“Isto é surreal”, afirma gestor sobre atendimentos no gripário

Enfermeiro Giovani Silva explica que de terça a sexta-feira, média de atendimentos é de cerca de 80 pacientes em 24 horas. Aos fins de semana, este número cai para até 40 pacientes, porém na segunda, equipe atende 140 pessoas em 24 horas.

0
109

Um dos principais assuntos abordados pelos vereadores na 11ª sessão ordinária, realizada na noite de segunda-feira (19), está relacionado ao que chamam de “demora no atendimento aos pacientes que procuram o gripário”, no Hospital Municipal Julia Pinto Caldeira.

Em entrevista à Gazeta de Bebedouro, o gestor técnico da Associação Mahatma Gandhi, o enfermeiro Giovani de Carvalho Silva, responsável pela unidade, explica que no gripário atende equipe composta por cinco profissionais: clínico geral, pediatra, enfermeiro e dois técnicos de enfermagem.

“Esta equipe é suficiente para atender a demanda diária de até 80 pacientes em 24 horas, o que equivale, em média, duas pessoas para cada profissional. Entretanto, o processo de atendimento a pacientes com suspeita de Covid-19 é moroso, diferente do utilizado pela UPA convencional, onde o paciente é atendido, o médico receita o medicamento e este paciente vai embora sem precisar realizar nenhum exame”, justifica Silva.

Segundo o enfermeiro, ao dar entrada no gripário, com dor de garganta, no corpo e febre, o médico solicita, automaticamente, raio-X e exames de sangue. “Até chegar sua vez de ser atendida, a pessoa espera em torno de 50 minutos. A partir deste primeiro atendimento, o raio-x e pelo menos três exames de sangue básicos são realizados, porém, como são terceirizados ao Laboratório São Roque, demoram, em média, duas horas para ficarem prontos. Até o retorno destes exames, o paciente precisa aguardar dentro do gripário. Com isso, o tempo total de atendimento de cada paciente gira em torno de até quatro horas, devido ao protocolo obrigatório direcionado à Covid-19”.

Média de atendimento

Levantamento preparado pela Associação Mahatma Gandhi, indica que de terça a sexta-feira, pelo gripário municipal passam até 80 pacientes em 24 horas. Aos sábados e domingos, este número cai para até 40 atendimentos/24 horas.

“Às segundas-feiras, o atendimento dobra, com até 140 pacientes em 24 horas. Isto é surreal e posso comprovar com dados e gráficos de atendimentos, que 40% desta demanda é em busca de atestado, infelizmente, colocando em risco sua saúde e a de familiares também”, ressalta o enfermeiro, mencionando que este é o motivo de tanto “estardalhaço e reclamações” dos vereadores nas sessões. “Não estou dizendo que o serviço no gripário está 100% correto, ajustes sempre são necessários, mas este dobro de atendimento acontece em dias pontuais”.

De acordo com Silva, após reunião com a Secretária Municipal de Saúde, ficou definido que a partir de quarta-feira (28), o gripário terá mais um médico, no período das 18h às 24h. “Julgamos necessária esta ampliação, por ser horário de pico diário e coincidir com a troca de plantão entre os médicos. Suspendemos a passagem de plantão e este profissional dará sequência aos atendimentos, contribuindo para reduzir o tempo de espera do paciente”.

Leitos

Ainda de acordo com o enfermeiro, por dia, a média de pacientes internados em estado grave, nos leitos da UPA 24 horas e do Hospital Municipal, é de até 10 pessoas/dia. Para enfermaria, a média é de até 15 pacientes/dia.

“As pessoas que chegam para ocupar um destes leitos vem referenciado de outro serviço hospitalar, podendo ser de Bebedouro ou das cidades da microrregião”, explica Silva.

Atualização

Desde o início da pandemia em março do ano passado, é a primeira vez que Bebedouro registra 16 óbitos em uma semana. De sexta-feira (16) a segunda-feira (19), foram sete mortes em decorrência da Covid-19. No boletim epidemiológico do município, divulgado na quinta-feira (22), mais três mortes foram contabilizadas. Na sexta-feira (23), o boletim incluiu mais seis vítimas fatais, saltando de 127 mortes, na terça (20) para 136 óbitos na sexta (23).

Segundo o boletim epidemiológico do município, as mortes mais recentes foram de quatro homens e duas mulheres: homem, 60, internado na Unimed, com diabetes e cardiopata; homem de 58, que faleceu também na Unimed, com diabetes; paciente de 44, no Hospital São Jorge, em Barretos; mulher, 70, internada no Hospital Estadual, com hipertensão; jovem de 38 anos, que estava no Hospital Nossa Senhora, em Barretos; e, mulher, 68, com hipertensão, que faleceu no Estadual.

De março do ano passado até o momento, a cidade tem 5.117 pessoas infectadas pelo novo coronavírus, sendo que 618 da microrregião, mas que foram diagnosticadas em hospitais locais.

O levantamento aponta ainda que 4.953 pacientes já estão recuperados do vírus (4.337 de Bebedouro e 616 da região) e 28 pessoas estão infectadas, cumprindo isolamento domiciliar. Sob suspeita da doença há 155 pacientes, que aguardam resultados de exames laboratoriais.

Por mais uma semana consecutiva, a ocupação de leitos em Bebedouro, no Hospital Estadual, está em 100%, com 20 pacientes em estado grave. Na Unimed, o percentual se repete, com todos seus 11 leitos também ocupados. Há ainda cinco internados em estado grave na UCE (Unidade de Cuidados Especiais) do Hospital Municipal e dois na UPA 24h, além de seis bebedourenses na UTI do Hospital Nossa Senhora, em Barretos.
Nas enfermarias de hospitais da cidade são 20 internados no Hospital Estadual, 20 no Municipal, dois na UPA e 17 na Unimed, totalizando 59. Estas internações não constam do total de infectados.

Considerando as cidades de Barretos, Ribeirão Preto e São José do Rio Preto, sedes das DRSs (Diretorias Regionais de Saúde), Bebedouro possui percentual mais alto de ocupação de UTIs na rede SUS (Sistema Único de Saúde). Em contrapartida, o município está entre os primeiros no ranking estadual do índice de isolamento social, com 52%, na quinta-feira (22).

Respiradores

O prefeito Lucas Seren anunciou o recebimento de mais nove respiradores para o município, fruto de parcerias com o Ministério da Saúde e o governo do Estado de São Paulo

“Já aplicamos mais de 20 mil doses de vacina contra a doença, mas o momento ainda é de muita preocupação e cuidados. O Brasil registra alta de casos, óbitos e internações. Nossa equipe continuará trabalhando na imunização e, agora, os nove respiradores irão trazer alívio importante no cuidado dos nossos pacientes com Covid-19. Os números da pandemia ainda são preocupantes, mas começamos a ver luz no fim do túnel, já que vacinas e respiradores salvam vidas”, diz o prefeito.

Três aparelhos enviados pelo Governo Federal chegaram a Bebedouro no domingo (18) e seis enviados pelo governo estadual, no início deste mês. “Os equipamentos já no Hospital Municipal significam que os pacientes estão tendo cuidados especiais desde a enfermaria. Reforço que ainda é muito cedo para afrouxar. Máscara, álcool em gel e distanciamento são as nossas melhores armas contra a doença”, pede Seren.

Publicado na edição 10.573 de 24 a 27 de abril de 2021.