Na linha de defesa por um Mundo sem Aedes

Partícula de amido de milho e óleo de tomilho, combinação desenvolvida pela Unicamp, combate larvas do mosquito da dengue.

0
62
No combate – Partículas de amido de milho e óleo de tomilho atuam no combate às larvas do mosquito da dengue. (Patrícia Cardoso/Unicamp)
Cientista – Engenheira química e docente na FEA/Unicamp, Ana Silvia Prata coordena o projeto para combater o Aedes aegypti. (Arquivo Pessoal)

O amido de milho, matéria-prima abundante, barata e biodegradável, foi a base usada por pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) para o desenvolvimento de partículas capazes de armazenar e liberar controladamente, compostos ativos letais para as larvas do mosquito aedes aegypti, transmissor de doenças como dengue, zika vírus, febre amarela e chikungunya.
A metodologia teve a patente requerida por meio da Agência de Inovação da Unicamp (Inova) e foi descrita em artigo na revista Industrial Crops and Products, intitulado “Improved activity of thyme essential oil (Thymus vulgaris) against Aedes aegypti larvae using a biodegradable controlled release system”, traduzido como “Melhoria da atividade do óleo essencial de tomilho (Thymus vulgaris) contra larvas de Aedes aegypti usando um sistema biodegradável de liberação controlada”.

Quer ler mais? Seja assinante da Gazeta.

CLIQUE AQUI e ASSINE

Se já for assinante basta entrar com os dados abaixo.

Publicado na edição de nº 10423, de 31 de agosto a 3 de setembro de 2019.