De olho em Bebedouro

0
70

João Batista Cardoso Matheus foi tentar a sorte nos Estados Unidos. Em recente visita à Cidade do Coração, Matheus revela que mesmo de longe, acompanha as notícias de Bebedouro e confessa que seu grande sonho é voltar a morar em sua terra natal.

De volta para minha terra – João Batista sonha em voltar a morar em Bebedouro.

Gazeta de Bebedouro – Quando e onde nasceu?
João Batista Cardoso Matheus – Nasci em 3 de abril de 1949, na rua Duque de Caxias, em Bebedouro. O parto foi normal e realizado na minha casa que não existe mais. Hoje, o local é a Delegacia de Defesa da Mulher.

GB – Quem eram seus pais? O senhor tem irmãos?
João Batista – José Cardoso Matheus e Leonilda Cardoso Matheus (in memorian). Minha irmã chama-se Maria Dolores e vive até hoje em Bebedouro.

GB – Como era a relação com seus pais?
João Batista – Sempre tivemos uma relação boa e saudável, baseada no respeito. Hoje, meu pai tem 87 anos e quando nos encontramos é muito bom.

GB – O que gostava de fazer na infância?
João Batista – Brincávamos de patinete e carrinho de rolimã. Era muito divertido descer as ruas no carrinho de rolimã. Também gostávamos de brincar de esconde-esconde e pega-pega, brincadeiras que hoje, não vejo as crianças mais brincarem.

GB – Como era Bebedouro nesta época?
João Batista – Era uma cidade pequena que terminava na rua Joaquim José de Lima. A avenida Raul Furquim terminava na Maçonaria. O bom é que todos se conheciam e eram amigos. Como a cidade era tranquila, saíamos à vontade e não tínhamos medo de violência.

(…)

Leia mais na edição nº 9665, dos dias 1° a 5 de março de 2014.