100% das UTI’s Covid do Hospital Estadual estão ocupadas

Leitos de enfermarias do HM foram reativados. Atendimentos na UPA e na rede privada embora tenham diminuído, continuam altos, afirma secretária de Saúde.

0
186
Menos atendimentos – Com 200 pacientes/dia, número ainda alto, gripário registra queda de 12% nos atendimentos, em relação à semana anterior.

Na sexta (28), boletim epidemiológico informa 100% de ocupação nos leitos de UTI Covid, no Hospital Estadual, com 10 pacientes internados. Nas enfermarias, são oito internados e ocupação de 80%, dos 10 leitos disponíveis.

Na rede privada, são cinco pacientes em UTI’s (50% dos 10 leitos) e oito em enfermarias (53,33% dos 15 leitos). No Hospital Municipal, são sete pacientes internados em leitos de enfermaria (77,78% dos nove leitos).

Sobre a volta dos leitos de enfermaria no HM, a secretária de Saúde, Silvéria Larêdo, informa que até segunda (31), a expectativa eram 13 leitos disponíveis: “Quando fechamos os leitos em 2021, os números haviam caído. No entanto, ficou acordado que, a qualquer momento, caso necessário, precisaríamos estar com capacidade para reativação. Foi o que aconteceu”.

Segundo a secretária, as internações no Hospital Regional são autorizadas apenas após teste positivo: “Enquanto o paciente está no Municipal, sem confirmação, precisa de um leito, por isto os reativamos. Temos capacidade para 13 enfermarias e vamos reativá-las, mas a esperança é não precisar ocupar todas”.

Larêdo informa estabilidade nos atendimentos de sintomas gripais: “Fazemos média de 200/dia, ainda um número alto, precisamos diminuir mais”.

A Gazeta questionou o Hospital de Amor, atualmente responsável pela gestão do Hospital Estadual, sobre a quantidade de leitos disponíveis em enfermarias e UTI’s: “A capacidade máxima é de 20 leitos para cada setor. Havia este número, mas devido à queda expressiva de internações, no segundo semestre de 2021, com taxa de 1%, foi sugerido descredenciamento de 50% dos leitos pelo órgão competente. Neste momento, há 10 leitos de UTI e 10 de enfermaria. Com aumento expressivo das internações no último mês, foi solicitado voltar atender com capacidade máxima”. A confirmar.

Sobre o Hospital Regional, a Secretarial Estadual de Saúde informou à Gazeta que a unidade de Bebedouro “segue atendendo apenas positivados de Covid, as obras continuam em andamento com previsão de entrega para final de 2022 e o chamamento para contratação da OS segue em tramitação. Por esta razão, o contrato com o Hospital de Amor foi prorrogado até a nova onda de casos se estabilizar”.

Novos casos e mortes

Boletins divulgados pela Vigilância Epidemiológica na quinta-feira (27) e sexta-feira (28) contabilizam mais duas mortes por consequências da Covid-19. Na quinta, faleceu mulher, 87, cardiopata e com Alzheimer, na UPA. Na sexta, mulher, 86, com insuficiência cardíaca e AVC, na rede privada. Agora, os óbitos somam 347.

Na sexta, boletim também informava 14.122 positivados, foram 351 novos casos desde a última atualização da Gazeta, na quarta (26). O número de pacientes aguardando resultados de exames é de 471 e outros 342 bebedourenses estão em isolamento.

Vacinação

A coordenadora da Vigilância Epidemiológica, Thaís Teixeira, está animada com a vacinação infantil: “Média de 300 aplicações/dia. Na quinta (27), foram 590 crianças. O número é bom, mas sentimos resistência maior dos pais com filhos menores de 6 anos com a Pfizer. É importante dizer que vacina salva, independente de qual for aplicada”.

Sobre os adultos, a coordenadora afirma média de 400 doses/dia no ginásio da Feccib velha e 80 doses/dia no vacimóvel: “Número bom, mas a preocupação é grande pelos faltosos”.

São 2 mil bebedourenses sem tomar 2ª dose e 13.800 sem dose de reforço: “Sinto resistência de muitos em se vacinar, principalmente na dose adicional. Por isto, vamos intensificar campanhas com novo sistema de vacinação”.

Na segunda (31), será o último dia de vacinação no ginásio da Feccib velha. De segunda a sexta (4 de fevereiro), das 17h às 20h, todas as pessoas acima de 5 anos podem se vacinar no Paraíso Cavalcanti. O vacimóvel segue nos bairros até 25 de fevereiro. Na Feira Livre, haverá vacinação no domingo (30).

Sobre aplicação da 4ª dose para imunossuprimidos, a coordenadora diz que Bebedouro tem vacinas para este público, porém é preciso intervalo de quatro meses da aplicação da 3ª dose.

De acordo com o vacinômetro, atualizado pelo governo do estado, até às 12h de sexta (28), Bebedouro aplicou 64.723 primeiras doses (83,45% da população); 63.021 segundas doses ou doses únicas, (81,26% da população). 26.641 tomaram a dose de reforço (34,35% da população).

Exames represados

Teixeira fala sobre a circulação da variante Ômicron na cidade: “Não temos confirmação do Instituto Adolfo Lutz desde 14 de janeiro. Cerca de 900 exames estão em investigação, mas acredito que a variante já chegou em Bebedouro, pois a transmissão está alta”.

A coordenadora faz apelo à população: “Enviem mensagem no WhatsApp da Vigilância para receber resultado. Estamos com exames represados e não temos controle da devolutiva. Muitos ligam no departamento estressados, mas infelizmente ainda não temos resultados”.

Teixeira explica ser importante cumprir o isolamento recomendado: “Após o período de 10 dias, conforme orientação e sem sintomas, podem voltar à rotina, mesmo sem resultado do exame”.  O número para contato é: (17) 3342-8632.

Nas empresas

A Gazeta segue acompanhando a situação das empresas de Bebedouro. O CEO da Credicitrus, Walmir Fernandes Segatto, informou que “desde o começo da pandemia, a cooperativa cuida de seus colaboradores e cooperados, seguindo os protocolos sanitários e decretos de cada município. Em caso de positivados é dado suporte necessário e, aqueles com sintomas devem seguir protocolos médicos e sanitários já conhecidos”.

No judiciário

Na quinta (27), a Presidência e a Corregedoria Regional do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região comunicou suspensão de atendimento presencial externo, bem como das audiências presenciais e híbridas, nas unidades administrativas e judiciárias até 28 de fevereiro (uma segunda): “Ficam ressalvadas situações de urgência a serem avaliadas pelos magistrados condutores dos processos, considerando as normas institucionais vigentes e peculiaridades que os casos exigirem, de modo a evitar prejuízos às partes, aos advogados e aos demais interessados, que deverão, por seu turno, priorizar a utilização do Balcão Virtual para o atendimento”. A medida foi tomada em virtude da situação atual de risco, decorrente do aumento exponencial da contaminação pela Covid-19.

Publicado na edição 10.640, sábado a terça, de 29, 30 e 31 de janeiro e 1º de fevereiro de 2022.