Bebedouro permanece na fase amarela. Seis regiões regridem

Com isso, todas as regiões do Estado estão na fase amarela e seguem em estado de atenção até 4 de janeiro.

0
30
Restrição - “Amarelo quer dizer atenção e respeito às regras sanitárias, evitando aglomerações, festas e encontros que estão levando o vírus a circular mais entre a população”, afirmou Jean Gorinchteyn.(Divulgação/Governo de SP)

Bebedouro permanece na fase amarela do Plano São Paulo, mas as seis regiões que estavam na fase verde regridem. Com isso, todas as regiões do Estado retornam à fase amarela e seguem em estado de atenção até 4 de janeiro, quando está prevista nova atualização.

Retrocedendo – João Doria e Jean Gorinchteyn afirmam que o retrocesso do Estado para a fase amarela serve para reduzir o contágio e evitar pressão sobre o sistema de saúde, nos 645 municípios paulistas. (Divulgação/Governo de SP)

Segundo o governador João Doria, a medida reforça as ações de enfrentamento da pandemia em São Paulo, para reduzir o contágio e evitar pressão sobre o sistema de saúde, nos 645 municípios paulistas.
“Com o claro aumento da instabilidade da pandemia, o governo de São Paulo e o Centro de Contingência da Covid-19 decidiram que 100% do Estado retorna para a fase amarela do Plano SP. Esta medida, quero deixar claro, não fecha comércio, nem bares, nem restaurantes. A fase amarela não fecha atividades econômicas, mas é mais restritiva nas medidas para evitar aglomerações e o aumento do contágio”, esclareceu Doria, em coletiva de imprensa, na segunda-feira (30 de novembro).
Com o regresso geral para a terceira das cinco fases do Plano SP, atividades como bares, restaurantes, academias, salões de beleza, shoppings, escritórios, concessionárias e comércio de rua voltam a ter limitações de horário e capacidade de público.
O atendimento presencial fica restrito a dez horas diárias, sequenciais ou fracionadas, e 40% de capacidade, sendo que os estabelecimentos terão que encerrar o atendimento local até as 22h. Eventos com público em pé estão proibidos na fase amarela.
Outra medida anunciada pelo Estado, na coletiva estadual, é a redução do prazo de análise dos dados da pandemia e capacidade de atendimento hospitalar por região. A medição de médias móveis de casos, mortes e taxas de internação de pacientes com Covid-19 passa a ser considerada em intervalos de sete dias, e não mais a cada quatro semanas.
“Os dados dos últimos dias sustentam a necessidade de políticas mais restritivas, que reduzem aglomeração e circulação de pessoas. Amarelo quer dizer atenção e respeito às regras sanitárias, evitando aglomerações, festas e encontros que estão levando o vírus a circular mais entre a população”, afirmou o secretário Estadual de Saúde Jean Gorinchteyn, ressaltando que a decisão não altera a programação de volta às aulas da Secretaria de Estado da Educação.
“Até a chegada da vacina e a imunização dos brasileiros, precisamos ter cautela e muita orientação, principalmente aos mais jovens. Por favor, evitem aglomerações, usem máscaras, lavem as mãos e compreendam que a Covid-19 não foi embora”, declarou Doria, reforçando o apelo à população para que sigam as regras sanitárias para conter a pandemia.

Retorno da fiscalização
Desde terça-feira (1º de dezembro), o DER/SP (Departamento de Estradas de Rodagem) retomou a emissão das multas, nas rodovias estaduais paulistas, seguindo a Resolução n.º 805 do Contran (Conselho Nacional de Trânsito).
Os prazos para as infrações cometidas a partir de 1º de dezembro deste ano, voltam a ser realizados como acontecia antes da pandemia, atendendo o CTB (Código de Trânsito Brasileiro).
Para os motoristas que receberam a Notificação de Autuação entre 19/05 e 30/11/2020, os prazos estabelecidos pela nova resolução dão até 31 de janeiro de 2021, para a realização das solicitações da Indicação de Condutor, Pedido de Advertência por Escrito e Defesa de Autuação. A partir de 1º de fevereiro, todas as Notificações de Penalidade serão emitidas.

 

Publicado na edição nº 10538, de 2 a 4 de dezembro de 2020.