Mesmo com queda em ocupação de leitos, cidade registra mais três mortes por Covid

Apesar de mais óbitos e casos positivos, a média móvel de casos/dia vem caindo semanalmente na cidade, passando de 50,21 para 29,85, nos últimos 14 dias.

0
66
(Fonte: Vigilância Epidemiológica)

Até a última sexta-feira (6), Bebedouro contabilizava 317 mortes em decorrência da doença, e mais três vítimas do vírus estão no boletim epidemiológico de terça-feira (10), totalizando 320 óbitos, desde março do ano passado.

Destes, os mais recentes são três mulheres: com 48 anos, que faleceu na Santa Casa, em Barretos, e sofria de hipertensão arterial sistêmica; com 80 anos, hospitalizada no Hospital Nossa Senhora, também em Barretos; e com 92 anos, internada no Hospital Municipal Julia Pinto Caldeira.

Desde o último boletim epidemiológico, divulgado pela Gazeta de Bebedouro, na edição do fim de semana, o número de casos positivos passou de 11.876 pacientes na sexta-feira (6) para 11.957, no levantamento de terça-feira (10), e 1.069 de moradores da microrregião. Em cinco dias, são mais 81 novos casos da doença, na cidade.

A Vigilância Epidemiológica monitora 100 pessoas positivadas, em Bebedouro, isoladas em suas residências. Outros 69 pacientes aguardam resultados de exames.

A ocupação de leitos no Hospital Estadual apresentou leve recuo, na terça-feira (10), com 19 pacientes em estado grave. Na Unimed, o percentual caiu consideravelmente e dos 11 leitos disponibilizados na ala Covid, três deles estão ocupados, representando queda de 27,27% em relação ao último levantamento. Não há pacientes graves internados na UCE (Unidade de Cuidados Especiais), do Hospital Julia Pinto Caldeira, nem na UPA 24h. Quatro bebedourenses estão em UTIs de cidades da região, pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

No total, 21 pacientes estão internados nas enfermarias dos hospitais da cidade. São 11, no Hospital Estadual, indicando 55% de ocupação de leitos, três no Municipal, um na UPA e seis na Unimed (27,27% de ocupação).

Média diária e atendimentos caem

Apesar dos óbitos e dos novos casos positivos, desta semana, a média móvel vem caindo. Entre os dias 21 e 27 de julho, Bebedouro registrou 431 positivados. Uma semana depois, entre os dias 28 de julho e 3 de agosto, foram 210 notificações positivas, representando recuo de 51,27%. Já na semana de 4 a 10 deste mês, a cidade contabilizou 208 positivados, leve queda de 0,95% em sete dias. A média móvel nos últimos 14 dias é de 29,85 casos/dia. Comparando-se com a média móvel de 50,21 casos/dia, publicada na edição nº. 10.596, de 28 de julho, o recuo é de 40,54%, indicando queda acentuada.

O gestor da Organização Social Mahatma Gandhi, responsável pela UPA 24h, Giovani de Carvalho Silva, confirma à Gazeta, a queda no número de atendimentos no gripário municipal, nas últimas semanas. “Os atendimentos diminuíram consideravelmente no gripário, principalmente referentes àqueles pacientes que utilizam suporte ventilatório, os mais graves e que necessitam de UTI. Há duas semanas não há nenhum paciente diagnosticado com Covid-19, em estado grave, na UPA”.

Para Silva, esta queda está associada a dois fatores. “Por mais que esteja havendo atraso nas entregas de doses, a vacinação em Bebedouro está acelerada, o que vem contribuindo muito. Além disso, também temos a percepção de que as pessoas estão mais conscientes quanto à doença”, pontua o gestor, acrescentando que em nossa região ainda não há mudança no perfil dos pacientes. “Em Bebedouro e região ainda não notamos aumento de pacientes mais jovens. No Hospital Municipal, continuam os atendimentos a todas as faixas etárias, o que notamos foi diminuição no número destes atendimentos, ressaltando que não há pacientes graves internados, nem idosos e nem jovens”.

De acordo com levantamento da Organização Social Mahatma Gandhi, solicitado pela Gazeta, em junho, o gripário municipal registrou 2.310 atendimentos, com média diária de 77 assistências médicas. Naquele mês, nos dias 7 e 5, houveram maior e menor número de atendimentos, 143 e 34, respectivamente.

No mês seguinte, em julho, foram 2.294 suportes, 16 atendimentos a menos que em junho. Em 14 de julho, o gripário atendeu 109 pessoas, sendo o dia com maior assistência médica; o dia 31 apresentou o menor número de pessoas, com 40 atendimentos. Em julho, a média foi de 74 atendimentos/dia.

Perfil de infecções

Em Bebedouro, de acordo com o Portal Covid, da Prefeitura Municipal, as mulheres continuam sendo maioria entre os infectados, representando 53% dos doentes. Do total de 11.957 bebedourenses que já tiveram Covid desde março de 2020, 21,28% têm entre 30 e 39 anos; outros 20,11% estão na faixa de 40 a 49 anos; jovens de 18 a 29 ocupam 20,09% do total; 14,72% tem idade entre 50 e 59 anos; e 8,80% têm entre 60 e 69 anos.

Dividida em 95 bairros, incluindo zona rural, distritos e povoados, Bebedouro concentra 10,81% dos infectados na região central, também a mais populosa. No Jardim Centenário, são 4,62%; no Residencial Santaella, 4,20%; no Menino Deus e no Jardim Cláudia, 4,06% e 4,01%, respectivamente.

Publicado na edição 10.600, de 11 a 13 de agosto de 2021.