Produtores e políticos reúnem-se em Itápolis em prol da citricultura

0
235

O Teatro Municipal de Itápolis sediou no sábado (18), reunião entre lideranças políticas e presidentes dos sindicatos da região para discutir o cenário da citricultura. A reunião foi promovida pelo Sindicato de Itápolis, “esta reunião estava marcada na semana passada, mas como o governador convocou reunião tivemos que remarcá-la”, conta o presidente de Itápolis, Valdir Buttarello, dizendo que o objetivo do evento é formar uma força política para levar alternativas para o setor em Brasília. “nesta reunião também mostramos para as prefeituras, a atual situação da citricultura, e o que cada prefeitura pode perder se o quadro não melhorar, pois é a agricultura a maior força econômica do país. Também discutimos algumas providências que devem ser tomadas com urgência, para a safra deste ano”.
Segundo Buttarello, a reunião contou com participações importantes, como Marco Antonio dos Santos, presidente do Sindicato Rural de Taquaritinga, e da Câmara Setorial em Brasília; um representante da Faesp; Frauzo Ruiz Sanches, presidente do Sindicato Rural de Ibitinga; Flávio Veigas, presidente da Associtrus, dentre outros, “contamos com a participação de prefeitos e vereadores de algumas regiões como Tabatinga, Iacanga, Monte Azul Paulista, Ibitinga, representantes de São José do Rio Preto. Os deputados Eduardo Suplicy (PT) e Mendes Thame (PSDB) enviaram ofícios pedindo desculpas pelo não comparecimento. Sobre o suco de laranja na merenda escolar, não sabemos como vai ser e como vai funcionar, esta medida deveria ter sido implantada há 20 anos atrás. Durante a reunião fizemos um relatório apontando alternativas que achamos que devem ser tomadas com urgência. Todos os prefeitos presentes assinaram e encaminhamos para a presidente Dilma Rousseff. A principal medida é parar o plantio”.
Também foi discutido o projeto que tramita na Câmara dos Deputados, do deputado Antônio Carlos Mendes Thame (PSDB) que obriga as indústrias processadoras de laranja in natura com financiamento no BNDES a adquirirem um percentual de 40% do total processado de matéria-prima de produtores rurais.
Para Flávio Viegas, o processo que mudará o setor está apenas começando, “não temos nenhuma grande novidade, foi uma reunião para tentar mobilizar os representantes do setor. Não decidimos nada a curto prazo, infelizmente todas as medidas são a longo prazo”. Viegas também participou de reunião na segunda-feira (20), em Araraquara, com o Ministério da Agricultura.

 

Publicado na edição n° 9440, dos dias 21 e 22 de agosto de 2012.