Rico é assim mesmo

José Renato Nalini

0
106

O Brasil está na contramão da economia planetária. Todos os países civilizados permitem o jogo, que é algo ínsito à natureza humana. O “homo ludens” é tão real como o “homo economicus” ou como o “homo sapiens”.

Uma hipocrisia bem fantasiada de invocações moralistas e religiosas diz que o jogo pode esfacelar a família. O jogador deixaria de alimentar seus filhos para jogar. Na verdade, o que se teme é que o jogo desvie dinheiro do dízimo, tão fielmente pago pelos crentes mais ingênuos e mais suscetíveis à pregação anacrônica.

Enquanto se sustenta a vigência do esclerosado Decreto-Lei 3.688/1941, a surreal Lei das Contravenções Penais, a jogatina online é praticada por milhões de brasileiros que enriquecem as empresas estrangeiras ou apátridas. Bancadas interessadas em carrear o dinheiro do pobre para as suas empreitadas confessionais brecaram o PL 442/91, paralisado no Senado.

As loterias continuam repletas. A aposta em jogos de cavalo é permitida. A Lei 13.756/18 tentou introduzir a aposta de quota fixa, a ser explorada mediante autorização ou concessão do Ministério da Fazenda. A falta de regulamentação do tema evidencia o quão fortes são os interesses contrários, travestidas do discurso confessional e moralizante. Quanta verba deixa de ser destinada à educação e à cultura! Surreal que isso aconteça em 2023.

Enquanto isso, os estrangeiros levam o suado dinheiro brasileiro. Que também deixa de empregar milhões de pessoas se os cassinos retornassem e recebessem os ricos de todo o planeta, ávidos por reencontrarem o paraíso que aqui existia antes que uma primeira dama fizesse com que o marido vedasse o jogo. Cantores, artistas, músicos, garçons, cozinheiros, perderam oportunidade de ganhar dinheiro lícito.

Construções dispendiosas na Urca, em Poços de Caldas, em Santos e em outras cidades ficaram desativadas e os que viviam de suas atividades turísticas restaram desempregados e arremessados à informalidade.

Continuemos a multiplicar os empregos no exterior. País rico é assim mesmo. Não faz questão de sustentar os seus filhos. Esbanja com a prole alheia.

(Colaboração de José Renato Nalini, Diretor-Geral da Uniregistral, docente da Pós-graduação da Uninove e Secretário-Geral da Academia Paulista de Letras).

Publicado na edição 10.756, quarta, quinta e sexta-feira, 17, 18 e 19 de maio de 2023