Bebedouro deve receber 1º lote de vacinas ainda nesta semana

Saúde municipal aguarda chegada das vacinas e aval do Estado para iniciar a campanha de vacinação, nos próximos dias. Atendimento no ‘postão’ também pode ser adiantado.

0
54
Campanha - Após receber a primeira dose da CoronaVac, vacinado recebe comprovante com dados do imunizante, auxiliando no monitoramento da aplicação da segunda dose, definida para 28 dias após a primeira. (Divulgação/Governo de SP)

Bebedouro prepara-se para aplicar as primeiras doses da vacina contra a Covid-19, a CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a chinesa Sinovac. Segundo a coordenadora da Vigilância Epidemiológica, Thais Teixeira, o primeiro lote de doses deve chegar entre quarta e sexta-feira (20 e 22), vindo direto de São Paulo, podendo dar início à campanha municipal de imunização, assim que houver aprovação do Governo do Estado de São Paulo.
Na primeira fase, o público-alvo da vacinação são os profissionais da Saúde. Em Bebedouro, a Prefeitura, através da Secretaria Municipal de Saúde, estruturou o plano de imunização, que pretende vacinar 3 mil pessoas logo na primeira etapa. Para evitar aglomerações, a campanha foi dividida em duas fases: para os profissionais de Saúde que trabalham em unidades básicas de saúde e hospitais, seja Hospital Municipal, Estadual e Unimed, a vacinação será feita nos próprios locais de trabalho; já os que atuam em laboratórios, clínicas, consultórios, farmácias, entre outros, serão atendidos em um ‘postão’, instalado na Emeb Stélio Machado Loureiro.
“Aguardamos a chegada das vacinas, que deve ocorrer nos próximos dias e, assim que forem entregues, tendo aprovação do Governo do Estado, começaremos a vacinar imediatamente. A determinação do Estado é que a vacinação se inicie com os profissionais de saúde que estão na linha de frente do combate ao vírus, como funcionários de pronto socorro e hospitais. Estes, serão imunizados in loco”, diz a coordenadora da Vigilância.
A fase de imunização que acontecerá no ‘postão’ também poderá ser adiantada, em alguns dias. A previsão inicial, é que a vacinação no posto de atendimento ocorra durante seis dias, de 25 a 30 de janeiro (segunda a sábado), das 8h às 17h, com horário estendido na terça e quinta-feira (26 e 28), até às 22h. “Até o momento, segue a determinação de que o ‘postão’ entre em funcionamento a partir de segunda (25), porém, com o início da campanha nacional de imunização, o Ministério da Saúde poderá dar diretrizes para que o posto de atendimento seja aberto ainda nesta semana”, explica Teixeira, garantindo que as salas de imunização, no Stélio, estão prontas para receber os pacientes a serem vacinados.

‘Vacina já’
Para se vacinar, a coordenadora explica que não é necessário fazer agendamento, com atendimento por ordem de chegada. Antes de receber a dose do imunizante, é preciso preencher formulário de cadastro que ajuda a atestar a eficácia do imunizante, além de auxiliar no monitoramento da aplicação da segunda dose, definida para 28 dias após a primeira, segundo o secretário estadual de Saúde, e manter contato com o vacinado, em caso de reação adversa, que segundo Teixeira, são as mesmas esperadas após a aplicação de qualquer vacina: dor, vermelhidão e edema no local da vacina e, em poucos casos, febre baixa. As CoronaVac não é indicada apenas para gestantes e crianças e jovens abaixo de 18 anos.
Para agilizar as filas de vacinação, o Governo de São Paulo lançou a plataforma ‘Vacina Já’, para que todas as pessoas aptas a receber a vacina possam fazer um pré-cadastro.
“O pré-cadastro não é um agendamento, mas permite atendimento mais rápido nos locais de vacinação e evita aglomerações”, justifica Thais Teixeira, solicitando que todos os integrantes dos grupos a serem vacinados na primeira etapa optem pelo pré-cadastro.
Quem não conseguir se cadastrar previamente, poderá preencher o formulário no momento da vacinação, portando documento de identificação e carteirinha dos conselhos, nos casos de médicos, enfermeiros, nutricionistas, fisioterapeutas, odontologistas, por exemplo. Já aqueles que não fazem parte de conselhos, como funcionários de farmácias e laboratórios, devem apresentar um comprovante de vínculo empregatício no momento da vacinação, como holerite recente, carteira de trabalho ou crachá.
O governo estadual alerta para que a população não acesse falsas plataformas de pré-cadastro, que podem roubar informações pessoais. O ‘Vacina Já’ está disponível pelo link vacinaja.sp.gov.br.

‘Vacinômetro’
O ‘Vacinômetro’, também lançado pelo Governo de SP, é uma ferramenta que informa em tempo real quantas pessoas já foram vacinadas contra a Covid-19 no estado. Até às 13h10 de terça-feira (19), a ferramenta indicava que 4.869 pessoas já tinham recebido a primeira dose da CoronaVac.
O número é atualizado com base nas informações do “Vacivida”, plataforma digital integrada para monitorar toda a campanha de vacinação. O banco de dados também conta com relatórios atualizados de doses aplicadas e a cobertura vacinal atualizada dos 645 municípios paulistas.

No interior
No interior de São Paulo, a primeira cidade a receber a vacina foi Campinas, no Hospital das Clínicas, na segunda (18). Com a presença do governador João Doria, a técnica de enfermagem Liane Mascarenhas, 49, foi a primeira vacinada.
Já dentre as cidades próximas, Ribeirão Preto e São José do Rio Preto iniciaram a vacinação na terça (19). Em Ribeirão, Maria Luci dos Santos, 44, enfermeira do Hospital das Clínicas da USP foi a primeira a receber a CoronaVac. Já em Rio Preto, foi a enfermeira Prisciani Batista, 34, do Hospital de Base.

Próximo público
O plano prevê que, de 8 de fevereiro a 28 de março, sejam vacinados idosos acima de 60 anos, divididos por faixa etária, começando por aqueles com mais de 75 anos. Em Bebedouro, espera-se que entre 11 mil e 12 mil idosos sejam vacinados.

Publicado na edição nº 10547, 20 a 22 de janeiro de 2021.