Em 48 horas, Bebedouro conclui vacinação em profissionais de saúde e idosos de asilos

Foram aplicadas 1.360 doses do 1º lote, nos hospitais e asilos. Nova remessa deve chegar na próxima semana, para profissionais de clínicas e farmácias.

0
60
Linha de frente - Recepcionados pelo administrador Everton Zem, o prefeito Lucas Seren, o deputado Geninho Zuliani e o ex-prefeito Fernando Galvão, acompanharam a vacinação dos colaboradores do Hospital Estadual. (Gazeta)

A madrugada de quarta-feira (20), marcou o início da campanha de imunização contra a Covid-19, em Bebedouro. Dez meses após o surgimento dos primeiros casos suspeitos do vírus, a cidade recebeu ao primeiro lote de vacinas, que começaram a ser aplicadas imediatamente.
O carregamento vindo direto do Instituto Butantan, através do Governo do Estado de São Paulo, chegou em Bebedouro por volta das 3h, recebido pelo prefeito Lucas Seren, a secretária de Saúde, Silvéria Laredo, e a coordenadora da Vigilância Epidemiológica, Thais Teixeira. Neste primeiro lote, foram recebidas 1.360 doses do imunizante CoronaVac, do total de 3 mil a serem aplicadas na primeira etapa. Em dois dias, a Prefeitura imunizou 900 profissionais de saúde e idosos moradores em casas de repouso, na quarta-feira (20) e 460, na quinta (21).
“Hoje, 20 de janeiro, às 3h, chegam as primeiras doses da vacina, e com elas, chega a esperança de dias melhores. Hoje mesmo começaremos a vacinação em toda equipe de profissionais da Saúde. Que Deus abençoe este momento que nossa cidade e nosso país vivem”, comemorou Seren, ao recepcionar a chegada das primeiras doses.
A primeira bebedourense a ser vacinada, por volta das 4h, foi a técnica de enfermagem da UPA 24h, que atende pacientes no Pronto Atendimento de Sintomas Gripais, Amanda de Cássia Nogueira Barbaglia, de 34 anos. “Decidimos começar a vacinação já nos funcionários de plantão na madrugada. Não temos tempo a perder”, disse Seren.
Em entrevista a Gazeta, Amanda Nogueira conta que atua na saúde pública há 13 anos, com passagens pelo Hospital Municipal, Recanto São Vicente de Paulo e há cinco meses, integra a UPA 24h, como reforço durante a pandemia. “Fiquei muito honrada pelo convite que me foi feito pela Secretaria de Saúde para ser a primeira pessoa a ser vacinada em Bebedouro. Me senti honrada e muito emocionada”, disse a Gazeta.
“Mais do que vacinas, Bebedouro recebe doses de esperança para todos, especialmente para nós, da área da Saúde”, acrescenta a técnica de enfermagem, projetando para o futuro “que as pessoas se conscientizem sobre a importância de se vacinarem. Que todos tenham a oportunidade que tive em receber este imunizante e que vidas deixem de ser interrompidas por conta desse vírus. Vejo um 2021 muito melhor para o nosso país”.
Novas doses da CoronaVac devem chegar na semana que vem para imunizar os demais profissionais da saúde, que atuam em farmácias, consultórios, clínicas e ambulatórios. São esperadas mais 1.640 doses para completar as 3 mil aplicações desta primeira fase.

A vacinação continua
Na manhã de quarta (20), a Vigilância Epidemiológica deu sequência à campanha de imunização para profissionais da UPA e do Hospital Municipal, dentre eles, a coordenadora da Vigilância: “Eu que vivo a pandemia em meu dia a dia desde março, vejo a chegada da vacina como uma vitória. É a garantia da salvação de vidas. Nós, profissionais da linha de frente, poderemos trabalhar com mais tranquilidade, sem o medo constante de sermos infectados”, emociona-se Thais Teixeira.
O prefeito que também acompanhou a continuidade da imunização, em entrevista a Gazeta, comemora: “A vacinação é o primeiro passo efetivo e real que estamos dando para virar o jogo e vencer esta pandemia”.
Para Ana Maria Iglesias, 62, que trabalha no Hospital Municipal há 25 anos, sendo 10 no Hospital e 15 na Vigilância Epidemiológica, e que foi a segunda pessoa a ser imunizada, a vacinação é a garantia do retorno da esperança. “Estou esperançosa que 2021 será melhor que 2020 e esta pandemia acabará logo. A vacina vem para nos dar alívio e esperança de cura. Estou muito feliz”, diz Aninha, eufórica.

