Uma simpática senhora centenária

José Mário Neves David

0
5

Dia 6 de junho, nossa querida Gazeta de Bebedouro completa o primeiro centenário. O primeiro de muitos, certamente. E o atingimento dessa marca histórica é um verdadeiro marco para todos os bebedourenses, dada a enorme credibilidade jornalística, a importância social e a relevância histórica desse jornal para os felizardos que nasceram nessa terra abençoada. São muitos os motivos para comemoração.

A Gazeta de Bebedouro é diretamente responsável por importantes conquistas do povo bebedourense. A primeira faculdade da cidade, atual Unifafibe, que abriu as portas em 1970, é fruto do empenho do jornal e seus responsáveis, assim como a fonte sonoro-luminosa da Praça Barão do Rio Branco, merecidamente nomeada com o nome da Gazeta. Outros espaços de enorme importância social na cidade foram criados e decorreram do empenho direto da Gazeta e de seus dirigentes, como o Clube José do Patrocínio, um espaço importante para a convivência da comunidade negra de Bebedouro, e a Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) da cidade, fomentada e presidida por muitos anos pelo Sr. Juca Caldeira, jornalista que por muitos anos liderou, com maestria, nosso querido jornal. Assim, muitas das conquistas da cidade, que elevaram o bem-estar local e desenvolveram a sociedade bebedourense como um todo, são frutos das ações da Gazeta de Bebedouro.

No campo do jornalismo, a Gazeta é referência na cidade, no estado e no país. Com todas as dificuldades que a imprensa enfrenta em tempos de internet e de combate às notícias falsas, a Gazeta mantém bravamente sua credibilidade, independência e qualidade na cobertura dos eventos mais importantes da cidade e da região, sendo uma referência de confiança para os bebedourenses que queiram se informar em uma fonte inteligente, com credibilidade e rigor técnico nas apurações. Um jornal, tanto impresso quanto online, que preza desde 1924 pela informação de qualidade. Ter um exemplo de jornalismo desse calibre em nossa cidade é um privilégio, e todos os bebedourenses devem zelar por esse patrimônio. Quantas cidades do porte de Bebedouro possuem um jornal centenário e de tanta qualidade?

Quanto à generosidade, a Gazeta de Bebedouro é também uma referência. Muitos profissionais nascidos e criados na cidade – eu incluído – deram seus primeiros passos na escrita através das páginas da Gazeta. A responsabilidade de escrever para esse jornal é enorme, pois muita gente inteligente lê a Gazeta semanalmente, porém o orgulho e o privilégio de podermos contribuir com nosso jornal superam o receio de não escrevermos algo à altura da Gazeta. Nesse ponto, destaco a generosidade e visão da diretora Sarah Cardoso, nossa querida Sarah, que acredita nos prodígios da cidade, alguns ainda muito jovens, e cede espaço para produção e publicação de conteúdo. Mulher corajosa! Sou prova viva de todo o esforço dela para manter a Gazeta de pé e da liberdade e autonomia que essa jornalista dá aos escritores bebedourenses, o que reforça a independência e o vanguardismo do jornal. Obrigado, Sarah!

É emocionante ver a Gazeta de Bebedouro chegar aos 100 anos, dados todos os desafios que cercam a imprensa livre e independente em tempos de internet e censura prévia. Mais do que um prazer, ser bebedourense e ter a Gazeta para ler todas as semanas é um verdadeiro privilégio. Obrigado Lucas Evangelista, Juca Caldeira e Sarah Pacheco Cardoso, por toda a história e bravura na consolidação do jornal e, principalmente, obrigado Sarah Cardoso por acreditar na cidade, nos seus conterrâneos e por manter viva essa instituição bebedourense chamada Gazeta de Bebedouro. Viva a nossa Gazeta!

(Colaboração de José Mário Neves David, advogado, conselheiro e consultor. Contato: [email protected]).

Publicado na edição 10.848, de quinta a terça-feira, 6 a 11 de junho de 2024

Ano 100