Fé e Saúde Pública

0
147

Padres, pastores e religiosos precisam ajudar na divulgação das campanhas de prevenção ao câncer.

Com tanta notícia, nas páginas da Gazeta, em emissoras de rádio e até na EPTV informando sobre o trabalho preventivo da Carreta de prevenção ao câncer de útero e de mama, os índices atingidos ainda estão aquém do ideal.
A população bebedourense é privilegiada ao ter acesso fácil e gratuito a exames envolvendo alta tecnologia, o que possibilita alta performance na detecção precoce de tumores.
Porém, no Distrito de Botafogo, mesmo com atendimento noturno, para dar acesso à realização de exames nas mulheres que têm emprego em Bebedouro, apenas 25% da meta foi atingida. Isto significa que 75% das mulheres preferem não ficar sabendo se têm câncer. Só serão alertadas quando sintomas aparecerem, o que pode ser tarde demais.
Há ampla campanha de divulgação, em todos os meios de comunicação sobre o assunto. Destaque para o médico Drauzio Varela, em quadro no Fantástico, da TV Globo, em série de matérias sobre o câncer de mama, com intenção de desmistificar o problema para enfrentá-lo e prevení-lo. Mas, ao que parece, o que falta é o convencimento.
O que infelizmente pode acontecer é que as pessoas, apenas por frequentar missas, cultos, orar, ter uma vida digna e muita fé em Deus, acreditarem que esta trajetória, automaticamente, significa imunidade às doenças.
Neste ponto é que seria ideal a participação dos religiosos no convencimento dos fiéis. Deus cuida do corpo e da alma, mas também deu ao homem inteligência para desenvolver vacinas, pesquisar e elaborar remédios e tratamentos contra as doenças.
Como os bons religiosos costumam ensinar que Deus cura, vale dizer que Deus não é plano de saúde. Não se pode confundir devoção com auto omissão.
Tudo isto também vale, em dobro, para os homens, que pior que as mulheres, não fazem exame por vergonha, medo, ou por puro preconceito, como se houvesse riscos à masculinidade, na forma como o médico examina para detectar sinais de câncer na próstata.

Publicado na edição nº 9690, do dia 8º a 9 de maio de 2014.