Será que chegou o momento?

0
255

Inevitavelmente um dos dois grandes do Rio de Janeiro irá percorrer o calvário da série B em 2014. No momento, está mais para o Fluminense do que para o Vasco, mas nada impede que os dois lutem juntos no ano que vem para retomar a elite.
Na coluna de hoje faremos um breve relato da história do Fluminense, gigante do futebol nacional, que assim como muitos outros, devido a numerosos problemas tanto dentro como fora de campo, as coisas acabaram desandando, culminando com o iminente rebaixamento.
Quando Oscar Cox fundou o Fluminense Football Club em 21 de julho de 1902, numa casa localizada no número 51 da Rua Marquês de Abrantes, no bairro do Flamengo, não poderia imaginar que um clube marcado pela aristocracia logo cairia no gosto popular. Desde os seus primórdios, o “Tricolor” teve, entre seus sócios e frequentadores, representantes das famílias mais tradicionais do Rio de Janeiro. Há várias décadas, o clube se mantém entre as 12 maiores torcidas de um país com tamanho continental. A sua sede em estilo neoclássico, situada no bairro deLaranjeiras, é famosa.
O Fluminense foi a primeira associação do atual Estado do Rio de Janeiro que prosperou fundada para a prática do futebol, sendo também o decano dos grandes clubes brasileiros, inspirando a criação de vários clubes de futebol com o seu nome no Brasil e no exterior tendo, em sua camisa, atualmente, as cores grená, verde e branco. As cores originais do time eram o branco e o cinza. Esse padrão inicial de cores durou apenas alguns anos, como será explicado a seguir.
Em 15 de julho de 1904, após leitura de carta de Oscar Cox e Mário Rocha, enviada da Inglaterra, na Assembleia Geral Extraordinária, o Fluminense trocou a camisa anterior, de cor cinza e branco, pela tricolor. Devido à impossibilidade de conseguir tecido na cor cinza, porque não existia no mercado, eles sugeriram as cores grená, branco e verde. A indicação foi posta em votação e aceita de imediato.
Apesar dos inúmeros serviços prestados ao esporte e à cultura do país, foram as grandes conquistas nos gramados que alçaram o Fluminense à lista de um dos clubes mais populares do Brasil. Quando o futebol ainda engatinhava no país, o clube consolidou sua condição de elite esportiva com o tetracampeonato estadual 1906-1909, alcançando o tricampeonato em 1917-1919, época em que o futebol do eixo Rio de Janeiro-São Paulo começava a levar públicos relevantes aos estádios.
O Fluminense se desprendeu da condição de ser um clube apenas da elite a partir da primeira metade da década de 1920, quando o futebol brasileiro finalmente penetrou na cultura das camadas mais populares da sociedade, tendo sido um dos baluartes na luta pela profissionalização dos jogadores em 1933, deixando de restringir a prática do futebol aos associados dos clubes ou aos falsos amadores de alguns clubes, que praticavam o então chamado “profissionalismo marrom”.
Ainda na década de 1920, o Fluminense foi considerado entidade de utilidade pública federal pelo Decreto 5.044, de 28 de outubro de 1926, conforme publicado no Diário Oficial da União de 10 de novembro de 1926, tendo conquistado a sua primeira taça internacional em 1928: a Taça Vulcain.
Até o final da temporada de 2012, o time principal já tinha 2.754 vitórias, 1.227 empates, 1.323 derrotas, feito 10.711 e sofrido 6.546 gols em 5.304 jogos. O Fluminense disputou um total de 376 partidas contra clubes, seleções ou combinados estrangeiros, com 202 vitórias, 85 empates, 89 derrotas, 786 gols pró e 481 gols contra tendo sido vice-campeão da Copa Libertadores da América em 2008 e da Copa Sul-Americana em 2009.
A Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro aprovou em 12 de maio de 2007 o Decreto Oficial que cria o Dia do Fluminense e dos Tricolores, que é comemorado no dia 21 de julho, data de aniversário do clube. No âmbito estadual, no dia 12 de novembro é comemorado o Dia do Fluminense, pela Lei nº 5094 de 27 de setembro de 2007.
O lema do Clube é Retumbante de Glórias, e desde 2011, é bordado na camisa e em toda a coleção da Adidas para esse ano.

(Fonte Wikipedia)

Publicado na edição nº 9630, dos dias 3 e 4 de dezembro de 2013.