Estado anuncia a ButanVac, a 1ª vacina 100% brasileira para Covid-19

Fase emergencial é prorrogada até 11 de abril para redução da velocidade de crescimento de casos, internações e óbitos.

0
76

O Instituto Butantan e o Governo do Estado de São Paulo anunciaram, na manhã de sexta-feira (26), na sede do instituto, mais uma dose de esperança para o Brasil: a ButanVac, a primeira vacina 100% brasileira para a Covid-19.

O Instituto solicitou ainda na sexta (26), autorização à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para iniciar ensaios clínicos em humanos.

Segundo o diretor presidente, Dimas Covas, os testes devem ser concluídos até o fim deste ano e o instituto prevê disponibilizar 40 milhões de doses prontas do novo imunizante, antes do término de 2021.

“Esta vacina será integralmente produzida no Butantan, não dependeremos de nenhum insumo, é uma tecnologia que já existe. Esta tecnologia é a mesma usada na produção da vacina da gripe, a partir do cultivo de cepas em ovos de galinha, que geram doses de vacinas inativadas, feitas com fragmentos de vírus mortos”, explicou Covas, mencionando que os estudos tiveram início há exato um ano, em 26 de março de 2020. “Os resultados dos testes pré-clínicos realizados com animais se mostraram promissores, o que permite evoluirmos para estudos clínicos em humanos”.

Covas afirmou ainda que a ButanVac já inclui em seus estudos, a nova variante do vírus, a versão PI (Manaus) e que o grupo de voluntários ainda não foi definido. “Se iniciarmos brevemente, e é o que esperamos, agora em abril, temos todo um campo ainda de pessoas a serem vacinadas. Neste primeiro momento, serão adultos, com idade acima de 18 anos. Abriremos o voluntariado para aqueles que não estão sendo vacinados pelo Programa Nacional de Imunização, que já tem seu cronograma. Os que não estiverem contemplados poderão se candidatar como voluntários”, declarou em coletiva de imprensa, citando como experiência o Projeto S, que está sendo realizado em Serrana.

De acordo com o governador João Doria, o novo imunizante está sendo desenvolvido “com recursos do Butantan e do Governo do Estado, que está financiando todos os estudos, em meses e meses de trabalho. Será uma vacina de menor custo que as atuais, até porque não há importação de insumos, não há custos de logística, pois é totalmente desenvolvida no Butantan”.

Doria ressaltou, “ButanVac em nada interfere nos procedimentos da CoronaVac, seja na distribuição, na produção ou na nova fábrica do Butantan, que está sendo construída e que estará pronta em 30 de setembro. Outubro e novembro serão para instalação de equipamentos e, em dezembro, iniciaremos a produção em escala gradual da CoronaVac, para que todos os brasileiros residentes em São Paulo, que precisam ser vacinados, estejam imunizados”.

Fase emergencial

Na coletiva de sexta-feira (26), o vice-governador Rodrigo Garcia anunciou a prorrogação até 11 de abril, da fase emergencial do Plano São Paulo. O período terminaria na terça-feira (30).

Para o coordenador do Centro de Contingência contra a Covid-19, Paulo Menezes, a extensão do prazo é necessária para continuar a redução da transmissão do vírus. “Hoje completamos 12 dias de fase emergencial e começamos a ver o resultado positivo. Vínhamos com velocidade de crescimento que chegou até 2,9% ao dia e, agora para 2,2% ao dia. Temos ainda uma situação de aumento progressivo de casos, internações e perdas de vida”, enfatizou o médico.

Vacinação

Na quarta-feira (24), o governo estadual anunciou em coletiva, a vacinação para policiais militares, civis, técnico-científicos, bombeiros, guardas municipais e agentes penitenciários, a partir de 5 de abril. Professores e demais funcionários de escolas municipais, estaduais e particulares, a partir de 47 anos, começarão a ser imunizados em 12 de abril.

Já na sexta-feira (26), em coletiva de imprensa, a coordenadora do Centro de Controle de Doenças do Estado, Regiane de Paula, divulgou a imunização para as pessoas com 68 anos, também em 5 de abril.

Publicado na edição 10.566, 27 de março a 1° abril de 2021.