Reunião com Codevar decide se haverá lockdown em Bebedouro e região

Cidade tem 95% dos leitos de UTI ocupados, enquanto na regional de Barretos, taxa de ocupação chegou a 99% no início da semana.

0
118
Preocupação – O medo de possível lockdown em Bebedouro gerou fila em alguns supermercados. Clientes correram aos mercados, em busca de produtos, em caso dos serviços essenciais serem restringidos. (José Piutti)

Bebedouro tem 4.134 pessoas infectadas pela Covid-19 desde março de 2020, segundo boletim epidemiológico de terça-feira (16). Destes, 3.596 residem em Bebedouro e 538 em cidades da microrregião. O boletim aponta ainda que 3.959 pacientes já estão recuperados (3.436 de Bebedouro e 523 da região) e 80 pessoas estão infectadas, cumprindo isolamento domiciliar. Outros 62 estão sob suspeita da doença.

Os óbitos em decorrência da Covid-19 subiram para 95, na segunda-feira (15), com óbito de mulher, 53, com diabetes e hipertensão, que faleceu no Hospital Estadual.
A ocupação de leitos em Bebedouro, no Hospital Estadual, como já dito pelo gestor da unidade, está em 95%, com 19 pacientes em estado grave. Já na Unimed, oito dos 11 leitos estavam ocupados (73%). Há ainda cinco bebedourenses em UTIs de Barretos. As internações em enfermarias somam 34: 19 pessoas estão no Hospital Estadual, oito no Municipal, três na UPA 24h e quatro na Unimed. As internações não constam do total de infectados.

Já passam de 10 pessoas na fila para internações em UTIs, segundo o gestor do Hospital Estadual, Everton Zem, acrescentando que os números variam diariamente, mas estão sempre girando em torno de 10 pacientes, entre bebedourenses e moradores da microrregião, desde a última sexta (12), quando o gestor concedeu entrevista à Gazeta e RB FM, falando pela primeira vez sobre a extensa fila de espera.

À beira do colapso, região decreta lockdown
Prefeituras da região anunciaram na terça-feira (16), o fechamento de atividades essenciais e a restrição na circulação de pessoas nas cidades vizinhas, por ao menos cinco dias, como medida de combate ao avanço da pandemia da Covid-19, classificada como situação de pré-colapso nos sistemas público e particular de saúde.

Válidas a partir de quarta-feira (17), as restrições devem se estender pelo menos até domingo (21), nas cidades de Ribeirão Preto, São José do Rio Preto e Jaboticabal, que já anunciaram a medida de restrição mais rígida que as impostas pela fase emergencial do Plano SP.

Com a determinação dos vizinhos, somente serviços emergenciais poderão funcionar e, atividades até então permitidas para atendimento ao público, como supermercados, padarias e oficinas mecânicas, somente funcionarão por delivery.

Em Bebedouro, a população questiona se a medida seria adotada, através das redes sociais. À Gazeta, o prefeito Lucas Seren informa que prefeitos do Codevar (Consórcio de Desenvolvimento do Vale do Rio Grande) se reunirão na manhã de quarta (17), para definir o futuro da região, em relação às medidas de restrição. “Há possibilidade, sim, de haver lockdown, assim como em outras cidades da região, mas a decisão será tomada em conjunto, com adesão dos municípios da microrregião”, afirma o prefeito.

Em nota assinada pelo diretor de Gabinete, Rogério Valverde, a Prefeitura informa: “O comitê local de gerenciamento e combate à pandemia e o gabinete municipal estão reunindo informações para tomar decisão sobre possíveis medidas na cidade, se forem necessárias. Não há nada definido sobre possível lockdown em Bebedouro. Sabemos que a situação da Saúde é crítica, e estamos atentos a essa questão que nos preocupa muito. Sempre buscamos equilíbrio entre a Saúde e a Economia do município, e assim, será feito. Qualquer decisão ocorrerá após diálogos e estudos, cuja divulgação será através de órgãos oficiais do município”.

A hipótese do lockdown em Bebedouro gerou fila em alguns supermercados da cidade. Mesmo sem a confirmação do poder público, clientes correram aos mercados, em busca de produtos, em caso dos serviços essenciais serem restringidos.

A Prefeitura de Barretos, cidade sede da DRS-5 (Diretoria Regional de Saúde), também não divulgou se adotará medidas mais restritivas de circulação e suspensão de atividades essenciais, porém, dados do GVE (Grupo de Vigilância Epidemiológica) mostram que a regional vive colapso na rede pública de saúde.

