2019 foi bom para a teledramaturgia da Globo

0
37
Destaque – Em 2019, Maria da Paz, personagem de Juliana Paes roubou a cena e ainda ganhou o troféu Domingão, Melhores do Ano. (Reprodução/Internet)

Se for para dar uma nota para o ano de 2019 em relação ao que foi exibido na teledramaturgia, essa nota é 8. Considerando que temos uma média de 7, o ano fecha o saldo no positivo.
Tudo começou com o final de “Espelho da Vida”, no horário das 18h, com um texto impecável de Elisabeth Jhin e cenas marcantes e muito bem desenvolvidas por toda a equipe. Em seguida fomos surpreendidos por “Órfãos da Terra” que apesar de ter se perdido no final, mostrou cenas incríveis e uma linguagem e tema bem interessante e necessário para o momento. Parabéns a Duca Rachid e Thelma Guedes. Para finalizar o ano no horário, “Éramos Seis” começou e cativou seu público com muito, mas muito drama.
Enquanto isso, o horário das sete começou o ano com a estreia de “Verão 90”, última novela do diretor Jorge Fernando antes de falecer. A trama apesar de ter um elenco de peso, tinha história um pouco dispersa, mas em questão de audiência, nada a questionar. Em julho, “Bom Sucesso” pegou o bastão e mostrou realmente ser um sucesso dos bons. O texto com uma pegada literária incrível, incentiva como ninguém a importância da leitura e isso é de se aplaudir de pé.
Na sessão “Vale a Pena Ver de Novo”, somente fenômenos. Primeiro, “Cordel Encantado” trouxe de volta uma história de conto de fadas, que passou a faixa para “Por Amor”, trama de Manoel Carlos, sucesso no final da década de 1990, que atingiu números impressionantes. Em seguida, o grande sucesso da década “Avenida Brasil” entrou em cartaz e mostra, até agora, que o sucesso é verdadeiro.
Malhação também trocou de fase neste ano e os dois títulos da novelinha teen mostraram força e histórias cativantes, com atores que já estão em outros papéis na televisão.
A novela das 9 apresentou uma trama fraca e bem ruim no início, pois “O Sétimo Guardião”, apesar de um bom texto de Aguinaldo Silva e uma direção ótima de Rogério Gomes, a novela não caiu na graça do público e foi fracasso de audiência. Na sequência, a faixa foi ocupada por “A Dona do Pedaço”, que roubou todos os holofotes e rendeu bons números de audiência. Por fim, agora no final, “Amor de Mãe”, da estreante Manuela Dias mostra que uma novela realmente dramática ainda é possível de ser vista.
Este foi ano nas novelas da Globo, com qualidade questionável e audiência nas alturas, mas para todos os gostos. 2020 está chegando e logo em janeiro tem estreia de novela das sete e outra, no mesmo horário, na metade do ano. O horário das seis vai render mais duas obras e, no horário nobre, mais dois folhetins vão estrear. A produção não para e nós, telespectadores cada vez mais exigentes, estamos esperando e pedindo por coisa boa.

 

Publicado na edição nº 10454, de 21 de dezembro de 2019 a 14 de janeiro de 2020.