Inadmissível

0
65
Indicação ao Oscar – Fernanda Montenegro foi indicada ao Oscar de Melhor Atriz por sua atuação inquestionável em ‘Central do Brasil’.(Reprodução/internet)
Com a Ancine tirando todos os filmes brasileiros do seu site, nada melhor do que sugerir longas-metragens brasileiros para enaltecer, sempre, essa arte que é muito bem-feita no Brasil. É inadmissível que um fato como este aconteça num país tão rico culturalmente. Ao mesmo tempo, não é de se surpreender com este acontecimento, olhando para a política atual que, cada vez menos, preserva nossa história. Por isso, o Crítica em Foco elege alguns filmes brasileiros que todos podemos assistir e publicar seus cartazes nas redes sociais para fazer viver essa trajetória linda que tem o cinema nacional na nossa história.
Viva o Cinema Nacional 1
‘Central do Brasil’ levou Fernanda Montenegro à indicação ao Oscar de Melhor Atriz. Neste filme, Dora, uma amargurada ex-professora, ganha a vida escrevendo cartas para pessoas analfabetas, que ditam o que querem contar às suas famílias. Ela embolsa o dinheiro sem sequer postar as cartas. Um dia, Josué, o filho de nove anos de idade de uma de suas clientes, acaba sozinho quando a mãe é morta em um acidente de ônibus. Ela reluta em cuidar do menino, mas se junta a ele em uma viagem pelo interior do Nordeste em busca do pai de Josué, que ele nunca conheceu.
Viva o Cinema Nacional 2
‘Dois Filhos de Francisco’ com certeza parou e emocionou o Brasil, por isso nunca é tarde e nem demais assistir novamente a história dos cantores Zezé Di Camargo e Luciano. No filme, o pai da dupla, um lavrador do interior do Brasil tem um sonho: fazer com que seus dois filhos sejam famosos cantores de música sertaneja. A atuação de Ângelo Antônio e Dira Paes neste longa é de arrepiar.
Viva o Cinema Nacional 3
Para quem gosta de comédia, ‘Trair e Coçar é Só Começar’ prova que o cinema nacional brasileiro sabe muito bem fazer este gênero. Na história que se passa em um condomínio de classe média alta, Olímpia, personagem de Adriana Esteves, uma confusa e intrometida empregada, sempre considerou seus patrões, o casal mais perfeito e apaixonado do mundo. Eles estão prestes a completar 15 anos de casados e a esposa prepara uma surpresa. Mas Olímpia entende tudo errado e acha que o patrão está tendo um caso, envolvendo então outras pessoas e criando uma grande confusão.
Viva o Cinema Nacional 4
‘Que Horas Ela Volta?’ é tão incrível que quase foi indicado ao Oscar. Precisa de mais um motivo para ver esta obra de arte? Na história protagonizada por Regina Casé, que vive a pernambucana Val, ela se mudou para São Paulo com o intuito de proporcionar melhores condições de vida para a filha, Jéssica. Anos depois, a garota lhe telefona, dizendo que quer ir para a cidade prestar vestibular. Os chefes de Val recebem a menina de braços abertos, porém o seu comportamento complica as relações na casa.
Viva o Cinema Nacional 5
‘Hoje eu Quero Voltar Sozinho’ é uma história que virou filme após um curta-metragem. Vale a pena conferir os dois. A narrativa apresenta Leonardo, um adolescente cego que tenta lidar com a mãe superprotetora ao mesmo tempo em que busca sua independência. Quando Gabriel chega em seu colégio, novos sentimentos começam a surgir, fazendo com que ele descubra mais sobre si mesmo e sua sexualidade.
Viva o Cinema Nacional 6
‘O Homem do Futuro’ mostra Wagner Moura em uma atuação brilhante. Na sinopse, Zero é um cientista ridicularizado cuja última invenção o levou ao passado, lhe dando a chance de refazer sua vida. De volta à época de faculdade, ele reencontra Helena, sua paixão, mas acaba interferindo em acontecimentos do futuro. Agora, Zero precisa consertar o futuro sem perder Helena de novo. Vale a pena conferir.
Viva o Cinema Nacional 7
‘O Homem que Copiava’ traz Lazaro Ramos numa história instigante e dramática. A narrativa conta a trajetória de um humilde operador de copiadora que se apaixona pela vizinha e, para conseguir se aproximar da jovem, se transforma num falsificador de dinheiro.
Viva o Cinema Nacional 8
Sônia Braga pode ter se afastado da televisão, mas no cinema ela ainda dá um show e mostra o que uma atuação de verdade é capaz de fazer com o telespectador. Em Bacurau, os moradores de um pequeno povoado do sertão brasileiro descobrem que a comunidade não consta mais em qualquer mapa. Aos poucos, percebem algo estranho na região: enquanto drones passeiam pelos céus, estrangeiros chegam à cidade. Quando carros se tornam vítimas de tiros e cadáveres começam a aparecer, Teresa, Domingas, Acácio, Plínio, Lunga e outros habitantes chegam à conclusão de que estão sendo atacados. Falta identificar o inimigo e criar coletivamente um meio de defesa.
Viva o Cinema Nacional 9
Provando mais uma vez que o cinema brasileiro não é só composto por comédias, Lazaro Ramos e Aline Moraes protagonizam ‘O Vendedor de Passados’. Neste filme, Vicente ganha a vida criando novos passados, por meio de documentos, fotos e vídeos. Sua vida muda quando uma cliente linda e misteriosa aparece em seu escritório e encomenda uma nova história, fazendo apenas um pedido: ter cometido um crime.
Viva o Cinema Nacional 10

Em qualquer lista de filme brasileiro não pode faltar ‘Cidade de Deus’. Neste filme que se passa nas favelas do Rio de Janeiro dos anos 1970, dois rapazes seguem caminhos diferentes. Buscapé é um fotógrafo que registra o cotidiano violento do lugar, e Zé Pequeno é um ambicioso traficante que usa as fotos de Buscapé para provar como é durão.

 

Publicado na edição nº 10450, de 7 a 10 de dezembro de 2019.