É a vez dos idosos
Ainda na quarta (20), a vacinação seguiu sendo aplicada in loco nos hospitais e foi estendida para idosos que residem em instituições fechadas, como asilos e casas de repouso. Em Bebedouro, nas cinco entidades (Lar do Idoso, Recanto São Vicente de Paulo, Vila Lucas Evangelista, Vila Vicentina e Terça da Serra), foram aplicadas aproximadamente 220 doses, entre idosos e funcionários.
“Nosso futuro e nossa existência dependem desta vacina”, diz dona Glória Lopes de Toledo, primeira idosa a receber o imunizante CoronaVac em Bebedouro, aos 83 anos. “Tivemos um ano muito difícil, mas com a vacina, tiraremos um pouco das dores da alma. É muito importante se cuidar para o futuro”, acrescenta a moradora da Vila Vicentina, que disse não ter sentido dor no momento da aplicação: “É um processo normal, rotineiro, como de qualquer outra vacina”.
Somente na Vila Vicentina, receberam as doses os 17 internos e 19 pessoas que alí trabalham. Para a enfermeira da entidade Márcia Lino de Souza, este momento faz crer na volta da proximidade: “Desde março de 2020, nossos internos não recebem visitas e, pela primeira vez, não puderam celebrar as festas de fim de ano com seus familiares. O isolamento é uma forma eficaz de prevenção para a saúde dos nossos velhinhos, mas agora, com a vacina, poderemos manter a segurança deles, sem lhes privar da companhia daqueles que amam”.

No Hospital Estadual
Na quinta (21), o processo de imunização dos profissionais de saúde teve continuação no Hospital Estadual. Além do prefeito Lucas Seren, acompanharam a vacinação o deputado federal Geninho Zuliani e o ex-prefeito Fernando Galvão, onde 203 profissionais da saúde foram vacinados.
O relator da Medida Provisória 1003/20, que garante a participação do Brasil em aliança global por vacina contra a Covid-19, Geninho Zuliani, em entrevista a Gazeta, celebra a imunização dos colaboradores do Hospital Estadual, que segundo o deputado, é uma grande conquista para toda a região.
“Desde o início da pandemia e também nesta segunda onda de casos, tenho procurado ajudar a credenciar novos leitos de UTI na região, como em Barretos, São José do Rio Preto, Catanduva e também em Bebedouro, através da agilização da abertura do Hospital Estadual. Através desta unidade, muitos estão sendo tratados com carinho e voltam para suas casas recuperados e com saúde. Que esta vacina possa chegar ao maior número de pessoas possível, para que até o fim deste ano, todos estejamos imunizados e, finalmente, livres da Covid-19”, diz Zuliani.
O administrador do Hospital, Everton Zem, descreve o momento como “histórico e de extrema importância para a saúde”. Zem destaca a dificuldade em gerir um hospital de alta complexidade, que atende unicamente pacientes com Covid-19, em meio a uma pandemia que ceifa vidas diariamente: “É uma tarefa árdua, porém fundamental. Sem ajuda do deputado Geninho Zuliani, do ex-prefeito Fernando Galvão e do prefeito Lucas Seren, o funcionamento deste hospital não seria viável, mas graças a esta parceria, Bebedouro foi duplamente contemplada, com a unidade e com a vacinação”, avalia o administrador.

Uso de luvas
Desde o primeiro dia de vacinação contra a Covid-19, muitos levantaram dúvidas sobre o uso de luvas na hora da aplicação da vacina. Os profissionais de saúde explicam que os órgãos regulamentadores não recomendam a utilização de luvas na administração das vacinas, a menos que a pessoa tenha a possibilidade de entrar em contato com fluidos corporais.
De acordo com a normativa do Governo de São Paulo, os EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) recomendados são máscaras, proteção facial e aventais descartáveis. “O uso de luvas não está indicado para a rotina de vacinação, devendo ser utilizado somente em vacinadores com lesões abertas nas mãos ou em raras situações que envolvam contato com fluidos corporais do paciente”, diz a norma, que destaca a obrigatoriedade de higienização das mãos antes e após cada aplicação.

OAB cede espaço
A 87ª Subseção da OAB/Bebedouro disponibiliza para a Prefeitura Municipal, caso necessário, o uso da Casa do Advogado, localizado na avenida Osvaldo Perrone, no Res. Eldorado, como local para aplicação da vacina. O documento assinado pelo presidente Leandro Contro diz que a Casa do Advogado encontra-se “em ponto de fácil acesso, além de possuir grande auditório e área de lazer ampla e arejada, que possibilitaria a realização da vacinação”.

Publicado na edição 10.548 de 23 a 26 de janeiro de 2021.