São 340 casos da Covid-19 em Bebedouro, com 54 em três dias

Óbitos seguem em 17, segundo boletim. Gazeta analisa situação dos DRS de Barretos e Ribeirão, em número de infectados por habitantes e letalidade.

0
69
Quase lá – Com novos equipamentos chegando, incluindo monitores cardíacos, Bebedouro está próxima de inaugurar seu Hospital Regional. Segundo prefeito Galvão, assinatura do contrato com Henrique Prata, do Hospital de Amor, está em fase final. (Divulgação)

Bebedouro registrou aumento de casos confirmados e óbitos pela Covid-19, segundo boletim epidemiológico de sexta-feira (24). Os pacientes com diagnóstico positivo eram 286 na terça (21) e passaram para 340, o que representa 54 novos casos em três dias, média de 18 por dia.
Do total de infectados, 284 são de Bebedouro e 56 são pacientes da região, diagnosticados em hospitais locais. Dentre os portadores da Covid-19, os recuperados passaram para 221, sendo 184 bebedourenses e 37 moradores da região. Há ainda 102 casos de pacientes que não estão curados do vírus, em monitoramento: 83 de Bebedouro e 19, da região.
Os óbitos subiram para 17, sendo cinco vítimas falecidas em hospitais de Bebedouro, uma na capital paulista e outras 11 em Barretos. A morte mais recente, registrada na quinta (23), é de homem, 52, com obesidade.
Há nove bebedourenses internados em UTI, cinco em Bebedouro e quatro em hospitais da região; há também 14 pacientes em enfermarias, dentre eles, dois em Barretos e 12 em Bebedouro, sendo 10 na Unimed e dois no Hospital Municipal.
Isolamento social – De acordo com o Simi-SP, do Governo de SP, o índice de isolamento de Bebedouro, na terça e quarta (21 e 22), ficou em 52%, colocando a cidade em 2º lugar entre as 20 melhores do estado. Já na quinta (23), com 46% de isolamento, Bebedouro ocupava a 6ª colocação.
Contaminação e letalidade – Considerando os casos de Bebedouro e a população de 77,5 mil habitantes, há 7,64 pacientes contaminados com Covid-19 por cada mil habitantes. Já a taxa de letalidade, que indica a porcentagem de pacientes infectados que faleceram, é de 5%, levando em conta 17 óbitos e 340 infectados.


Funcionamento do comércio – Em razão do aumento de casos da Covid-19 na região e na cidade de Bebedouro, além da manutenção de fase no Plano São Paulo, no laranja, a Prefeitura de Bebedouro anunciou que manterá o fechamento do comércio neste final de semana conforme decreto de 10 de julho, além de intensificar a fiscalização, através do GEI (Grupo Estratégico de Isolamento). As demais exigências fixadas no decreto, sobre aglomerações e uso de máscaras permanecem em vigor.
Notificação nacional de testes – O Ministério da Saúde publicou, na terça-feira (21), portaria que torna obrigatória a notificação à pasta de todos os resultados de testes da Covid-19. A obrigatoriedade vale para laboratórios da rede pública e rede privada, em todo território nacional, dentro do prazo de 24h.
Em Bebedouro, segundo a secretária de Saúde, Sônia Junqueira, o repasse de informações sobre testes sempre aconteceu, mesmo antes da portaria, tanto das coletas feitas pela Vigilância Epidemiológica no Hospital Municipal e Unimed, quanto dos exames coletados pelo laboratório particular licenciado em Bebedouro.
“Antes mesmo da pandemia, já repassávamos informações de todas as doenças ao ministério, dentro do prazo limite”, garante Junqueira, acrescentando que a portaria visa padronizar o recebimento das informações, já que algumas cidades não enviam ou atrasam. “Temos controle rigoroso de pessoas testadas em Bebedouro, através da Vigilância Sanitária, incluindo os testes vendidos em farmácia nos são notificados”, conclui a secretária.
Exames represados – O prefeito de Ribeirão Preto, Duarte Nogueira, informou a chegada de um robô da Fundação Fiocruz, na próxima semana, para ajudar a reduzir a fila de exames em espera na cidade. O equipamento deve possibilitar o processamento de até 800 testes por dia, já que a cidade tem mais de 5,8 mil exames represados.
Em Bebedouro, segundo a coordenadora da Vigilância Epidemiológica, Thais Teixeira, os exames coletados são enviados ao Instituto Adolfo Lutz de Ribeirão, que devido à alta demanda, apenas realiza testagem de casos graves ou óbitos de infectados de outros municípios. “Os demais testes são encaminhados ao Hospital das Clínicas ou Instituto Butantã, o que tem causado certo atraso nos resultados de Bebedouro, que levam de cinco a 10 dias”, explica Teixeira.
A coordenadora diz ainda que a cidade está enviando de 15 a 20 testes para análise todos os dias e, diariamente, recebe aproximadamente a mesma quantia de resultados. Em média, segundo ela, Bebedouro tem 60 exames aguardando resultados, sendo 30 encaminhados ao Adolfo Lutz e outros 30, enviados ao laboratório particular credenciado.
Panorama das regiões – A Gazeta analisa casos e óbitos dos 18 municípios que integram o DRS 5, de Barretos (Departamento Regional de Saúde), comparando-a com o DRS 13, de Ribeirão Preto, que agrega 25 cidades.
Compõem a região de Barretos, além da cidade sede e de Bebedouro, Altair, Cajobi, Colina, Colômbia, Guaíra, Jaborandi, Monte Azul, Olímpia, Severínia, Taiaçu, Taiúva, Taquaral, Terra Roxa, Viradouro e Vista Alegre do Alto. A população das 18 cidades tem 440,8 mil habitantes, de acordo com estimativa do IGBE, de 2019. A região soma 3,98 mil casos confirmados da Covid-19 e 126 mortes em decorrência do vírus. Vale destacar que 1.983 casos, 49,7% dos pacientes infectados, foram diagnosticados em Barretos.
Já o DRS/Ribeirão é composto por Altinópolis, Barrinha, Batatais, Brodowski, Cajuru, Cássia dos Coqueiros, Cravinhos, Dumont, Guariba, Guatapará, Jaboticabal, Luís Antônio, Monte Alto, Pitangueiras, Pontal, Pradópolis, Santa Cruz da Esperança, Santa Rita do Passa Quatro, Santa Rosa de Viterbo, Santo Antônio da Alegria, São Simão, Serra Azul, Serrana e Sertãozinho, que somam 1,48 milhão de habitantes, sendo 18,4 mil contaminados e 511 óbitos. A maioria dos infectados também está concentrada na cidade sede de Ribeirão (64,9%).
Considerando as 3,98 mil infecções pelo novo coronavírus e a população estimada, a região de Barretos tem 9,03 casos para cada mil habitantes; a taxa percentual de letalidade é de 3,16%, dentre as 18 cidades. Já no DRS/Ribeirão, a taxa de infecção de é 12,44 por mil habitantes e 2,77% dos infectados morrem pela doença nos 25 municípios.
Nota-se que, apesar de contabilizar mais pacientes infectados por número de habitantes, a região de Ribeirão Preto possui menor taxa de morte pela doença, que a região de Barretos.

 

Publicado na edição nº 10504, de 25 a 28 de julho de 2020.