A seca que pode beneficiar Bebedouro

0
160

Falta de água na Grande São Paulo pode atrair empresas para o interior onde o abastecimento é garantido.

Jargão exaustivamente usado por palestrantes, a frase “crise é tempo de oportunidade”, pode se encaixar muito bem no risco iminente de desabastecimento da Grande São Paulo. O Reservatório da Cantareira está prestes atingir apenas 15% de sua capacidade, pouco para 28 milhões de habitantes, e milhares de empresas.
Não há como indústrias racionarem água como famílias, porque no processo fabril, o líquido é vital e o fluxo deve ser constante. E mesmo que todos os planos do Governo de SP, através da Sabesp, sejam executados no prazo, o certo é que nas próximas décadas será agravado o abastecimento da região.
Para o leitor compreender a extensão do problema, a falta de água na Cantareira afetará até a região metropolitana de Campinas, também polo industrial.
Diante deste dilema, os integrantes de departamentos de planejamento das empresas devem, neste momento, estar olhando para o mapa do estado de São Paulo, como beduínos, em busca de oásis aquáticos.
E nesta parte da história é que Bebedouro precisa aproveitar a ocasião para fazer propaganda da característica fundamental da cidade: abundância deste recurso natural. É certo que ocorreu racionamento no mês passado, mas foi preventivo e nem de longe, o nível beirou o crítico, mesmo com os longos tempos de estiagem a que fomos submetidos neste ano.
Há 60 anos foi este fator que atraiu para o município, indústrias de suco como Cargill, LD Commodities e Granol (antiga Olma). Não foi somente o fato de estarmos cercados por pomares e sermos a Capital da Laranja.
Há décadas, o ex-prefeito Sérgio Stamato prega que sejam divulgados em outdoors e em propagandas em revistas empresariais, as potencialidades de Bebedouro. É certo que isto não é barato, mas sempre dá retorno.
Porém, é bom ressaltar que a mesma estratégia recomendada por Sérgio Stamato, pode existir em outras cidades. Só vai se beneficiar desta crise quem souber fazer a execução correta.

Publicado na edição nº 9674, dos dias 25 e 26 de março de 2014.