Ficha Limpa é o primeiro passo

0
216

Aprovação de critérios mais rígidos para contratação em cargos comissionados reduz os riscos de corrupção.

A criação de lei municipal que estabelece critério de ficha limpa para contratação de servidores em cargos comissionados é o primeiro passo para a moralização do serviço público em Bebedouro.
A medida atende antiga reivindicação dos servidores concursados, cansados de serem comandados por pessoas contratadas em cargos de confiança, que além de não terem a capacidade necessária para a função, não possuíam bons antecedentes.
Critérios mais rígidos para contratação em cargos comissionados podem repercutir nas próximas eleições municipais. Não é segredo para ninguém que muitos candidatos a vereador ou cabos eleitorais usam a participação nas coligações como uma espécie de passaporte para o emprego público.
Antigamente era regra colocar na máquina pública quem ajudou na campanha, mas o resultado, todos sabem: muitos casos de incompetência. E se for mantida esta regra malandra, que privilegia o apadrinhamento político em detrimento do mérito intelectual, os funcionários de carreira desanimam de vez e quem sofre é a população.
No passado, a Prefeitura teve até gente investigada por suspeita de atos criminosos. Não há ainda prova definitiva de que aprontaram no cargo. Mas é a mesma coisa que colocar a raposa para cuidar do galinheiro. Se for descoberta irregularidade, dificilmente será reparada. A gama de possibilidades em recursos na Justiça dá quase a certeza de punição tardia.
Barrar qualquer contratação de pessoas condenadas por crimes comuns ou até administrativos retira pelo menos 70% de chances de suspeita de corrupção e desperdícios na Prefeitura. Também evita o constrangimento de um assessor condenado ir parar nas primeiras páginas dos jornais, e por consequência, manchar a reputação de uma gestão.
O próximo passo é estabelecer transparência em todos os salários de servidores da Prefeitura e da Câmara de Vereadores. É o mínimo que a população tem direito, porque o contribuinte que paga seus impostos em dia, precisa saber onde os recursos são aplicados.

 

Publicado na edição n° 9527, dos dias 26, 27 e 28 de março de 2013.