Visitas regulares ao oftalmologista são essenciais para uma qualidade de vida melhor

Alexandre Kazuo Misawa

0
178

Chega a ser difícil falar da importância dos olhos. Nosso primeiro contato com o mundo externo ocorre por meio da visão, responsável por cerca de 85% de nossa percepção do ambiente. É por ela que conhecemos o mundo e nos alertamos sobre o que há em nossa volta. Com isso em mente, é impossível minimizar a importância da saúde ocular e do profissional responsável por ela, o oftalmologista, que comemora sua data no 7 de maio.
A visita regular ao oftalmologista é de suma importância. Isso se deve ao fato de que grande maioria das doenças que podem causar a cegueira são tanto evitáveis quanto tratáveis, como a catarata ou até o glaucoma. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 80% dos casos de cegueira seriam evitáveis com visitas oftalmológicas regulares. Exames básicos detectam males silenciosos, que só se manifestam em estágios mais avançados.
O oftalmologista, porém, não é essencial apenas para aqueles que querem manter sua visão. O profissional também tem um papel importantíssimo no acompanhamento de pessoas com deficiências visuais. Este de fato não era o caso há 50 anos, quando a especialização sequer mencionava estes indivíduos. Hoje em dia isso já é coisa do passado, afinal, os números mostram que esta é uma importante parcela da população.
De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 70% das pessoas com alguma deficiência no Brasil são cegas ou têm baixa visão. Além disso, elas somam, mundialmente, 180 milhões de deficientes visuais. No Brasil, estima-se que haja 1,2 milhão de pessoas cegas e cerca de quatro milhões de deficientes visuais. Portanto, o oftalmologista atual não pode se ater apenas às pessoas com visão total. Este profissional é de extrema valia para estes indivíduos, pois ele ajuda a quantificar a visão residual, além de detectar alterações nas demais funções, como, por exemplo, o campo visual, a sensibilidade aos contrastes, a visão para as cores e a acomodação. Com essas informações, é possível iniciar o treinamento ou adaptação de recursos ópticos especiais para as pessoas com baixa ou sem nenhuma visão, meios importantíssimos para a melhoria de qualidade de vida do paciente, o que é de fato o objetivo de todos os ramos da medicina contemporânea.
O diagnóstico precoce para doenças nos olhos é essencial para um bom tratamento e possíveis curas. Então, não fique com medo do oftalmologista. O receio de ouvir as temidas palavras (“vou te prescrever óculos!”) é pequeno comparado aos benefícios que este profissional pode trazer em sua vida.

(Colaboração de Doutor Alexandre Kazuo Misawa, oftalmologista do HSANP, centro hospitalar na Zona Norte de São Paulo).

Publicado na edição 10392, de 7 a 10 de maio de 2019