Feminicídio em cena: o olhar da lei

Do ponto de vista jurídico, representantes da OAB/Bebedouro analisam crescimento do feminicídio e medidas a serem tomadas.

0
460

Terminar um relacionamento, não corresponder ao amor de alguém ou ser inferiorizada por seu gênero, fazem com que milhares de mulheres tenham suas vidas ceifadas todos os dias, no Brasil e no mundo. Os dados são preocupantes e assustam, não apenas pela quantidade, mas pelas situações em que ocorrem, marcados pela passionalidade e crueldade.
Dados recentes apontam que, no estado de São Paulo, em 2019, foram 154 casos de feminicídio registrados, entre janeiro e novembro, de acordo com levantamento da Secretaria Estadual da Segurança Pública (SSP), divulgado pelo G1.
No Brasil, a taxa de feminicídio é a quinta maior do mundo, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgados em 2019.
Em Bebedouro, desde a promulgação da lei que regulamenta o crime, a primeira morte de feminicídio foi registrada, nos primeiros dias de 2019, em 3 de janeiro, com a morte de Natasha Rodrigues, 14, após dias de internação em estado grave. O crime ocorreu em 29 de dezembro de 2018, quando a adolescente foi baleada pelo ex-namorado, Deybson dos Santos, 20, que não aceitou o fim do relacionamento. A justificativa do acusado: “Estava com o diabo na cabeça”.


Quer ler mais? Seja assinante da Gazeta.

CLIQUE AQUI e ASSINE

Se já for assinante basta entrar com os dados abaixo.

 

Publicado na edição nº 10460, de 1º a 4 de fevereiro de 2020.