Só vale o ranking da economia?

José Renato Nalini

0
56

O Brasil já chegou a ser a sexta economia global. Hoje não é mais. Apesar das múltiplas crises, ainda é uma das maiores do planeta. Mas isso é sinal de que o brasileiro vive no melhor dos mundos?
Obviamente não. Por inúmeras razões. Basta mencionar uma delas. Se o marco do saneamento básico foi algo positivo, isso é insuficiente para tranquilizar os angustiados. A situação é de gravidade inimaginável. Pois nem haveria necessidade de estudos aprofundados para concluir que vinte e quatro das vinte e sete unidades estaduais da Federação precisarão investir pesadamente para alcançar metas de universalização.
Somente três Estados têm níveis satisfatórios de população servida com água potável e provida de coleta de esgoto. São o Distrito Federal, São Paulo e Paraná. Amazonas, quem diria, o reservatório de água doce que já causou inveja ao resto do mundo, tem apenas 35% de abastecimento de água e 7% de coleta de esgoto. Seguido de perto pelo Pará e Rondônia, que deixa 95% de seus habitantes sem esgoto coletado e pelo Maranhão, onde o percentual do atendimento é de 14%.
Faz lembrar os passos iniciais de Winston Churchill no Parlamento Britânico, há exatos 119 anos, pois em dezembro de 1901, duas semanas depois de ter completado 27 anos, escreveu a um amigo: “vejo pouca glória num império que pode dominar as ondas, mas que não consegue escoar seus esgotos”.
Era um político atento à pobreza e à exclusão. Dizia aos políticos: “é agradável nos demorarmos nos extremos da riqueza, mas não desejamos contemplar os extremos da pobreza”. A imaginação política não era incentivada a pensar nos “bairros miseráveis, sótãos ocupados e lugares pobres”. Propunha novo projeto para a Inglaterra, para que ela priorizasse os excluídos: “Embora o império britânico seja tão grande, eles não conseguem arranjar um lugar onde viver; embora seja tão magnificente, eles teriam mais chance de serem felizes se tivessem nascido canibais numa ilha dos mares do Sul”.
Insistia em que a política focasse um alívio da pobreza: “não o dever de homem para homem nem as ideias de que o esforço honesto numa comunidade rica deveria ser retribuído com certos direitos mínimos nem que essas vidas em putrefação no nosso país transformam em objeto de escárnio o poder mundial e desfiguram a imagem de Deus sobre a Terra, mas sim o fato de que a pobreza é um sério obstáculo ao desenvolvimento”.
Quase 120 anos depois, essas palavras deveriam ser gravadas em todos os gabinetes e em todas as repartições estatais, para que os brasileiros tenham noção de que nada significa ser uma das maiores economias do Planeta e conviver com a legião crescente e desamparada de excluídos.

 

(Colaboração de José Renato Nalini, Reitor da Uniregistral, docente da Pós-graduação da Uninove e ex-Presidente da Academia Paulista de Letras – 2019-2020).

Publicado na edição 10.549 de 27 a 29 de janeiro de 2021.