Fora das câmeras

0
199
(Gazeta)

Nos intervalos do debate da OAB, cada candidato recebeu apoio de seus assistentes, incumbidos de lhes dar subsídios ou impressões ou sugestões, em resposta ao que estava sendo arguido pela sociedade e por eles próprios. O resultado se via em cada bloco que se sucedia aos intervalos.

(Gazeta)

(Gazeta)

(Gazeta)

 

Frase da semana:

“Aos jovens. Sonhem com ambição, liderem com convicção e se vejam onde os outros podem não ver, simplesmente porque eles nunca viram antes”.

Kamala Harris, vice-presidente eleita dos EUA, com Joe Biden, presidente.

 

Sem memória
Quem assiste à declaração de apoio do ex-prefeito Helio Bastos à candidatura de Fernando Piffer para prefeito de Bebedouro, e conhece a história da política local, deve ter levado um susto. Da paralisia facial sofrida por Bastos, decorrente do profundo desgaste pela mentira que o acusava de roubo, às vésperas de eleições, por seu concorrente, justamente o Piffer, pai do candidato de hoje, passando por décadas de inimizade e mágoa, concluímos que a memória da política sofre de espasmos oportunistas… que paralisam não a face, mas os princípios.

Debatendo
Vai para a OAB todos os méritos e aplausos pela realização do debate com os cinco candidatos a prefeito. E vai para os eleitores, o privilégio de ter podido ouvi-los e tirado conclusões que justifiquem a escolha pelo mais preparado. Ficamos sabendo também qual dos candidatos é menos equilibrado ou mais enraivecido, o dissimulado, o do discurso pronto e quem caiu de paraquedas. Tudo posto com vários rótulos. Tomara que Bebedouro escolha o melhor para nos governar.

Conhecendo
A Gazeta de Bebedouro propôs aos candidatos, uma série de entrevistas sobre os assuntos que compõem as políticas públicas a serem adotadas por cada um, em suas plataformas de governo. Ao longo de 10 edições, discutiu-se do Saneamento à Cultura, do Meio Ambiente à Saúde, do Trânsito à Mobilidade Urbana, da Educação à Segurança Pública, do Desenvolvimento à Assistência Social. Dando um panorama completo, a Gazeta espera ter contribuído para a tomada de decisão de seus leitores, na hora de votar. Aos candidatos que toparam participar desta empreitada, em meio a tantas atividades de campanha, agradecemos, desejando sorte e muito trabalho.

Relâmpago
A 34ª sessão da Câmara durou exatos 30 minutos, com quase todos os vereadores abrindo mão da Explicação Pessoal e da Palavra Livre. Um dos únicos a subir à Tribuna, Nasser Abdallah fez uma grave acusação a candidato que estaria distribuindo cestas básicas de madrugada, em bairros da periferia, em troca de votos. Como esta prática configura-se como crime eleitoral, por que o vereador não faz esta denúncia formalmente?

Relâmpago 2
Já o vereador Juliano Cesar, querendo correr atrás do prejuízo e talvez pelas cobranças recebidas, disse que é preciso aprovar o Plano de Carreira do Servidor Público, como se este já não tivesse passado pela Casa e sido reprovado pelos vereadores de oposição, estando ele entre estes. Depois, encerrou pedindo a todos para irem às urnas no dia 15, e confessou que seu conselho àqueles que não mais acreditam em político, é “Votem no menos pior”. Sessão encerrada por falta de bom senso.

Vergonha
Parafraseando o candidato Lucas Seren, instado no debate da OAB de que deveria ter vergonha por ser o candidato do atual prefeito, respondeu com ênfase que vergonha é ver a Polícia cercando a Prefeitura como na administração passada; que vergonha era terem colocado o país na lama por causa de propina e roubo; que vergonha era ter obra embargada da UPA por superfaturamento, enquanto se era diretor de saúde.

Vergonha 2
Complementando Seren e sob protesto, afirmo que também sinto vergonha do posicionamento alucinado do presidente do meu país, ao chamar de “maricas” aqueles que não enfrentam a Covid; ou quando ele diz que ganhou do Governador Dória porque a CoronaVac teve seu teste interrompido pela morte de um voluntário que tomou a vacina, cuja morte por suicídio não tinha qualquer relação com a CoronaVac. Vergonha extrema sinto ao ouvir num discurso oficial, este mesmo presidente afirmar “depois que acabar a lábia, tem que usar a pólvora”, dirigindo-se ao presidente eleito dos EUA por ter expressado contrariedade com os incêndios na Amazônia.

Orgulho
Para completar seu raciocínio, Lucas Seren disse que além de não ter vergonha do governo de que participou como secretário de Desenvolvimento, o que sentia era um imenso orgulho pelo resultado do trabalho realizado, citando o Hospital Estadual, a vinda da Cargill, a construção da nova sede do Senac, da Fatec, do Poupatempo, do porto seco, como alguns dos exemplos de conquistas recentes.

Orgulho 2
Como bebedourense que ama esta cidade, também me orgulho das conquistas efetivadas pelo governo Galvão e que viraram manchetes positivas da Gazeta. Muito diferentes daquelas que fomos obrigados a dar cobertura como jornalistas, com reportagens de licitações fraudulentas, conchavos entre construtoras, pesquisas falsas, empresas de fachada etc e tal. A história de Bebedouro está registrada em nossas páginas. O bem e o mal.

Fuga
Depois do debate promovido pela OAB, o Sindicato dos Servidores Públicos realizou sabatina presencial em sua sede, com transmissão via internet, na quinta (12). Quatro dos cinco candidatos, responderam às questões e reivindicações do funcionalismo, com ênfase ao que consta nos Planos de governo de cada candidato. Indiferente aos cerca de 2.500 funcionários públicos de Bebedouro, o candidato médico ou médico candidato Piffer, além de não comparecer ao encontro, não respondeu ao convite e nem recebeu o representante do sindicato, que dirigiu-se ao comitê de campanha do PSDB. Ficam pairando no ar quais seriam as motivações que levaram o candidato Piffer a fugir da sabatina. Seria consequência de sua performance no debate anterior, que resultou em repercussões e críticas negativas? Pesquisa para a próxima aula.

 

Publicado na edição nº 10533, de 13 a 17 de novembro de 2020.