Para agilizar abertura, a Fundação Pio XII investe R$ 600 mil no Hospital Estadual de Bebedouro

“Minha gratidão por Bebedouro é tão grande que viria para cá de qualquer forma para ajudar”, afirma Henrique Prata.

0
47
Conhecendo as instalações – Fernando Galvão acompanha visita da comitiva de parceiros do Hospital Estadual, para conhecer as demandas necessárias para agilizar abertura da unidade: Fundação Pio XII, Grupo Cutrale e JF Citrus. (Divulgação)

“Abriremos estes leitos de UTI, até o final deste mês, pela minha impulsividade e também do prefeito Fernando Galvão”. A afirmação é do presidente da Fundação Pio XII, responsável pelas unidades do Hospital de Amor, em Barretos e em diversos estados brasileiros, em visita ao Hospital Estadual de Bebedouro.

Por amor – Após visitar as instalações do Hospital Estadual de Bebedouro, Henrique Prata atende a imprensa e afirma que trará a medicina humanizada de Barretos para a cidade. (Gazeta)

Acompanhado por Fernando Galvão, pelos representantes do grupo Cutrale Carlos Otero de Oliveira e Luiz Antônio Gonçalves e pelo empresário José Francisco dos Santos, Prata visitou as instalações da unidade hospitalar, na quarta-feira (1º de julho).
O presidente da Fundação Pio XII afirma que, neste primeiro momento, a instituição assume a administração do Hospital Estadual em caráter de urgência devido à pandemia da Covid-19.
“Em parceria com o prefeito Fernando Galvão estamos trabalhando de forma acelerada para que os 20 leitos de UTI estejam à disposição de quem necessitar, o mais breve possível. Estes atendimentos em Bebedouro, são muito importantes para a região, e foram possíveis devido a articulação por parte do prefeito”, afirma Prata, mencionando que o Hospital de Amor foi escolhido pela “experiência obtida no Hospital Nossa Senhora Aparecida, que subiu de 38 leitos, em Barretos, para 56, nos últimos dias. E, mesmo assim, ainda não é suficiente”, completa.
Segundo Henrique Prata, para agilizar o início do atendimento, a Fundação Pio XII, investiu R$ 600 mil para que os leitos entrem em funcionamento até o final deste mês. “Estamos improvisando alguns equipamentos que faltam, como linha de gás, oxigênio e hidráulica, por esta urgência de abertura, diminuindo a avalanche de pacientes da região, que estão sendo encaminhados para Barretos”.
“Temos grandes padrinhos por aqui, como o grupo Cutrale, a Coopercitrus e o empresário José Francisco dos Santos, entre outros, possibilitando que o município desenvolva medicina de alta performance. Todos eles já se propuseram ajudar, por isso, estamos levantando o que não virá pelo governo estatual, para que possamos auxiliar nisto. O Hospital de Amor não tem a medicina que o SUS manda ter, mas sim, a que é certa. Na nossa gestão, o dinheiro é secundário. Para fazer o certo tenho a benção de Deus”, ressalta o presidente da Fundação Pio XII.
A empresa bebedourense Conecta Ser está responsável pela seleção dos profissionais que atuarão no Hospital Estadual de Bebedouro. Neste primeiro momento, estão disponíveis 170 vagas. “Os funcionários estão sendo contratados em Bebedouro, porém, estamos trazendo mais de 30 profissionais que pegam estrada diariamente para trabalhar em Barretos. São profissionais formados e capacitados, que integrarão a equipe bebedourense. Entretanto, o melhor ponto será trazer a medicina do Hospital de Amor para Bebedouro. Uma medicina honesta, implacável na responsabilidade de fazer o que é certo, independente de quanto custa e acima de tudo, com amor, como a gestão do Hospital de Amor”, orgulha-se Prata.
“Sou muito grato a todo o apoio que Bebedouro dá ao Hospital de Amor. Por isso, me comprometo estar sempre presente para ajudar no que for necessário. Vivo em Barretos, mas sou irmão de Bebedouro, tenho imensa afinidade com esta cidade. Agradeço a toda sociedade, independente do segmento religioso, que sempre colabora com a Festa Direito de Viver, em novembro. Minha gratidão por Bebedouro é tão grande que viria para cá de qualquer forma para ajudar e sempre estarei aqui para o que precisarem”, agradece Prata, enfatizando que há possibilidade da Fundação manter a gestão do Hospital Estadual de Bebedouro após o período de pandemia do novo coronavírus. “Com a somatória de fatores humanos por trás deste hospital, não tenho dúvida de que será mais um case de 100% de satisfação do usuário”, avalia Henrique Prata.
Para Fernando Galvão esta articulação em benefício da saúde pública de Bebedouro vem sendo construída desde o inicio de seu governo, em 2013. “Não conseguimos construir relacionamentos às vésperas. Relacionamentos sólidos e de confiança, demoram a ser conquistados. Eu e Henrique Prata temos amizade de longa data, sempre me aconselhei com ele. Conheço o trabalho sério do Henrique e sua dedicação com a saúde. Por isso, solicitei ao governo estadual que contratasse o Hospital de Amor para gerir o Hospital Estadual de Bebedouro, especialmente neste momento de pandemia”.
O prefeito afirma estar confiante de que, em breve, boas novas estarão chegando. “Existem trâmites burocráticos, mas estamos muito confiantes na assinatura do convênio, o mais rápido possível. Bebedouro ganha muito e passa para outro patamar de saúde, com alto nível na qualidade de medicina, de atendimento e de humanização, que é reconhecida pelo mundo. Bebedouro começa a ser vista no mapa, como Bebedouro. Unidas as duas cidades são importantes, mas cada uma dentro da sua função. Bebedouro merece ser consagrada, não somos pequenos.
O Hospital Estadual de Bebedouro terá 140 leitos, dos quais 20 serão para UTI adulto, além de quatro salas cirúrgicas, um Centro de Diagnóstico para realização de exames de imagem e um berçário com 34 leitos. Ao todo, o centro médico atenderá 17 especialidades. Os serviços serão distribuídos em seis pavimentos, incluindo um anfiteatro, que já está pronto e mobiliado.

 

Publicado na edição nº 10498, de 4 a 7 de julho de 2020.