenas de pessoas.

A voluntária conta ter ficado sabendo por amiga enfermeira, que estavam precisando de voluntários para ajudar na vacinação e, segundo ela, como não é de ficar parada, decidiu ajudar, mas havia “um porém”: “Há 10 anos não praticava a profissão. Desde que me casei e mudei-me do Paraná para cá, nunca mais exerci. Logo que me casei, fiquei grávida e decidi dedicar-me integralmente ao meu filho. Como nunca trabalhei na área aqui em Bebedouro, meu Coren (Conselho Regional de Enfermagem) ainda era do Paraná, onde morava, por isso, tive que fazer mudanças burocráticas e trazer toda documentação para cá, para poder me voluntariar”, conta Juliana Radaeli.

Para ela, retomar a profissão depois de tanto tempo, além da satisfação, foi “um chamado que veio de dentro”. “Estou adorando, me divertindo. Meu marido diz que está me fazendo bem e eu concordo (risos). Faz bem mesmo, ajudar”, destaca.

A técnica de enfermagem, que optou por deixar o filho em casa para dedicar-se ao voluntariado, conta que o garoto de 9 anos diz ter heróis em casa: “Por ter pai médico e mãe enfermeira, meu filho diz que somos heróis. Ele sempre diz que, quando for a vez dele, eu vou vaciná-lo. E será um orgulho enorme”, emociona-se.

Radaeli diz não saber ao certo quantas pessoas já vacinou, das mais diversas faixas etárias, mas garante que são centenas. “São muitas pessoas e muitas histórias. Cada um me acrescentou um pouco. Espero que eu também tenha passado algo de bom para cada um”, diz a voluntária conhecida por ter “mãos de anjo” para aplicar a vacina.

A vice-prefeita Sebastiana Tavares também é voluntária na organização da fila e orientação ao público e, para ela, tem sido prazeroso contribuir. “Mais de meio milhão de pessoas não teve a oportunidade que nós estamos tendo de sermos vacinados, inclusive meu irmão. As pessoas precisam ter consciência que este vírus mata. Minha família sabe muito bem a dor que é perder alguém para esta ‘gripezinha’”, lamenta Tavares, criticando a fala do presidente Jair Bolsonaro diminuindo a gravidade da Covid-19.

A vice enfatiza seu agradecimento aos profissionais de saúde, “que expuseram-se ao risco de contaminação milhares de vezes” e deixa um recado: “A cada voluntário que se dedica em prol do próximo, com sorriso no rosto e tanto carinho, nossa eterna gratidão”.

Da teoria à prática

As estudantes Maria Eduarda Ribeiro e Maria Isabela Ribeiro decidiram dividir seus dias entre os estudos e o voluntariado. Estudante de Biomedicina na Barão de Mauá, Maria Eduarda começou os estudos durante a pandemia e percebeu que seria o momento para colocar em prática o que tem visto na tela do computador. Voluntariando-se há pouco mais de um mês, a futura biomédica auxilia na coordenação, cadastros e já vacinou algumas pessoas, inclusive sua mãe. “Neste período, algumas histórias já me marcaram, dentre elas, a de uma mulher que chegou contando que estava feliz em se vacinar, mas ‘poderia estar mais’, porque faltava ao lado dela pessoas para dividir este momento. Eram o marido e o sogro, que tinham falecido por Covid. A filha, ainda criança, que estava junto, chorava com saudade do pai e do avô. Para estas pessoas, falta um pedaço, é como se a satisfação não fosse completa, porque mesmo que elas tenham conseguido persistir nesta caminhada, outros não conseguiram”, recorda-se a jovem, emocionada, acrescentando que ouvir estas histórias e se fazer útil diante da pandemia, faz bem.

Já Maria Isabela, estudante de Fisioterapia do Unifafibe, é grande a felicidade em participar de um momento histórico: “São quase um ano e meio de pandemia e só agora conseguimos ver um fim para isso. Sinto prazer em estar ajudando. Assim como eu, acredito que cada pessoa que participou deste momento, daqui 20 ou 30 anos, se lembrará orgulhoso de ter usado os conhecimentos da profissão para ajudar”, diz a jovem.

Vacinação da semana

Bebedouro vacinou nesta semana, jovens de 25 a 27 anos, de terça a quinta-feira (10 a 12) chegando ao fim da aplicação da 1ª dose para a população adulta. “Cerca de mil doses por dia foram disponibilizadas para cada faixa etária, com média de aplicação de 700 a 800 doses por dia”, diz a coordenadora da Vigilância Epidemiológica, Thais Teixeira.

Além disso, de segunda a quinta (9 a 12), a Secretaria de Saúde aplicou a 2ª dose para diferentes grupos e faixas etárias, no período da manhã, das 8h às 11h.  Na sexta-feira (13), foi realizado mutirão de vacinação para faltosos da 2ª dose, das 16h às 20h. “Não é adiantamento para quem ainda deverá receber a 2ª dose nas próximas semanas, mas para quem não conseguiu tomar o reforço da vacina até o dia anterior ao mutirão, quinta-feira (12)”, destaca a coordenadora, acrescentando que o horário foi escolhido para atender aqueles que não conseguiram vacinar-se no período da manhã.

De acordo com o Vacinômetro do Governo de São Paulo, atualizado até às 15h de sexta (13), a cidade havia aplicado 76.599 doses da vacina contra Covid. Isto representa 50.729 pessoas com 1ª dose (65,4% da população total) e 25.870 (33,3%) receberam também a 2ª dose ou dose única, completando seu esquema vacinal.

Atualização

Bebedouro contabiliza 322 mortes em decorrência da doença, com mais três vítimas do vírus, desde o último boletim epidemiológico publicado pela Gazeta, com dados de terça-feira (10). Os dois óbitos mais recentes, registrados na quarta (11), são de dois homens, de 46 e 78 anos, ambos no Hospital Unimed.

Desde o último boletim, o número de casos positivos passou para 11.994 pacientes na sexta-feira (13). Em cinco dias, são mais 81 novos casos da doença, na cidade.

A Vigilância Epidemiológica monitora 97 pessoas positivadas, em Bebedouro, isoladas em suas residências. Outros 77 pacientes aguardam resultados de exames.

A ocupação de leitos no Hospital Estadual apresentou leve recuo, na terça-feira (10), com 12 pacientes em estado grave. Na Unimed, o percentual caiu consideravelmente e dos 11 leitos da ala Covid, só dois deles estão ocupados, representando 18% de ocupação. Outros dois bebedourenses estão em UTIs de cidades da região, pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

No total, 11 pacientes estão internados nas enfermarias dos hospitais da cidade. São nove no Hospital Estadual, indicando 45% de ocupação de leitos, um no Municipal e um na Unimed.

Coletiva do Estado

Na coletiva de imprensa de quarta-feira (11), o Governo de São Paulo avisou que os cartões ‘Bolsa do Povo’ começam a ser enviados aos titulares dos benefícios a partir de terça (17). O programa de assistência social alcançará mais de 2 milhões de pessoas em situação de vulnerabilidade social, por meio dos auxílios Vale Gás e SP Acolhe, da Secretaria de Desenvolvimento Social.

Também foi lançado o programa ‘Procon-SP Ambiental’, aumentando a fiscalização sobre compra e venda ilegal de madeira nativa no território paulista. O objetivo da ação é atuar nas esferas regulatória, criminal e na defesa do consumidor. Denúncias podem ser feitas pelo site (procon.sp.gov.br/denuncia-ambiental).

Publicado na edição 10.601, de 14 a 17 de agosto de 2021