Hora de abrir o olho para Londres

0
277

Derrota para Argentina é alerta, mas não pode virar motivo de crise.

 

Na tarde de sábado (9), a jovem Seleção Brasileira foi derrotada de maneira honrosa para a forte – e completa – Seleção Argentina por 4 a 3, num jogo de tirar o fôlego. Mesmo assim, a derrota para os hermanos deixou muita gente feliz pela exibição, não pelo resultado.
O fato é que muitos acham que a seleção montada por Mano Menezes, com olhos às Olimpíadas, conseguiu jogar de igual para igual contra a Argentina. Outros defendem que nossa seleção só saiu derrotada porque o camisa 10 hermano é um ser de outro planeta. E outros ainda acreditam que o revés é creditado à inexperiência da seleção em não conseguir segurar resultados (onde esteve à frente duas vezes).
E todas estas vertentes estão certas. A seleção, sim, esteve com disposição e vontade de ir para cima da Argentina, porém esta vontade desenfreada causou danos visíveis, ainda mais quando o adversário tem o melhor jogador do mundo em campo, sendo que, neste caso, o ataque não é a melhor defesa.
Todos estes cenários nos levam a crer que a Seleção ainda não está 100% pronta para o ouro olímpico, mas está bem encaminhada. Foi uma derrota “honrosa” e que não causou danos, sequer indícios de crise, até porque não valia muita coisa. Porém, cuidados são necessários para julho, principalmente no lado psicológico, porque uma derrota “honrosa” em Londres pode significar eliminação.

Neymar e Messi – Este confronto ainda dá dor de cabeça para o camisa 11 da Seleção. A jóia do Santos ainda não conseguiu sentir o sabor da vitória contra a “pulga” argentina. Além disso, nos três duelos contra Messi, Neymar não marcou sequer um gol e viu o argentino marcar 6 vezes. Uma diferença absurda para quem quer estar no patamar dos melhores do mundo.
Estes números, unidos à vontade de Neymar em subir ao topo do mundo como melhor do planeta, fazem crescer os defensores da saída do craque do Brasil. Para estes, Neymar só será reconhecido como tal, quando parar de enfrentar as melhores equipes e jogadores do mundo esporadicamente, até porque considerando o nível dos jogadores que atuam no Brasil e as equipes que o craque enfrenta, a discrepância é gigantesca e por isso ele impera em terras nacionais.
E se o ditado “Diga-me com quem andas e direis quem tu és” é válido, Neymar precisa mudar e logo.

De olho no prêmio – Messi e Cristiano Ronaldo são os principais candidatos ao prêmio de melhor da temporada. O argentino conta com os números descomunais de gols marcados nesta temporada, que juntando Seleção Argentina e Barcelona, “La Pulga” marcou 82 tentos – o melhor desempenho da história do esporte –, porém CR7 tem a seu favor o título de campeão espanhol, justamente contra Messi e ainda conta com a possibilidade – remota – de ser campeão da Eurocopa, o que aumentaria exponencialmente suas chances de arrancar o reinado do argentino.

 

(Colaboração de Rafael Barbosa email: rafa.gazeta@hotmail.com e Deborah Ribeiro, e-mail deborah_voga@live.com)

 

Publicado na edição n° 9411, dos dias 12 e 13 junho de 2012.