Em um ano de pandemia, na segunda-feira (15), a região que reúne 18 municípios, pela primeira vez, atingiu 102 pacientes em UTIs, representando 99% de ocupação de leitos. Na enfermaria, eram 84 pacientes internados (60% de ocupação). O número de vítimas fatais, na segunda (15), chegou a 702, segundo boletim da GVE, com mais três mortes suspeitas. Além disso, as 18 cidades somam 29,7 mil casos positivos da Covid-19.

Bebedouro vacina idosos de 75 e 76 anos

A Secretaria Municipal de Saúde concluiu mais dois dias de imunização dos idosos, desta vez, na faixa etária de 75 e 76 anos, seguindo o calendário de vacinação estadual. A vacinação, aconteceu no Sambódromo, das 8h às 11h. Na segunda-feira (15), foi a vez das pessoas com 76 anos; e na terça (16), os idosos com 75. Aqueles que não conseguiram comparecer ao drive-thru, podem procurar a unidade de saúde mais próxima de sua residência, a partir de quarta-feira (17).

O senhor Luiz Fossaluzza, presidente da Loja Maçônica ‘Aristides Gallo’, aos 76 anos, vacinou-se na segunda-feira (15) e se diz mais confiante, animado e grato pelo atendimento dos profissionais de Saúde, chamados por ele de “anjos da guarda”. “Apesar da fila extensa, o atendimento foi rápido e muito organizado. O horário foi rigorosamente seguido e por volta das 8h10 eu já havia me vacinado. Fui muito bem atendido e a simpatia e dedicação das enfermeiras, especialmente com os velhinhos com alguma dificuldade de locomoção, foi o diferencial”, diz Fossaluzza.

Para o imunizado, a vacina serve de alento, já que a população há um ano sofre com a pandemia, que segundo ele, corrói todo mundo. “A pandemia atinge a todos e, por isso, a vacina também deve ser para todos. Sou privilegiado e muito grato por ter recebido a primeira dose e, penso eu, que todos também devam tomar, principalmente os funcionários de supermercados e agricultores, que mantiveram nossa comida na mesa”, destaca Fossaluzza, acrescentando: “se tenho um conselho para deixar à população, é para que todos se vacinem e não ouçam as vozes contrárias, que sem conhecimento nenhum, são contra a vacinação. Se a vacina foi criada pelos laboratórios mais renomados e aprovada pela Anvisa, é eficaz. Nossa obrigação é tomar, nos proteger e proteger os outros também”, afirma.

A Secretaria Estadual de Saúde anunciou, na semana passada, que a campanha avançará, a partir de segunda-feira (22), para idosos de 72 a 74 anos. Bebedouro aguarda a chegada de novo lote para programar a imunização deste público alvo. Nesta segunda (15), foi anunciado pelo Estado, que a vacinação de idosos com 70 e 71 anos também será ainda neste mês, a partir de 29 de março.

O número de idosos vacinados por faixa etária, segundo levantamento fornecido pela Vigilância Epidemiológica, ultrapassa a marca de 9,7 mil pessoas a serem vacinadas na cidade, o que representa 12,5% da população total do município. Segundo a coordenadora da pasta, Thais Teixeira, o número pode ser ainda maior, entre 11 e 12 mil vacinados.
A Vigilância Epidemiológica, através da Secretaria de Saúde do Estado, enviou para a cidade, doses de vacina suficientes para atender 480 idosos com idade igual ou superior a 90 anos; para aqueles com 85 a 89 anos, são 764; de 80 a 84 anos, 1.364; de 77 a 79 anos, 961; e de 75 e 76 anos, 877 idosos.

O número é superior à previsão da Vigilância, com base no número de vacinados em campanhas contra a Influenza. O levantamento da pasta previa 1.077 idosos a serem vacinados com 80 anos ou mais, que segundo o Estado, foram 2.608; e 805 de 75 a 79 anos, que pelas vacinas recebidas pelo governo estadual, são 1.838. “Nem todos optam pela vacinação da Influenza anualmente, mas a grande maioria da população entende a necessidade de se vacinar contra a Covid-19, por isso, os números são superiores aos planejados”, justifica Teixeira.

Ainda segundo a coordenadora, das demais faixas que ainda não se vacinaram, o Estado não informou a quantia de vacinados, mas pelo levantamento da Vigilância, devem ser mais de 1.297 com idade entre 70 e 74 anos; 1.780 de 65 a 69 anos; e 2.266 de 60 a 64 anos. Como já dito pela coordenadora, o número de vacinados pode ser superior.

Agilidade – A rapidez e organização dos servidores da Saúde permitiram que a fila de vacinação drive-thru, na segunda (15), terminasse em 45 minutos. Foram vacinados em dois dias idosos de 75 e 76 anos. (Gazeta)

Publicado na edição 10.563 de 17 a 19 de março de 2021.

COMPARTILHAR
Artigo anterior
Próximo artigoBrasil, o celeiro da Covid