O avesso da pele

José Renato Nalini

0
108

O livro “O avesso da pele”, de Jeferson Tenório, é um relato honesto de criaturas concretas, que enfrentam dificuldades, mas que têm noção de sua dignidade e de suas potencialidades. Isso não impede enfrentem problemas reais, suportados de forma contínua pela raça negra.

Aquela constante de ser barrado por policiais, a espécie de temor dos que vêm se aproximar um rapazinho negro, o estranhamento quando em ambientes que não seriam os habitualmente frequentáveis, tudo isso é narrado com fidedignidade.

O que me impressionou mais, foi o relato da experiência do professor em sala do EJA – Educação de Jovens e Adultos, numa fase em que esse projeto já não atende mais os maduros que perderam a oportunidade de uma educação formal na época adequada, mas acolhem uma juventude de certa forma desnorteada. São os “nem-nem”, que não se interessam pelas aulas, que debocham do professor, que não tomam conhecimento dele em sala de aula.

A situação reflete a epopeia do magistério que vai enfrentar a crise dos “Ps”: a falência dos Pais, Professores, Padres, Pastores, ou uma patologia que enfraquece qualquer forma de autoridade.

O drama do professor é comparado com aqueles edificantes filmes americanos, tipo “Ao mestre com carinho”, do inesquecível e já pranteado Sidney Poitier, com final feliz e súbita conversão de toda a classe.

Não é assim no Brasil de hoje. Com professores mal-amados, mal remunerados, desrespeitados, sem condições de uma atualização que pudesse fornecer instrumento pedagógico hábil à quase utópica motivação de um alunado que já se considera perdedor e fracassado.

É um retrato sem retoques de uma sala de aula de escola pública da periferia, palco do drama em que todos os personagens são igualmente vítimas. Enquanto Estado, família e sociedade não se unirem para oferecer à infância e juventude uma educação de qualidade, o Brasil não terá futuro alvissareiro. A leitura de “O avesso da pele” de Jeferson Tenório já vale por esse testemunho do professor do EJA, cujo destino, por sinal, é trágico.

A carne, cada vez mais fraca

Recente polêmica evidenciou a polarização que impede análise ponderada de um assunto que interessa a todos. A proposta de um dia sem consumir carne é antiga. Parte daqueles preocupados com a origem dessa proteína que, no Brasil, tem uma vinculação inequívoca: a origem da pecuária seria o desmatamento.

É óbvio que há criadores que procuram tecnologias verdes, se é que elas existem. A redução do metano é preocupação planetária, pois em grande parte esse gás venenoso, causador do efeito-estufa, provém da ruminação e da flatulência do gado bovino.

O que o Brasil precisa é de transparência e rastreamento, para que se possa identificar a carne provinda de boas práticas e aquela proveniente de desmatamento e grilagem.

As novas gerações têm noção de que o mundo corre perigo e o aquecimento global está causando catástrofes rotineiras em inúmeras partes do globo, inclusive no Brasil. Ou vai se culpar São Pedro pelas chuvas na Bahia, em Minas e Goiás e pela seca no Rio Grande do Sul?

O consumo de carne tem seus mitos, superstições, mas também está provado que seu excesso é prejudicial, aliás como todo exagero. Um dia sem carne é uma contribuição para a reflexão, para mostrar à cadeia produtiva a seriedade da preocupação com a capacidade de inovação do agronegócio, até para garantir que os mercados internacionais continuem a consumir carne brasileira. No momento em que o mundo se recusar a adquirir carne diante de dúvidas quanto à sua proveniência, isso será nefasto para a economia tupiniquim e para milhares de pessoas que atuam nessa atividade.

O que não pode existir é mais uma lamentável ocorrência provinda do discurso do ódio. Agredir, injuriar, xingar, ofender, é próprio da barbárie.  Ouvir, argumentar, debater, obter consensos, isso é o que faz uma sociedade civilizada. O que todos têm de assimilar é que a preocupação ecológica vai pautar a economia universal e quem não se ajustar aos parâmetros postos pela ciência vai se dar mal. Não é o que se quer para este Brasil tão necessitado de equilibrar sua balança comercial.

(Colaboração de José Renato Nalini, reitor da da Uniregistral, docente da Pós-graduação da Uninove e Presidente da Academia Paulista de Letras – 2021-2022).

Publicado na edição 10.639, de 26 a 28 de janeiro de 2022.