Indústria estuda queda do consumo de suco de laranja

0
249

A CitrusBr investe R$ 2 milhões em diagnóstico para avaliar a queda no consumo nos principais mercados. 

 

Depois das ocorrências da safra 2011/2012, a CitrusBR investe R$ 2 milhões em estudo para fazer um diagnóstico sobre a queda no consumo de suco de laranja nos principais mercados, por considerar o cenário preocupante, tendo divulgado em 28 de maio, que cerca de 83 milhões de caixas de 40,8 quilos de laranja podem ficar nas árvores e serem perdidas na safra 2012/2013.

Ainda de acordo com a CitrusBr, além da super safra, o setor ainda sofre com a queda no consumo de suco de laranja em seus principais mercados. Os dados referem-se à crise na União Europeia e à restrição do suco brasileiro nos Estados Unidos, que em janeiro deste ano, proibiu a entrada da bebida com o pesticida carbendazim.

(…)
Leia mais na edição n° 9419, dos dias 30 de junho, 1 e 2 de julho de 2012.

Depois das ocorrências da safra 2011/2012, a CitrusBR investe R$ 2 milhões em estudo para fazer um diagnóstico sobre a queda no consumo de suco de laranja nos principais mercados, por considerar o cenário preocupante, tendo divulgado em 28 de maio, que cerca de 83 milhões de caixas de 40,8 quilos de laranja podem ficar nas árvores e serem perdidas na safra 2012/2013. Ainda de acordo com a CitrusBr, além da super safra, o setor ainda sofre com a queda no consumo de suco de laranja em seus principais mercados. Os dados referem-se à crise na União Europeia e à restrição do suco brasileiro nos Estados Unidos, que em janeiro deste ano, proibiu a entrada da bebida com o pesticida carbendazim.A previsão é que as exportações totais somem 970 mil toneladas, o que corresponde a uma queda de, aproximadamente, 18% em relação ao ano de 2011. A equação do problema é completada com a previsão de estoques de passagem da bebida em patamares elevados, estimados em 556 mil toneladas, o que dá à indústria uma capacidade de processamento em torno de 247 milhões de caixas, ou seja, o setor tem um excedente estimado em 83 milhões de caixas.  Já a queda na Ásia, de 158,6 mil toneladas para um estimado de 111 mil t entre os períodos, ocorreu pela retração na demanda da China ocorrida após a alta nos preços do suco no ano passado. “A CitrusBr firmou um acordo com a Tetra Pak, líder em embalagens, e com a empresa de pesquisa, Concreto Brasil. Na  coletiva (realizada em 28 de maio) anunciamos os números caóticos desta safra. A Concreto Brasil (que por acaso está hoje, prestando conta das primeiras pesquisas) em parceria com a Tetra, escolheram os mercados potenciais, entre eles, EUA, Alemanha, Reino Unido, Japão, China, Noruega. A empresa está viajando para esses mercados e realizando uma série de pesquisas que vão desde entrevistas com os principais compradores de suco, até mesmo análise cultural de cada mercado”, informa a CitrusBr que continua: “Desse trabalho será tirada uma diretriz para uma campanha global para estímulo de consumo de suco, o que vai envolver algumas dezenas de milhões de dólares. Em paralelo a isso, fizemos um estudo de caso dos principais casos de sucesso de produtos de origem como lã da Austrália, café da Colômbia, leite dos EUA, amêndoas da Califórnia, entre outros. Todos esses cases têm aspectos comuns como forma de gerenciamento e captação de recursos, publicidade destacando origem para agregar valor, entre outros. São seis cases estudados. E a ideia é fazer um movimento muito forte mesmo, para fazer com que o mundo tome mais suco, porque se isso acontecer, problemas como o que vivemos hoje, dificilmente aconteceriam”.  Em agosto, a CitrusBr apresenta  estudo do comportamento do consumidor nesses mercados.